Os atores aceitam ou rejeitam os roteiros por vários motivos. De vez em quando, um ator faz uma escolha que ninguém no ramo entende direito. Esse foi o caso de Velocidade Máxima 2. O sucesso original de 1994 confirmou Keanu Reeves como um protagonista genuíno.

Então, todos pensaram que ele estava fazendo um péssimo movimento na carreira quando recusou trabalhar na sequência.

Claro, Velocidade Máxima 2 acabou sendo uma bomba notória. Mas e quanto ao outro papel questionável de Reeves, aquele que ele se sentiu levado a assumir? Depois de ter sua carreira de volta em pleno andamento, Keanu Reeves caiu em outro passo em falso.


No entanto, apenas um ano após ser a atração principal de Matrix, um dos filmes mais influentes da década de 1990, a carreira de Reeves estava mais uma vez em risco.

Em 2000, ele estrelou a comédia esportiva Virando o Jogo, recebendo uma grande redução no pagamento para garantir que a produção pagasse a Gene Hackman. Mas pouco tempo depois, ele assumiu um papel totalmente diferente como um assassino em série em um suspense pouco visto chamado O Observador.

O pior papel da carreira

O grande problema não foram as críticas negativas ou a arrecadação decepcionante de bilheteria. Reeves ficou insatisfeito com O Observador e como sua função se expandiu durante o desenvolvimento. Mas, como disse ao Calgary Sun (via Guardian), ele se sentiu legalmente obrigado a estrelar o filme.

“Nunca achei o roteiro interessante, mas um amigo meu forjou minha assinatura no contrato”, disse Keanu Reeves.

“Não pude provar que isto aconteceu e não queria ser processado. Então eu não tive outra escolha a não ser fazer o filme.”

Alguns críticos notaram que Reeves parecia incomodado como o assassino em O Observador. E parece que o próprio ator concordou. No final, o filme, que também foi estrelado por James Spader e Marisa Tomei, acabou sendo pouco mais do que uma nota de rodapé na filmografia de Reeves.

O Observador, com Keanu Reeves, estreou em setembro de 2000, fracassando com crítica e público.