Com Keanu Reeves, Matrix tem origem polêmica

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Matrix foi lançado em 1999 e se tornou um grande sucesso. A história, mais de 20 anos depois, ainda causa bastante discussão entre os fãs.

Porém, o filme estrelado por Keanu Reeves tem uma origem considerada polêmica por alguns. Alguns conceitos dos filmes são iguais a de uma série de quadrinhos lançada em 1994 pelo selo Vertigo, da DC.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A série em questão é The Invisibles, de Grant Morrison. A trama conta a história de uma integrante de um grupo anarquista que quer libertar a humanidade do domínio de seres transdimensionais, que colocam agentes na nossa realidade para conseguirem controlar o universo.

A história conta com elementos importantes que são colocados em Matrix. Entre eles, a temática do escolhido e também os rebeldes que podem viajar entre realidades.

O filme, assim como a história em quadrinhos, também traz a reflexão sobre a realidade ser uma ilusão e os humanos serem apenas controlados por seres superiores.

Apesar da aparente inspiração, que se torna polêmica para alguns, Morrison já disse em entrevistas que gosta dos filmes de Matrix. O autor também não vê problemas em usar The Invisibles como inspiração.

Matrix está na Netflix

Na trilogia Matrix, Keanu Reeves interpretou Neo, o grande protagonista da trama.

O primeiro longa-metragem estreou em 1999. Foi um grande sucesso de bilheteria, além de ter sido aclamado pela crítica.

As sequências vieram em 2003, mas não tiveram o mesmo sucesso com crítica e público do longa original.

Keanu Reeves ainda retorna como Neo em Matrix 4, que está em produção no momento. Carrie-Anne Moss também voltará como Trinity, enquanto Laurence Fishburne não vai reprisar seu papel como Morpheus.

A trilogia original de Matrix está agora disponível na Netflix.

Matrix 4 chegará aos cinemas em dezembro de 2021. A direção é de Lana Wachowski, com roteiro de David Mitchell e Aleksander Hemon.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio