V de Vingança acerta macabra previsão; confira

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

V de Vingança, tanto o filme, quanto a graphic novel original, continua sendo uma obra bastante popular e parte do motivo é a sua atemporalidade. Em 2020, especialmente, ela prova ser profética de uma maneira bem macabra.

Para quem não sabe, ou não se lembra, V de Vingança mostra uma sociedade distópica fascista, na qual a liberdade de expressão, liberdade de ir e vir, dentre outros princípios dos Direitos Humanos são anulados.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesse meio, surge V, uma figura anarquista que busca acabar com o governo ditatorial, devolvendo a liberdade e o poder ao povo.

O primeiro ponto que torna V de Vingança profético em relação aos dias atuais é a presença de um vírus na história, que acaba com milhares de vidas na Europa. Conhecido como o vírus St. Mary, ele matou mais de 100 mil pessoas ao início do filme.

Posteriormente, descobrimos que ele foi uma arma biológica empregada por Creedy, líder do partido governante do país distópico. A partir do medo, esse ditador ascendeu ao poder e deu início às suas práticas desumanizantes.

Obviamente, isso traça um paralelo com a pandemia de COVID-19, ainda que líderes de direita na vida real tenham minimizado o efeito do coronavírus nos primeiros meses da pandemia. De fato, muitos deles sofreram em popularidade ao não seguirem medidas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mais previsões

Outro ponto que aproxima 2020 a V de Vingança são os protestos ocasionados pelo assassinato de George Floyd, nos EUA, e o movimento Black Lives Matter (BLM).

Na obra ficcional vemos a população se levantando contra o governo fascista, rebelando-se, adotando a máscara icônica de Guy Fawkes, que o anti-herói V utiliza durante todo o filme.

Por sinal, a própria sociedade de V de Vingança espelha alguns governos da vida real, ainda que de forma mais severamente mais radical, além de utilizar elementos de governos de extrema direita, como o nazismo, franquismo e o fascismo italiano. Nela, são criados campos de extermínio para judeus, pessoas negras, socialistas e pessoas LGBTQIA+.

Dito isso, é uma verdadeira tragédia perceber tais similaridades a uma sociedade distópica em nosso mundo, em pleno século XXI.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio