A saga Mad Max do veterano diretor George Miller é uma das franquias mais amadas do cinema de ação, mas há um filme diferente que secretamente compartilha o mesmo universo ficcional? Lançado em 1979, o Mad Max original era muito diferente das sequências que seguiram seus passos.

Um veículo de estrela despojado para o futuro diretor de Apocalypto, o Mad Max original foi um suspense psicológico que seguiu um Mel Gibson tipicamente intenso como o personagem principal, um policial que vive em uma cidade australiana que gradualmente fica mais desequilibrado e impiedoso em sua perseguição de uma gangue criminosa que atacou sua família.

O filme original é uma obra-prima do cinema de suspense esparso, por isso foi uma surpresa para os espectadores quando as sequências subsequentes de Mad Max aconteceram em um futuro pós-apocalíptico insano, cheio de vilões extravagantes e perseguições de carro de alta octanagem.


De Mad Max 2 – A Caçada Continua, de 1981, até o aclamado Mad Max: Estrada da Fúria de 2015 (que mostrou Tom Hardy assumir o papel-título), a saga Mad Max interrogou tudo, desde o ambientalismo à misoginia, ao fundamentalismo, sem nunca sacrificar seu ritmo do quilômetro por minuto.

Mas poderia haver um quinto filme secreto no universo de Mad Max? Há um prelúdio autônomo estrelando Anya Taylor-Joy como uma versão mais jovem da heroína durona de Mad Max: Estrada da Fúria, Furiosa, no caminho, e Miller está trabalhando duro no quinto episódio da franquia, The Wasteland.

Mas a comédia de terror de 1974 Violência por Acidente, do diretor australiano Peter Weir, de O Show de Truman, parece uma influência tão óbvia na paisagem pós-apocalíptica de Mad Max que uma teoria postula que há uma chance de o filme se passar no mesmo fictício universo que a saga de ação de Miller.

É uma afirmação ousada quando o filme de Weir é anterior ao universo cinematográfico de Mad Max, mas os temas que se sobrepõem entre os filmes e suas ambientações semelhantes tornam esta uma ideia difícil de descartar totalmente.

O mesmo universo?

Como Mad Max, Violência por Acidente é uma produção australiana de baixo orçamento dos anos 70 e, como Mad Max (o filme original, pelo menos), é ambientado em uma Austrália que é, se não pós-apocalíptica, certamente está à beira de uma convulsão social. No entanto, isso por si só não é digno de nota.

Os anos 70 foram uma época de ouro para a chamada “Ozploitation”, e tudo, desde A Longa Caminhada, a Pelos Caminhos do Inferno e o posterior O Corte da Navalha, fez grande uso dos cenários desertos e sobrenaturais do país para localizar suas histórias estranhas, muitas vezes assustadoras.

Mas há mais nas comparações entre os dois filmes em questão. Como Mad Max, a história de Violência por Acidente de Weir gira em torno de personagens à margem da sociedade normal que levam uma existência moralmente questionável transformando carros em máquinas mortíferas.

Mas a conexão é mais profunda do que isso, novamente. O filme de Weir (que é uma espécie de anomalia em seu cânone, com a maior parte de sua produção sendo dramas de personagens, como o soberbo Sociedade dos Poetas Mortos) também retrata uma sociedade autocontida notavelmente semelhante àquelas vistas na franquia Mad Max.

Reconhecidamente, o protagonista de boas maneiras de Violência por Acidente (que passou a interpretar Napoleão em Bill & Ted – Uma Aventura Fantástica) é muito mais manso e nebuloso do que a força implacável da natureza que Mad Max se torna ao longo do primeiro filme.

Mas o cenário em que ele acaba preso, a cidade de Paris, tem toda uma economia baseada em intencionalmente causar acidentes de carro para estranhos, retirar peças de seus carros e sequestrar ou matar sobreviventes, e é difícil afirmar que isso não traz uma lembrança da ditadura brutal de Immortan Joe em Mad Max: Estrada da Fúria e do cenário anterior da franquia Mad Max de Bartertown.

No Brasil, Mad Max: Estrada da Fúria está agora disponível na Netflix.