O segredo sombrio de Jurassic World que fãs não notam

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

ALERTA DE SPOILERS

Jurassic World: Reino Ameaçado é o capítulo mais recente da franquia Jurassic Park. Mesmo lançado em 2018, o filme pode esconder um segredo que fãs não conhecem.

O processo de desenvolvimento do Indoraptor foi bastante sombrio. O dinossauro, como os fãs podem lembrar, é o principal desafio de Owen e Claire.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ele foi criado em laboratório, unindo as melhores características dos mais perigosos dinossauros. Porém, muitos fãs podem não notar algo sobre o Indoraptor em Jurassic World: Reino Ameaçado.

Em Jurassic Park e até no primeiro Jurassic World, o mundo recria dinossauros. Assim, se o Tiranossauro é assustador, é simplesmente por conta do seu instinto de sobrevivência.

Já no segundo filme de Jurassic World, o Indoraptor é criado como se fosse um Frankenstein. Há várias partes de outras espécies para criar algo que é puramente maligno.

Mas, a parte sombria está no passado dele. Os humanos que o criaram são piores do que ele.

O Indoraptor foi criado como um bebê. Muitos espectadores não pensam, mas o dinossauro sofreu tortura e foi enjaulado para ser a criatura maligna que aparece em Jurassic World: Reino Ameaçado.

Enquanto isso, os outros dinossauros sempre estão soltos e não sofrem esse tipo de tortura. Algo que chama atenção também é que o Indoraptor parece sorrir quando está matando suas vítimas.

É disso que vem o sombrio segredo do dinossauro assustador.

O DNA do dinossauro

Jurassic World: Reino Ameaçado não mostra isso e nem confirma. Mas, a teoria é realmente forte e tem grandes indicativos.

O segredo sombrio do Indoraptor é que ele também tem DNA humano. Isso explicaria a sensação do sorriso, a cena em que ele movimenta os dedos como se fosse uma pessoa e o momento quando mata uma vítima ao fingir que está dormindo.

Além disso, no final do filme se descobre que o mesmo laboratório tinha conseguido clonar humanos. Assim, é confirmado que a manipulação de DNA humano existe.

Com isso, o Indoraptor não é um projeto de dinossauro assassino. Pode ser um projeto de um serial killer – apesar de não falar, ele ainda pode ter os pensamentos ou a inteligência de um humano.

A origem dele é a mesma ou é a parecida com a de outros personagens que se tornam assassinos. São abusados, maltratados e torturados. Assim que ficam livres, sentem prazer em matar – exatamente como o personagem de Jurassic World: Reino Ameaçado.

“O cientista Owen Grady e a executiva Claire Dearing correm para salvar uma ilha repleta de dinossauros de um vulcão em erupção”, diz a sinopse.

O elenco tem Chris Pratt e Bryce Dallas Howard.

Jurassic World: Reino Ameaçado está disponível na Netflix. Jurassic World: Dominion, a continuação, chega em junho de 2022.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio