Quentin Tarantino detona Coringa, mas elogia ESSA cena

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Coringa foi bastante elogiado e rendeu o Oscar de Melhor Ator a Joaquin Phoenix, mas Quentin Tarantino parece não ter apreciado muito o filme.

Em conversa com Edgar Wright, no podcast da Empire, o diretor de Pulp Fiction falou sobre como o filme basicamente copia o clássico Taxi Driver, de Martin Scorsese.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Vivemos com isso agora? Pegamos grandes filmes dos anos 1970 e os refazemos como artefatos da cultura pop? Taxi Driver como Coringa, Apocalypse Now como Ad Astra, tudo é algum artefato estranho da cultura pop, uma versão de um filme desafiador de outra época?”, disse Tarantino.

O diretor de Bastardos Inglórios, contudo, parece apreciar especificamente uma cena de Coringa.

“A cena do talk show, sentimos toda a atmosfera no cinema mudar. É subversão em um nível gigantesco, e o mais profundo é isso: não é só suspense, não é somente empolgante, o diretor subverte a audiência porque o Coringa é um maluco”.

“O personagem de Robert De Niro não é um vilão de filme. Ele parece ser um c*zão, mas ele não é mais c*zão do que David Letterman. Ele é só um comediante c*zão, um apresentador de talk show. Ele não é vilão de cinema. Ele não merece morrer”, continuou Tarantino.

“Ainda assim, a audiência assiste Coringa e eles querem que ele mate Robert De Niro; eles querem que ele pegue aquela arma, aponte para o olho dele e estoure a p*rra da cabeça dele. E se o Coringa não tivesse matado? A audiência ficaria irritada. Isso é uma gigantesca subversão. Eles fizeram a audiência pensar como um lunático do caralh*”, disse Quentin Tarantino.

Coringa é ou não real?

Uma das grandes dúvidas sobre o Coringa de Joaquin Phoenix é se os eventos do filme realmente aconteceram. Uma prova para responder o mistério pode ter sido encontrada.

A versão de Coringa da história de origem do Batman confirma que os eventos do filme não são reais, mas sim ocorreram na mente de Arthur Fleck.

As memórias de Arthur dos pais de Wayne sendo assassinados no final do filme ajudam a confirmar que os eventos de Coringa provavelmente não são reais, nesse universo.

Durante o clímax do filme, tumultos estouram por toda Gotham depois que Arthur assassina Murray Franklin ao vivo na TV. Enquanto Arthur é preso e colocado em um carro da polícia (que mais tarde bate, permitindo que Arthur seja libertado), um manifestante atira em Thomas e Martha Wayne em um beco, mas poupa o filho do casal – Bruce Wayne.

Na cena final de Coringa, que ocorre no Hospital Estadual de Arkham, Arthur se lembra dos Waynes sendo assassinados – algo que ele não poderia ter testemunhado de sua posição dentro e em cima do carro da polícia. Por esse motivo, os eventos do filme quase certamente acontecem dentro da cabeça de Arthur.

Se isso fosse verdade, poderia ser uma das cenas mais reveladoras de todo Coringa, pois sugere que a razão pela qual ele pensa que os distúrbios (reais ou falsos) foram justificados é porque alguém matou o homem que ele transformou em seu pessoal “vilão” – Thomas Wayne.

As fantasias de Arthur parecem estar à beira da realização de um desejo – como se mostra melhor com seu relacionamento imaginário com Sophie – e isso pode ser visto como o ponto sem volta para ele, à medida que Fleck vai de querer um relacionamento familiar com Thomas Wayne, para imaginar e aparentemente ficar encantado com seu assassinato brutal.

Claro, como esta é uma narrativa retrospectiva, também pode ser interpretado que Arthur está simplesmente relembrando todos os eventos “importantes” que ocorreram nesta noite fatídica – mas a maneira como ele o faz ainda questiona o quão precisa sua interpretação de eventos pode ser.

Coringa está disponível na HBO Go.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio