Tom Cruise pode ter destino trágico em Top Gun 2

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O constantemente problemático Missão: Impossível 7 pode ter reiniciado a produção, mas foi logo seguido pela notícia de que não vai mais ser acompanhado pela produção da oitava parte.

Em vez disso, o início das filmagens de Missão: Impossível 8 foi adiado até novembro para que Tom Cruise pudesse entrar no circuito promocional de Top Gun: Maverick, sua outra grande sequência da Paramount de 2021.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Isso pelo menos confirma que o estúdio está se segurando firme no lançamento do aguardado filme de ação aérea nos cinemas no meio de 2021, tendo resistido às propostas de vários serviços de streaming, questionando sobre a vontade de vender o longa-metragem.

Na verdade, como um blockbuster de grande orçamento, estrelando um grande astro na sequência de um de seus filmes mais amados, que foi projetado para ser visto na maior tela possível, não havia chance de Top Gun: Maverick ir direto para streaming.

No entanto, uma nova teoria apresentou a ideia de que o piloto veterano Pete Mitchell pode não sair do filme vivo, e isso faz sentido em alguns aspectos.

Claro, Tom Cruise dificilmente é conhecido por ser morto na tela, e Maverick marca apenas o terceiro papel de toda a sua carreira que ele já reprisou depois de Ethan Hunt e Jack Reacher, mas de acordo com a teoria, espelhando os temas do filme original de Tony Scott, Top Gun 2 poderia mostrar o desejo constante de Mitchell de ultrapassar os limites de sua profissão escolhida voltando para assombrá-lo, provando que nem mesmo um piloto de renome com quase quatro décadas de experiência atrás da cabine é infalível.

Sombria teoria

Como o Screen Rant explica:

“Pode parecer surpreendente, mas considerando o quanto o Top Gun original retrata a infame ‘necessidade de velocidade’ de Maverick como uma obsessão que põe em risco a vida e contribui para a morte tragicamente precoce de Goose, não é impossível imaginar esse impulso eventualmente matando o próprio Maverick também.”

“Afinal, apesar de seu tom divertido, o foco do primeiro filme na necessidade obsessiva de Maverick por velocidade e busca solitária pela perfeição prenuncia a possibilidade de que essa atitude de ‘viva rápido, morra jovem’ finalmente alcançará o personagem de Cruise por meio da famosa faixa ‘Danger Zone’, de Kenny Loggins, na trilha sonora.”

“Esse sucesso implica em sua letra (assim como a canção-tema original ainda mais explícita, ‘Reckless’, do Judas Priest) que Maverick pode muito bem morrer, provavelmente se sacrificando, em uma labareda de glória que prova que sua obsessão obstinada sempre será sua perdição.”

“Seria um final ousadamente sombrio para o personagem, mas que provaria ser tematicamente adequado para os temas recorrentes da franquia Top Gun de obsessão e seu custo humano.”

O filme certamente parece muito mais sério do que seu antecessor dos anos 80, e um final tão sombrio também poderia definir o cenário para mais aventuras no mesmo mundo com uma nova geração de pilotos em destaque. Mas, por enquanto, só teremos que esperar até o lançamento para ver como tudo se desenrola.

No Brasil, Top Gun: Maverick, com Tom Cruise, pode estrear em julho.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio