Bradley Cooper tem ligação surpreendente com personagem de Nasce Uma Estrela

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Até hoje, alguém realmente sabe o que aconteceu entre Bradley Cooper e Lady Gaga durante seu tempo como Jackson e Ally em Nasce Uma Estrela?

Os dois foram vistos juntos em todos os lugares antes e depois do filme. Eles compareceram a todos os shows de premiação e festivais de cinema mostrando o que haviam conquistado. Eles até fizeram compras juntos e fizeram os fãs pensarem que eles tinham um caso de amor secreto acontecendo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Se eles estivessem tendo um caso, não teria sido a primeira vez que a vida real se refletiu na tela para o filme.

Cooper fez muito para se preparar para seus filmes e fez muito para entrar na cabeça de Jackson. Ele teve aulas de violão e canto, mas havia um aspecto do personagem para o qual Cooper não teve que se preparar.

Seu vício, infelizmente. Como Bradley Cooper teve experiências anteriores com o vício, ele sabia exatamente como interpretar esse lado de Jackson, e é por isso que sua atuação no filme é uma das melhores.

Veja como Bradley Cooper usou suas experiências em Nasce Uma Estrela.

Ligação com o personagem

Nasce Uma Estrela era o bebê de Cooper. Isso deu a ele sua estreia na direção e a chance de se tornar um astro. Mas também o deixou refletir uma parte dele na tela com a qual talvez não se sentisse muito confortável.

Cooper foi capaz de se relacionar com Jackson porque os dois passaram por suas próprias formas de dependência de drogas e álcool. Jackson, infelizmente, simplesmente não viveu feliz para sempre como Cooper.

O enredo do filme não era nada novo. Esta era a quarta vez que estava sendo refeito. Mas isso não significava que Bradley Cooper não pudesse inserir partes de si mesmo nele.

Falando à NPR “sobre minerar ‘as partes mais profundas de mim mesmo’ para retratar o personagem vulnerável e quebrado Jackson Maine”, Cooper disse que foi uma experiência muito terapêutica.

“Acho que porque tenho 40 anos e já passei por muita coisa na vida, fui capaz de fazer isso com alegria. Porque algumas pessoas me perguntam: deve ter sido difícil ir a esses lugares? Mas curiosamente, foi muito terapêutico”, disse ele.

“Você sabe, eu tive um caminho interessante e já lidei com coisas semelhantes na minha vida. E eu observei isso em outras pessoas próximas a mim.”

“Você está falando sobre alcoolismo porque esse personagem é um grande bêbado”, interrompeu a entrevistadora Rachel Martin.

“E o vício em geral”, continuou Cooper.

“E o principal, quando eu estava escrevendo e especificamente filmando, pensei: ‘Puxa, quando esse filme for lançado (se for lançado), eu realmente quero que qualquer pessoa que conheça profundamente sobre essa doença diga: ‘Sim, este é o reflexo de como é.” Não é uma versão brilhante, mas a verdadeira realidade do que é ser um viciado.”

No Brasil, Nasce Uma Estrela está agora disponível no Telecine Play.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio