Conheça o filme de Freddie Mercury com ‘sósia’ famoso que seria para adultos

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Freddie Mercury faleceu em 1991, e deixou para trás um legado inegável para a comunidade artística e a cultura pop. Até hoje, os hits do cantor são ouvidos no mundo todo.

O cantor ganhou uma homenagem recente no filme Bohemian Rhapsody, no qual foi interpretado por Rami Malek, que ganhou o Oscar de Melhor Ator por sua performance.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mesmo fazendo o maior sucesso no Oscar, Bohemian Rhapsody foi criticado por não mostrar os aspectos mais polêmicos da vida de Freddie Mercury “higienizando” a história do cantor para um público mais conservador.

Por pouco, o longa não foi muito diferente! Uma versão original de Bohemian Rhapsody seria protagonizada por Sacha Baron-Cohen, e não esconderia os segredos mais polêmicos de Freddie Mercury.

Confira abaixo!

Abordagem diferente

Uma cinebiografia do líder do Queen já estava sendo discutida por figurões de Hollywood muito antes do projeto da 20th Century Fox ser anunciado.

Há quase uma década atrás, quem estava correndo atrás para produzir o filme era o ator Sacha Baron Cohen, conhecido por interpretar o icônico personagem Borat e por performances em filmes como Os 7 de Chicago e Os Miseráveis.

Em 2010, ele e Peter Morgan – o criador de The Crown – começaram o desenvolvimento da ideia de um filme que trataria da vida e carreira de Freddie Mercury, e traria Sacha no papel do cantor.

A ideia começou a tomar forma e atraiu Stephen Frears, diretor de The Crown. Ela falou sobre o projeto, que acabou não sendo realizado, em entrevista para o site Vulture.

“Sacha queria fazer um filme muito chocante, o que eu imagino que Freddie aprovaria. Chocante no tocante à sua homossexualidade e às intermináveis cenas de nudez. Sacha amava tudo isso”, revelou o diretor.

Quando foi anunciado que Sacha iria estrelar o filme, o projeto chamou a atenção da Sony, mas acabou sendo arquivado meses depois, devido principalmente ao receio do estúdio em permitir que Sacha desenvolvesse completamente sua visão.

Alguns membros do Queen também relataram medo do filme “manchar a imagem” de Freddie, e contribuir para que seu legado como artista fosse resumido à sua orientação sexual.

Roger Taylor, outro integrante do Queen, afirmou que o ator foi dispensado do projeto por motivos diferentes.

“Acho que ele não levou esse projeto a sério. Ele não levava o Freddie a sério”, comentou o músico.

Em 2016, Sacha Baron-Cohen afirmou em entrevista ao programa de Howard Stern que os integrantes do Queen queriam que a morte de Freddie acontece no meio do filme, e que o restante focasse nos outros membros da banda.

“Eu disse: ‘Olha, ninguém vai querer ver um filme no qual o protagonista morre de AIDS na metade e aí o foco vai para o resto da banda’. Existiam histórias maravilhosas sobre o Freddie Mercury. O cara era irado!”, comentou o ator.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio