Conheça o filme que revitaliza a carreira de Van Damme

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em 2008, Jean-Claude Van Damme estava preso em uma rotina. Seu status como um ícone do cinema de ação, com seu legado incluindo filmes tão diversos como O Grande Dragão Branco, O Desafio do Dragão, Retroceder Nunca, Render-se Jamais, Guerra pela Honra, a franquia Soldado Universal, Timecop e O Alvo, não tinha dúvidas.

Mas a partir do início dos anos 2000, começando com Replicante de Ringo Lam em 2001, seus filmes seriam lançados diretamente em DVD na maioria dos mercados. Seus dias no cinema pareciam acabados.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Contente ao estrelar filmes de ação diretamente para DVD, parecia que era lá que ele ficaria pelo resto de sua carreira.

Isso não quer dizer que esses filmes devam ser descartados – na verdade, Operação Fronteira de 2008 apresenta o que muitos consideram algumas das melhores cenas de luta de Jean-Claude Van Damme, em grande parte devido à direção do colaborador regular de Scott Adkins, Isaac Florentino.

Em 2007, um roteiro foi escrito chamado King Of The Belgium, destinado a ser um filme mais cômico para Van Damme.

Acabou nas mãos do diretor Mabrouk El Mechri que, para dizer o mínimo, não se apaixonou pelo roteiro. Intrigado com o conceito, no entanto, ele decidiu reescrevê-lo. A trama faria com que Van Damme terminasse como refém em um assalto a banco.

Tal história pode ter parecido mecânica para ele, uma espécie de “Duro de Matar em um banco”, que forneceria muitas oportunidades para mostrar seus chutes circulares característicos. O roteiro resultante, entretanto, acabaria sendo o projeto mais original e pessoal que Jean-Claude Van Damme já enfrentaria.

Quase dez anos antes de David Leitch encenar sua majestosa cena de luta de um único take para o final de Atômica de 2017, Mechri foi mais longe e começou JCVD ​​de 2008 – como o filme seria chamado – com uma sequência semelhante.

Um amálgama de todos os clichês desajeitados da filmografia de Van Damme, a tomada o leva por uma infinidade de socos, tiroteios, frases de efeito e heroísmo hedonista. Este é o astro de ação que os fãs conhecem e amam.

E esse é exatamente o ponto, porque quando termina, vemos que é apenas mais um set de filmagem. Jean-Claude Van Damme, interpretando a si mesmo, começa uma espiral descendente que inclui a perda da custódia de sua filha e uma situação financeira perigosa.

O filme que revitalizou a carreira do astro

O filme é apresentado em um estilo não linear, com o primeiro quarto do filme repetido da perspectiva de Van Damme mais tarde na história. É essa sensibilidade artística que diferencia JCVD ​​de qualquer outra coisa em sua filmografia.

É repleto de momentos autorreferenciais, desde a cena de abertura até um personagem discutindo com Van Damme sobre a qualidade do cinema de John Woo.

O destaque tanto do filme quanto da carreira de Van Damme como ator vem no terceiro ato.

Em sua vazante mais baixa, a quarta parede é quebrada enquanto ele sobe para um holofote e faz um monólogo de seis minutos em uma tomada ininterrupta.

É uma vitrine de atuação notável enquanto Jean-Claude Van Damme, dolorido com cicatrizes físicas e mentais, mostra sua alma para o público, chorando enquanto lamenta o estilo de vida que escolheu.

Van Damme se valeu de suas lutas na vida real com o abuso de substâncias para a cena, e o resultado é uma performance pessoal surpreendentemente verdadeira.

Para qualquer ator isso seria um desafio, mas aqui assumiu um significado extra porque veio completamente de forma inesperada. Essa cena por si só recebeu elogios não apenas dos críticos, mas também de outros atores. Em uma entrevista, Nicolas Cage comentou como via “a dor nos olhos, havia muita seriedade”.

Atuação aclamada

O crítico do Guardian, Peter Bradshaw, chegou a chamá-lo de “golpe de cinema Godardiano”, enquanto Richard Corliss, da revista Time, classificou o trabalho de Van Damme como um dos melhores daquele ano, perdendo apenas para Heath Ledger em Batman: O Cavaleiro das Trevas.

JCVD não iniciou a tendência de astros de ação mudando sua imagem – Sylvester Stallone ganhou muitos aplausos por seu papel em Cop Land em 1997. Mas então, em 2010, Steven Seagal interpretou seu primeiro vilão em Machete.

Arnold Schwarzenegger mostrou seu lado sério em Maggie: A Transformação, de 2015, e Jackie Chan mal parecia o mesmo em Massacre no Bairro Chinês, de 2009.

Mas JCVD ​​é único como um filme que destrói completamente toda e qualquer ilusão sobre seu ator principal, aquele que se contenta em quebrar sua imagem de homem durão para revelar suas fraquezas e fracassos.

Como resultado de fazer este filme, a carreira de Jean-Claude Van Damme continuou em uma trajetória ascendente.

Ele passou de ator de produções de ação de baixo orçamento para seu primeiro lançamento de cinema mundial em uma década, dando voz ao Mestre Croc em Kung Fu Panda 2 de 2011 (a diretora desse filme, Jennifer Yuh Nelson, também é uma grande fã de Van Damme).

Isso foi seguido por Sylvester Stallone entregando o que pode ser o seu maior elogio ao escalá-lo como o vilão principal (cujo nome real do personagem é Jean Vilain) entre um conjunto de astros de ação igualmente icônicos em Os Mercenários 2, de 2012.

Acima de tudo, mais de dez anos depois, JCVD ​​permanece isolado como uma homenagem, uma crítica, um estudo de personagem e, em última análise, um testamento imponente da resiliência do astro que ficou conhecido como “Os Músculos de Bruxelas”. Ele nunca esteve melhor.

O próximo filme com Jean-Claude Van Damme é The Last Mercenary. Trata-se de uma produção original da Netflix, mas ainda não há data de lançamento.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio