Nem os maiores fãs da Marvel conhecem um fato importante dos Vingadores

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Todos os fãs do MCU provavelmente pelo menos já ouviram falar dos Acordos de Sokóvia.

Criados após os eventos de Vingadores: Era de Ultron e da missão condenada em Lagos em Capitão América: Guerra Civil, os Acordos de Sokóvia visam regular as pessoas com superpoderes e fazê-las operar sob a orientação de um painel das Nações Unidas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como tal, eles efetivamente privam os Vingadores de sua autonomia, o que por sua vez causa o grande confronto entre Vingadores de Guerra Civil. 

Mais recentemente, WandaVision do Disney+ fez referência ao incidente de Lagos, então as chances são de que os filmes do MCU também estão longe de terminar com os diversos problemas em torno dos Acordos de Sokóvia.  

Mas como exatamente os Acordos de Sokóvia funcionam na prática? Se algum bilionário da vida real começasse a voar por aí com uma armadura e lutar contra o crime com um herói da Segunda Guerra Mundial descongelado, a ONU poderia atacá-los com uma versão do mundo real?

O Looper conversou com o advogado de segurança nacional Mark Zaid, que está em uma posição única para desvendar os mistérios dos Acordos de Sokóvia.

Afinal, além de seu trabalho diário, ele é um ávido colecionador de quadrinhos e negociante por meio de seu site, Esquire Comics. Ele também atuou como curador convidado da exposição da Escola de Direito de Yale, Superheroes in Court! Lawyers, Law and Comic Books, de acordo com o New York Times.

Com a experiência de Zaid, aqui está o que mesmo os fãs mais radicais da Marvel podem não saber sobre os Acordos de Sokóvia.

Efeitos potencialmente catastróficos

Quando questionado se os Acordos de Sokóvia poderiam ser melhorados ou emendados de alguma forma para torná-los mais viáveis, Zaid imediatamente aponta que os próprios super-heróis devem fazer parte da discussão – afinal, são eles que os Acordos afetam.

“Se ‘indivíduos aprimorados’ algum dia ficarão sujeitos às leis da civilização, além daquelas que se aplicariam a eles quando em seus disfarces de alter ego (para aqueles que têm alter egos), então seria de se esperar pelo menos que eles fossem convidados para discutir como isso ficaria antes de ser imposto a eles como um documento final pelas nações do mundo.”

Mesmo se as Nações Unidas conseguissem conversar sobre as coisas com a comunidade superpoderosa e implementar com sucesso uma versão dos Acordos de Sokóvia, Zaid acha que isso não funcionaria muito bem – pelo contrário, poderia causar destruição ativamente.

“Na minha opinião, os acordos criam muito mais mal do que bem”, diz ele.

“Qualquer impacto positivo é, e seria, apenas um resultado temporário que rapidamente se desfaria, como realmente aconteceu.” 

Na verdade, Zaid suspeita que os Acordos de Sokóvia acabariam por fracassar de forma catastrófica, porque países individuais e pessoas superpoderosas com más intenções sem dúvida tirariam proveito da situação.

“Claro, como tantos tratados internacionais que vieram antes deste, assim que você fizer com que uma nação desonesta empreenda algumas atividades secretas sinistras – ou, sem dúvida, alguns ‘indivíduos aprimorados’ desonestos que você sabe que com certeza aparecerão em cena um dia -, então a capacidade de tal conjunto de regras funcionar vai direto para fora da janela.”

“Em vez dos Acordos protegerem o mundo, poderiam muito bem levá-lo ao seu fim.”

No Brasil, Capitão América: Guerra Civil está agora disponível no Disney+, assim como outros filmes da Marvel.



Você quer ver essa e mais produções da Marvel, Star Wars, NatGeo e Pixar? Clique aqui para assinar o Disney+

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio