The Girl on the Train da Netflix é um remake; veja o que muda no filme

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Contém spoilers!

O mais recente remake de The Girl on the Train da Netflix faz mudanças significativas na adaptação original de 2016, fazendo desvios em termos de narrativa, tom e consistência dramática.

Dirigido por Ribhu Dasgupta, The Girl on the Train de 2021 é baseado no romance homônimo de Paula Hawkin e estrela Parineeti Chopra no papel principal, junto com Aditi Rao Hydari e Kirti Kulhari. The Girl on the Train está disponível para streaming na Netflix.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Embora o remake imite a estrutura, junto com as muitas reviravoltas narrativas presentes no material de origem, bem como na adaptação original, também faz questão de introduzir novos subenredos a fim de conduzir o conto em novas direções.

The Girl on the Train segue a advogada Mira Kapoor (Chopra), que se envolve em uma conspiração criminosa após condenar Jimmy Bagga. Ela sofre um terrível acidente, levando-a a perder seu filho ainda não nascido.

Terrivelmente machucada e traumatizada pelo incidente, Mira logo descobre que seu marido, Shekhar (Avinash Tiwary), está tendo um caso, o que a levou a deixá-lo.

Caindo no alcoolismo, Mira escolhe embarcar no mesmo trem todos os dias para fugir de suas responsabilidades diárias e, até certo ponto, de si mesma. Isso leva a uma obsessão por um casal que ela viu no trem um dia, Nusrat (Hydari) e Anand (Shamaun Ahmed), que parece perfeitamente feliz à primeira vista.

O que se segue é um conto de obsessão, mentiras e assassinato, que vem com suas próprias voltas e reviravoltas, embora terminando em uma narrativa descarrilada, sem identidade central própria.

Mudanças no remake

Além de introduzir novos elementos dramáticos ao enredo, The Girl on the Train omite várias instâncias do livro, o que é compreensível do ponto de vista artístico. Uma das principais diferenças entre os dois é a compreensão da verdade por Rachael/Mira, que no romance de Hawkins, ocorre ao longo de semanas, até meses.

Tanto na adaptação original de 2016 quanto no remake de 2021, essa percepção é desencadeada pelo encontro casual da personagem principal com o chefe de Tom/Shekhar, que revela que o marido de Rachel/Mira foi demitido não por causa de seu comportamento errático em uma festa de escritório, mas devido ao fato de que ele teve uma relação sexual com uma colega de trabalho.

Essa instância atua como um catalisador para a transformação, já que Rachel/Mira finalmente se depara com a verdade, ao mesmo tempo em que é capaz de trabalhar com as mentiras, a manipulação e os abusos psicológicos pelos quais passou.

Embora o final do livro seja esperançoso até certo ponto, é significativamente diferente em tom quando comparado ao remake, que termina de uma maneira amplamente insatisfatória.

No Brasil, The Girl on the Train está agora disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio