Crítica – New Gods: Nezha Reborn

Animação chinesa da Netflix traz tudo o que se espera para os aficionados em games e cultura oriental

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Está disponível no serviço de streaming Netflix, a mais nova animação de aventura New Gods: Nezha Reborn. E, põe aventura nisso!

Nesta animação de produção chinesa, acompanhamos a rotina de Li Yunxiang, um jovem que faz serviços de entregador, e que possui um enorme senso de Robin Hood em Donghai, sua cidade natal. Porém, tudo muda quando se depara com Ao Bing, o cruel Príncipe Dragão do clã De. Após um entrevero, Li Yunxiang desperta sua raiva, e descobre um poder selado, que se manifesta através das chamas de Nezha.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Detalhes do filme

Apenas pela sinopse, já é possível perceber em que terreno pisaremos pelos próximos 110 minutos. New Gods: Nezha Reborn, no traduzido Novos Deuses: Renascimento de Nezha, é filme do tipo videogame, se for o caso de resumir superficialmente o que é a nova produção original da Netflix. Contudo, felizmente, e principalmente para os aficionados em games e animes, a animação dirigida por Zhao Ji entrega um pacote completo, do tipo de transbordar o copo de tantos elementos misturados que existem nessa narrativa.

Um exercício: tente imaginar todos os animes, ou mesmo desenhos de cultura ocidental, que envolvem uma batalha entre o bem e o mal que já assistiu durante a vida. Imaginou? Então, agora junte todos num só. É esta a impressão que fica ao término de New Gods: Nezha Reborn. Um conglomerado kitsch que efervesce muita ação e sentimentalidade.

Visualmente, essa história buscou influências nos subgêneros de ficção científica conhecidos como steampunk e cyberpunk. Observando a cidade fictícia de Donghai, percebemos um mix da Manhattan (distrito mais popular de Nova York) do começo do século passado com Xangai, a cidade das luzes chinesa. Só que no estilo retro futurista distópico. Em resumo: lembra o longa Alita: Anjo de Combate (2019) de Robert Rodriguez, com um aspecto mais ainda de game.

A ação é frenética, como se imagina. Tanto as cenas de perseguição de motos e carros, como as lutas que envolvem socos, chutes, armas e poderes místicos são eletrizantes! Certamente, os amantes de animes irão encontrar tudo o que mais almejam nessa produção Netflix.

Em alguns momentos, lembra Mad Max: Estrada da Fúria (2015) de George Miller, junto de uma boa porção do cinema praticado pelos cineastas Guy Ritchie (franquia Sherlock Holmes; Rei Arthur: A Lenda da Espada) e Zack Snyder (Batman vs. Superman: A Origem da Justiça; Liga da Justiça).

Todavia, esse ritmo alucinante, por vezes torna os elementos narrativos de conteúdo cultural da história, um tanto quanto embaralhados. Na realidade, é possível compreender o que está sendo dito pelas personagens, ainda assim, é certo que uma modulação da frequência ajudaria tornar todo o fio narrativo mais equilibrado e apreciável.

É até viável praticar um exercício mental de imaginação, de como seria ainda mais bem aproveitado o material no formato de série, ao invés de filme.

Conclusão

No quesito cultural, New Gods: Nezha Reborn se inspira em um dos maiores romances da Dinastia Ming, Investidura dos Deuses (no original, Fengshen Yanyi), escrito por Xu Zhonglin e Lu Xixing. Na cultura pop, a mitologia oriental sempre foi um tema recorrente. A lista de animes que se aproveitam disso é extensa, como Samurai Warriors, A Viagem de Chihiro, Naruto, e tantos outros mais.

Emocionalmente, é fácil se envolver com a narrativa deste longa-metragem animado, dado que o protagonista Li Yunxiang faz um tipo comum, bem humano em suas emoções e fragilidades. O típico herói que nasceu com a marca de ser O Escolhido, mas que apresenta dificuldades de se adaptar à nova função, especialmente pelas inseguranças que esconde. Conhecem, não é? O tipão rebelde charmoso, que na verdade possui um coração de bom samaritano.

No rolar dos créditos, New Gods: Nezha Reborn da Netflix não traz algo de novo, definitivamente. Ainda assim, é proveitoso e bem agradável. E, deixa uma lição valiosa de persistência, e não aceitar o seu destino facilmente. Resumindo: se quiser algo, corre atrás!

Observação: existem cenas pós-créditos no filme, três ao todo. Em uma delas, ficará um gostinho bem leve do que nos aguarda. As aventuras de Li Yunxiang prometem ficar mais quentes, aparentemente.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio