Liga da Justiça: Diretor é acusado de ameaçar Gal Gadot, a Mulher-Maravilha

Site expõe brigas e comportamento abusivo de Joss Whedon no set do filme

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O drama de Liga da Justiça envolvendo o diretor Joss Whedon continua.

Em uma nova entrevista para o Hollywood Reporter, o ator Ray Fisher – que interpretou Ciborgue no filme de super-heróis da DC – detalhou como Whedon, de 56 anos, foi supostamente pouco profissional durante as refilmagens depois de substituir o diretor original Zack Snyder.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No artigo, o Hollywood Reporter também relatou como Gal Gadot, que interpretou a Mulher-Maravilha, teve vários problemas com Whedon.

Uma fonte disse ao site que Gadot tinha “problemas sobre sua personagem ser mais agressiva do que era em Mulher-Maravilha”.

“Ela queria fazer a personagem fluir de um filme para o outro”, explicou a fonte.

Problemas no set

Whedon e Gal Gadot entraram em conflito ainda mais quando ele fez alterações no roteiro e queria que ela gravasse novas falas que ela não achava que combinavam com a personagem.

Whedon supostamente disse que prejudicaria a carreira de Gal Gadot se ela não aceitasse. Uma testemunha afirmou: “Ele disse a ela que era o escritor e ela ia calar a boca e dizer as falas e ele poderia fazê-la parecer incrivelmente estúpida no filme.”

Whedon também desacreditou a colega diretora Patty Jenkins, que dirigiu os dois filmes da Mulher-Maravilha. A dupla teria procurado o então presidente da Warner, Kevin Tsujihara, para reclamar.

Gadot disse em um comunicado ao Hollywood Reporter: “Eu tive meus problemas com Whedon e a Warner Bros. lidou com isso em tempo hábil.”

Gal Gadot não especificou quais eram os “problemas”.

Em dezembro, ela disse ao LA Times: “Eu tive minha própria experiência com ele, que não foi a melhor, mas eu cuidei disso lá e quando aconteceu eu levei para os superiores e eles cuidaram disso. Mas fico feliz por Ray subir e dizer sua verdade.”

Jenkins disse no podcast ReelBlend em dezembro que ninguém levou a sério a versão de Whedon de Liga da Justiça.

“Todos nós, diretores da DC, jogamos fora o filme de Whedon tanto quanto os fãs”, disse ela.

“O tratamento no set de Joss Whedon com o elenco e a equipe de Liga da Justiça foi grosseiro, abusivo, não profissional e completamente inaceitável”, alegou Fisher on-line em julho.

“Ele foi capacitado, de várias maneiras, por Geoff Johns e Jon Berg.”

Johns e Berg foram produtores do filme e também executivos da Warner Bros. Pictures na época.

Desde então, a WarnerMedia lançou uma investigação sobre as reivindicações, mas em dezembro anunciou que o processo estava encerrado e “medidas corretivas foram tomadas”.

Whedon não comentou anteriormente sobre as alegações em torno de Liga da Justiça.

No Brasil, a versão de Liga da Justiça que foi lançada nos cinemas está agora disponível na Netflix. Já o corte de Zack Snyder pode ser alugado através das principais plataformas de streaming.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio