Explicamos o final de A Mulher na Janela

Filme com Amy Adams e Gary Oldman já está disponível na Netflix

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Mulher na Janela é um thriller psicológico dirigido por Joe Wright – cineasta conhecido pelo filme Orgulho e Preconceito –, baseado no livro de mesmo nome escrito por A. J. Finn. Protagonizado por Amy Adams, o filme mal estreou e já está sendo detonado pela crítica especializada.

Mesmo falhando em conquistar os críticos de cinema, A Mulher na Janela está fazendo sucesso com a audiência da Netflix, estabelecendo-se no Top 10 de filmes mais assistidos na plataforma.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Muita gente que já conferiu a trama de A Mulher na Janela ficou com dúvidas sobre o final chocante da produção.

O site Digital Spy explicou tudo sobre o final de A Mulher na Janela; confira abaixo tudo que aconteceu!

O desfecho de A Mulher na Janela

Após relembrar que toda sua família está morta, a protagonista Anna decide deixar de tomar a medicação que causa alucinações, começando depois a produzir um vídeo que serviria como testamento, antes de tentar dar cabo da própria vida.

No entanto, analisando fotos antigas, Anne vê a reflexão de “Jane” em sua taça de vinho.

A personagem então parece para David – que havia retornado para pegar suas coisas antes de ir embora de vez – para olhar para a foto. Ele confirma que a “Jane” é a mulher com quem passou a noite, mas que seu nome é Katie e que ela é a mãe biológica de Ethan.

Katie abandonou a família aos oito meses de gestação, e o Sr. Russell só conseguiu encontrá-la dois anos depois, em uma “comunidade de drogados” no estado do Oregon.

O personagem de Gary Oldman fica com a guarda do filho, mas Katie consegue deixar a cadeia e rastrear a antiga família, possivelmente para recuperar sua relação com o filho.

Anna também afirma que presenciou o assassinato, mas David não acredita nela e se recusa a acompanha-la na delegacia.

Nesse momento, ouve-se um estrondo de Ethan aparece empunhando uma faca. Após nocautear David, o personagem revela que matou a antiga secretária do pai e sua mãe biológica Katie.

Ethan decide não matar Anna, pois a irresponsabilidade da personagem acabou causando a morte de sua própria filha.

É aí que Ethan se identifica como o responsável por todos os eventos violentos e bizarros, dizendo ser um serial killer em treinamento, que obtém prazer ao presenciar a morte das vítimas.

Anna confronta Ethan e diz que não tem o desejo de viver em um homem povoado por pessoas como o assassino. Ao invés de beber sua taça de vinho, ela arremessa a garrafa no rosto do vilão, que a persegue pela casa.

Ethan só consegue capturar Anna no teto da casa, e apunhala a personagem com um tridente de jardim. Anna então consegue empurrar Ethan do telhado, que cai de uma altura considerável. Anna então desmaia e acorda em um hospital.

Já no hospital, um dos detetive entrega para Anna seu celular, para que a protagonista possa apagar o vídeo e não interferir no processo contra os Russells – por esconder o assassinato de Pam e ajudar a mover o corpo de Katie.

O filme termina 9 meses depois, com Anna mudando de casa, curada de sua agorafobia. A protagonista se despede do quarto da filha morta antes de deixar a residência junto de seu gato.

Embora seja bastante confuso – principalmente em relação à edição – A Mulher na Janela apresenta um final bastante direto, longe das influências de thrillers de Alfred Hitchcock.

A Mulher na Janela está disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio