Fatos reais? A impressionante história que inspirou Eu Sou Todas as Meninas

Filme da Netflix aborda os horrores do tráfico humano

Publicado em 5/16/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Eu Sou Todas as Meninas é um suspense sul-africano que mergulha no mundo sombrio do tráfico humano.

As duas protagonistas, cada uma com suas próprias motivações e métodos, lutam contra um sindicato internacional de traficantes sexuais infantis com ligações aos escalões superiores do governo. O filme gira em torno de um caso de décadas dos últimos dias do apartheid, cujas 6 jovens vítimas nunca foram encontradas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No filme, vemos as duas protagonistas na caça para vingar as garotas desaparecidas e salvar milhares de outras de terem o mesmo destino.

O flagelo do tráfico humano é uma das realidades mais sombrias do mundo, e Eu Sou Todas as Meninas nos dá uma visão detalhada de seus horrores. Então, quanto disso é baseado em uma história verdadeira? Aqui está a verdade (via Cinemaholic).

Baseado em uma história real?

Sim, Eu Sou Todas as Meninas é baseado em uma história verdadeira.

Embora o filme não mencione definitivamente a incidência exata em que se baseia, parece que o crime central do filme – o sequestro de 6 meninas por um suposto traficante de crianças e o fato de que nunca foram encontradas novamente – se baseia no caso da vida real de Gert van Rooyen.

Rooyen era um pedófilo e assassino em série sul-africano que supostamente sequestrou 6 meninas entre 1988 e 1989. Ele e sua cúmplice Joey Haarhoff são suspeitos de sequestrar e assassinar muito mais meninas com idades entre 9 e 16 anos.

Sua última vítima, Joan Booysen, conseguiu escapar e alertou a polícia. Logo depois de descobrir que ela havia escapado, Rooyen matou sua parceira e cometeu suicídio.

Não foram encontrados vestígios das mortas, meninas desaparecidas desde então e há uma escassez de informações sobre as vítimas que também poderiam ter sobrevivido à provação. Sem surpresa, nos anos após sua morte, houve alegações de que Rooyen estava envolvido com um grupo de pedófilos.

Seu filho, Flippie van Rooyen, alegou que três ex-ministros do Partido Nacional estavam envolvidos em uma quadrilha de contrabando de crianças que trabalhava com seu pai. Sobre as meninas desaparecidas, ele disse que algumas delas foram levadas para o Oriente Médio.

Vemos esses aspectos representados no filme, com um ex-ministro e um ministro em exercício envolvidos no tráfico de crianças. O ministro em exercício também é visto vendendo meninas aos árabes no clímax do filme.

Parece quase óbvio que Gert van Rooyen é representado pelo personagem chamado Gert de Jager. Embora no filme, vejamos Jager de bom grado dar informações sobre as vítimas sendo contrabandeadas para o Oriente Médio e o envolvimento de ministros do governo, na verdade, foi o filho de Rooyen que forneceu esses detalhes.

Mais tarde, ele também foi considerado culpado de perjúrio, mas as alegações continuam a ser ecoadas por policiais. Além disso, Jager é morto no filme um dia depois de mencionar o ministro, provavelmente a pedido deste último. Na verdade, Rooyen cometeu suicídio.

Também houve muitos relatos de garotas sendo contrabandeadas em contêineres, como podemos ver no filme. No entanto, a história sobre Ntombi, a vigilante assassina de traficantes de crianças, e sua parceira renegada policial é, como esperado, ficcional.

Elas são usadas ​​para trazer as terríveis realidades que inspiram o filme para a tela como um suspense.

Donovan Marsh, o diretor e editor executivo da história do filme, já fez filmes envolvendo policiais renegados (Avenged) e crimes políticos de alto risco (Fúria em Alto Mar), o que possivelmente o inspirou a aplicar essa lente à questão do tráfico humano.

O filme também credita Wayne Fitzjohn, Marcell Greeff, Emile Leuvennink e Jarrod de Jong como escritores, que provavelmente decidiram que usar duas protagonistas que seguem abordagens muito diferentes para atingir um objetivo comum é a melhor maneira de retratar vários aspectos da questão.

A história ficcional que é transposta para a base histórica deste filme ajuda a explorar as múltiplas partes envolvidas na rede insidiosa do tráfico de pessoas, bem como a situação de suas vítimas.

No Brasil, Eu Sou Todas as Meninas está agora disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio