O Exterminador do Futuro 2 cria erro e todas sequências ignoram

Clássico trouxe uma ponta solta que nunca foi explicada nas continuações

Publicado em 5/17/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final é uma grande sequência, mas estranhamente termina com uma ponta solta, que se torna um buraco na trama em suas sequências.

As histórias de viagem no tempo são sempre difíceis de acertar, pois o potencial para criar paradoxos é alto e é fácil se confundir com a linha do tempo, mesmo quando se trata de seu criador.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Embora o primeiro filme de O Exterminador do Futuro tenha apresentado um loop temporal bastante organizado e estável – mesmo que alguns fãs ainda não entendam como a linhagem de John Connor funcionava -, a continuidade da franquia como um todo ficou mais distorcida ao longo das décadas desde então.

As coisas não ficaram ruins nessa frente até as sequências após O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final, que se beneficiou por ainda ter o criador James Cameron no comando.

O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final foi traçado com mais ou menos precisão, tornando um pouco uma vergonha que seu final aparentemente conclusivo de Sarah e John Connor evitando o Dia do Julgamento tenha sido desfeito por vários filmes tentando continuar a história.

Ou pelo menos é assim que as coisas aparecem pela primeira vez.

Se prestarmos mais atenção ao final de O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final, há um buraco na trama criado que de alguma forma nunca foi resolvido por qualquer uma das quatro sequências feitas depois, e é desconcertante pensar que Cameron e companhia esqueceram: o final de O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final deixou o braço do T-800 desaparecido.

Durante a batalha final de O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final, que coloca o T-800, John e Sarah Connor contra o T-1000 em uma usina siderúrgica, o vilão de metal líquido passa a derrotar seu adversário cibernético de forma tão cruel que quase mata o modelo antigo de Exterminador do Futuro.

Durante a luta, um dos braços do T-800 foi pego e esmagado por uma peça de máquina, quebrando-o.

Os heróis então enviam o T-1000 voando para o tanque de aço fundido, matando-o. Para o desânimo de John, o T-800 deixa claro que ele deve ir para o aço também, para destruir totalmente todos os vestígios da Skynet da linha do tempo anterior.

É um dos finais mais tristes da história da ficção científica, mas, infelizmente, é prejudicado em retrospectiva por um fator importante: o braço perdido.

Furo que passou batido

O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final revela que foi a Cyberdyne descobrindo o braço que sobreviveu à batalha do primeiro filme entre o malvado T-800 e Sarah que levou à criação da Skynet, em outro exemplo de loop temporal.

Eles jogam este braço, encontrado no laboratório de Miles Dyson, no aço também, mas O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final termina sem que ninguém pense em recuperar o outro braço do T-800 da máquina.

Embora o braço esteja reconhecidamente danificado, esse descuido cria um cenário potencial em que o que resta da Cyberdyne, ou do governo, ou de outra entidade, poderia colocar as mãos naquele braço para iniciar o projeto novamente.

Apesar desta configuração óbvia, nenhum dos filmes de O Exterminador do Futuro a seguir reconheceu ou resolveu o mistério do braço perdido do T-800.

Curiosamente, a romantização de O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final na verdade corrige o problema, fazendo questão de dizer que o braço foi recuperado e também jogado no aço, então não é como se ninguém no projeto tivesse notado o erro. É de se perguntar por que continua a ser ignorado pela série de filmes real.

No Brasil, O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final está agora disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio