Publicidade

Concorda?

Após lembrar Aladdin, filme da Netflix supera sucesso da Disney

Animação vem recebendo elogios

Publicado por Victor Carvalho

17/06/2021 07:00

Contém spoilers!

À primeira vista, Din e o Dragão Genial, da Netflix, tem muito em comum com Aladdin, da Disney, pois Din encontra um bule mágico em vez de uma lâmpada. Din, então, obtém um dragão de desejos chamado Long Zhu, e ao conceder três desejos a Din, Long estaria livre para entrar no céu.

Como de costume, um dos desejos é ganhar o coração de uma garota, com a Princesa Jasmine de Din sendo Li Na, sua melhor amiga de infância que ele não vê há uma década. No entanto, há uma parte crucial de Din e o Dragão Genial que o torna muito melhor do que Aladdin, e tem a ver com Li Na (via Comic Book Resources).

Em Aladdin, o Gênio transformou Aladdin em um príncipe, para que ele pudesse cortejar Jasmine e a corte real de Agrabah.

No ato final, quando a magia acaba e ele revela a verdade, libertando Gênio com seu desejo final, o rei muda as regras para que ele e Jasmine possam se casar, mas parecia um pouco superficial, pois ela só conhecia o verdadeiro Aladdin há pouco tempo.

A reconciliação foi apressada para encerrar o filme de animação e dar a ele um final típico da Disney.

O remake em live-action, embora tenha dado a Jasmine mais altruísmo como alguém que deseja fazer trabalho social, seguiu um caminho semelhante, pois não nos conectamos realmente com o casal, pois eles ainda precisam se conhecer profundamente antes de fazer aquele salto de fé para o casamento.

Din e o Dragão Genial, no entanto, se inclina mais para a autodescoberta quando Li Na descobre que Din não é um príncipe no meio do filme. Em vez de uma decisão conveniente e feliz em que ela decide embarcar em uma vida de pobreza com o garoto que ela pode amar, Li Na adota uma abordagem realista.

Ela está no mundo da moda e fragrância há anos, criada como uma celebridade, e agora ela não tem certeza de como lidar com as coisas. Sua saúde mental também foi afetada, pois o império de seu pai está com dificuldades financeiras.

Como tal, ela não joga sua velha vida de lado como um passe de mágica. Ela diz a Din que não pode voltar atrás, não porque seja superficial, mas porque tem responsabilidades anteriores com clientes e com o pai.

Essa quebra permite que Din também analise sua identidade, pois ele percebe como a falta de privilégio e riqueza continua prejudicando pessoas como ele, porque nega a elas um impulso extra na sociedade, então tudo está programado para que elas fracassem.

É por isso que ele quer usar seu último desejo para ficar rico para sempre, o que preocupa Long, porque significa que uma boa alma será corrompida pela ganância.

Uma abordagem realista para um conto fantástico

É uma perspectiva realista neste conto de fadas moderno, com Din aspirando a ser parte da elite enquanto Li Na está amarrada a essa vida por obrigação. Eventualmente, Long os ajuda a entender o conceito de sacrifício, família e buscar o que realmente se deseja na vida.

É por isso que no fim todos fazem as escolhas certas, de mãos dadas, mas nunca confirmando se é um relacionamento.

Eles são melhores amigos de novo, mas ainda precisam descobrir coisas sobre si mesmos, pois são muito jovens. Eles estão trabalhando para tirar o restaurante Din’s do chão, então é o início de uma jornada com nuances que não é muito idealista ou apenas uma conveniência em um roteiro.

Escrito e dirigido por Chris Appelhans, Din e o Dragão Genial é estrelado pelas vozes de Jimmy Wong, John Cho, Constance Wu, Natasha Liu Bordizzo, Will Yun Lee, Jimmy O. Yang, Aaron Yoo, Bobby Lee e Ronny Chieng.

Atualmente está disponível na Netflix.

Publicidade