Publicidade

Chocou os fãs

Samurai X: Escândalo sexual afetou os bastidores de filme da Netflix

Criador do mangá foi condenado por possuir material de pornografia infantil

Publicado por Alexandre Guglielmelli

21/06/2021 20:30

De animes famosos como Seven Deadly Sins e Jojo’s Bizarre Adventure, passando por clássicos como Os Cavaleiros do Zodíaco, até produções pouco conhecidas como Violet Evergarden, a Netflix tem animações japonesas para todos os gostos.

Além de disponibilizar icônicas animações japonesas, a Netflix também oferece para os fãs a oportunidade de conferir adaptações live-action das tramas!

Uma dessas adaptações estreou na Netflix recentemente, e já está fazendo o maior sucesso na Netflix. O que muitos fãs não sabem é que um escândalo sexual afetou os bastidores do longa.

Confira abaixo tudo que você precisa saber sobre a polêmica!

A polêmica de Samurai X

A adaptação live-action de Samurai X estreou na Netflix em 18 de junho, e já se estabeleceu entre os filmes mais assistidos da plataforma.

Nobuhiro Watsuki, o criador da série original Rurouni Kenshin, foi condenado em 2018 por possuir material de pornografia infantil, sendo obrigado a pagar uma multa de 200 mil ienses.

Embora tenha permanecido ativamente envolvido na criação da franquia, tanto no mangá quanto no anime, o mangaká não conta com nenhum tipo de envolvimento com o recente lançamento live-action, exceto o crédito de criador.

Em 2017, fãs de animes ficaram chocados com as terríveis notícias sobre Nobuhiro Watsuki, o criador de Samurai X.

O artista foi preso no Japão por pornografia infantil, deixando o destino do mangá no ar. O quadrinista de 47 anos recebeu a ordem da Corte Sumária de Tokyo de pagar uma multa de 200 mil ienes pelo material de pedofilia.

A multa pode até parecer alta, mas se convertida ao real, por exemplo, equivale a apenas R$ 9102,84.

Evidências reunidas pelo escritório dos promotores de justiça confirmam que Watsuki possuía diversos DVDs com vídeos de garotas menores de idade em estado de nudez.

A polícia de Tokyo encontrou o material pornográfico em outubro de 2017, após uma investigação diferente citar o nome do artista.

O criador de Samurai X foi oficialmente processado pelo crime em novembro do mesmo ano. Durante seu depoimento, Watsuki admitiu se sentir sexualmente atraído por “garotas no último ano da escola elementar até o segundo ano do ensino médio”.

No Japão, essa faixa específica engloba meninas de 11 a 14 anos.

Até 2014, a posse de material de pornografia infantil não era considerada crime! Atualmente, a maior pena para o crime é de 1 ano de prisão.

Para se ter uma ideia, a pena por distribuição e possessão de material pornográfico infantil pode chegar a até 4 anos de prisão.

O filme de Samurai X já está disponível na Netflix.

Publicidade