Atriz recusa filme com Brad Pitt por causa de cenas quentes

Anos depois, estrela revelaria que não se sentia confortável em ter as cenas em Hollywood

Publicado em 26/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A atriz Aishwarya Rai Bachchan recusou atuar em Tróia, de 2004. O motivo foram as cenas quentes com Brad Pitt, o protagonista do filme épico.

Em 1994, a atriz venceu o concurso de Miss Mundo. Aishwarya foi chamada de “a mulher mais bonita do mundo” até mesmo fora das competições de Miss.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além disso, a atriz sempre teve um trabalho importante em Bollywood. Isso a fez ser convidada para estar em Troia. Porém, Aishwarya Rai Bachchan recusou o papel de Briseis ao ler as cenas quentes do roteiro.

Anos após a recusa, a famosa explicou ao Indian Express que não se sentiu a vontade. Aishwarya Rai Bachchan sabia que chamaria atenção ao aceitar o trabalho por conta de questões culturais.

“Eu li entrevistas de produtores veteranos de que existe um copo a ser quebrado que nunca se quebra. Podia ser um ponto a ser provado, eu não me sentia a vontade. Então, eu deixei de lado vários projetos. Eu poderia ver como tudo seria colocado”, explicou a estrela sobre a decisão em recusar ser co-estrela de Brad Pitt.

Além de Troia, com Brad Pitt, a atriz indiana também recusou três longas com Will Smith (Hitch – Conselheiro amoroso, Sete Vidas e Hancock). Em 2012, Brad Pitt comentou que gostaria de ter trabalhado com Aishwarya Rai Bachchan.

“Eu acho que perdemos uma oportunidade em Troia”, declarou o astro. “Eu gostaria de trabalhar com ela. Ela é uma das atrizes mais versáteis e famosas de Bollywood”, completou ainda o ator.

Brad Pitt recusa cena épica

Uma das cenas mais polêmicas de Era Uma Vez em Hollywood mostra o personagem de Brad Pitt, Cliff, vencendo Bruce Lee em um combate. A cena originalmente seria mais longa e Pitt recusou trabalhar nela.

Quentin Tarantino escreveu essa cena de luta para ter três rounds, informa o Huffpost. A intenção não era retratar Lee como sendo mais fraco que Cliff e sim para que todos vissem que Cliff queria vencer, não necessariamente jogando limpo.

O coordenador de dublês, Robert Alonzo, revelou que Tarantino escreveu uma versão bem mais longa da luta contra Bruce Lee.

“Sei que Brad expressou sua preocupação e todos ficamos preocupados acerca de Bruce perder a luta”, disse Alonzo. “Especialmente para mim, como alguém que enxerga Bruce Lee como um ícone, não apenas no reino das artes marciais, mas na forma como ele abordou a filosofia e a vida, ver seu ídolo ser derrotado é muito desanimador”.

Alonzo admitiu que teve “dificuldade em coreografar uma luta em que Bruce Lee perde”. O coordenador de dublês disse que até Pitt vocalizou sua objeção à luta prolongada.

“Todos os envolvidos estavam tipo,‘ Como isso vai acabar?’. Brad foi totalmente contra isso”, disse Alonzo. “Ele disse, ‘É o Bruce Lee, cara!’”.

Previamente, Quentin Tarantino disse que em um torneio de artes marciais, Bruce Lee certamente ganharia facilmente de Cliff, mas em uma briga de rua Cliff ganharia, porque ele mataria seu oponente.

Era Uma Vez em Hollywood está no Amazon Prime Video.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio