Kingdom: Ashin of the North tem um terrível erro

Filme da Netflix apresenta uma grande incoerência em sua trama

Publicado em 5/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Contém spoilers

Enquanto os fãs descobrem muito sobre a política sinistra que influenciou a jornada de Ashin em Kingdom: Ashin of the North, um enorme buraco na trama surge envolvendo sua família.

Ashin pertence aos fazendeiros Seongjeoyain na fronteira da Coréia com a China. Sua família descendia dos Jurchens que ocupam espaço em ambas as nações, sendo vistos como guerreiros selvagens.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No entanto, a seita de Ashin é pacífica, com seu pai, Ta-hab, um açougueiro respeitado, sendo usado pelo líder coreano e comandante de guerra, Chi-rok, como um espião.

Mas quando Ta-hab espalha notícias falsas para os Pajeowi Jurchens para que eles não se rebelem e ataquem a Coreia, Chi-rok toma uma atitude errada que acaba com a aldeia de seu espião.

Para encobrir o clã Haewon Cho matando alguns soldados Pajeowi que vieram em busca de ginseng e invadiram o território da Coréia, Chi-rok enquadra a aldeia Seongjeoyain, o que resulta na aldeia de Ashin sendo massacrada.

Ta-hab é feito prisioneiro e eventualmente morre, e Ashin é a única sobrevivente, tudo porque ela estava na floresta procurando a planta de ressurreição para sua mãe.

E quando ela descobre a verdade anos depois, depois de se tornar uma soldada no acampamento de Chi-rok e descobrir os manuscritos do comandante, é revelado que, para evitar a guerra, ele teve que oferecer um sacrifício e fez a escolha mais lógica.

Furo de roteiro

No entanto, como destacado em um artigo do Comic Book Resources, o problema com essa lógica é que o povo Seongjeoyain sempre acatou os desejos de Chi-rok, a ponto de venderem seus próprios Jurchens.

Ta-hab esperava que a coroa lhes devolvesse as terras que haviam confiscado e, mesmo quando teve de mentir para seus irmãos Pajeowi, sabia que a traição valia a pena.

Usando essa lógica, não faz sentido matar pessoas dispostas a serem fantoches e intermediários da paz. Em vez disso, Chi-rok deveria ter sacrificado o clã Haewon Cho porque, quando ele confrontou seu líder no início, ele descobriu a verdade sobre o massacre de Jurchen que deu início à guerra.

Esse detalhe acaba sendo um terrível erro na trama de Kingdom: Ashin of the North. No entanto, por outro lado, ainda há muito o que aproveitar no longa.

Kingdom: Ashin of the North está agora na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio