Diretor de 007 chama James Bond de Sean Connery de estuprador

Diretor de 007: Sem Tempo Para Morrer reconhece problemas dos filmes antigos

Publicado em 23/09/2021 11:59
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

James Bond, como qualquer outra obra cultural, é produto de seu tempo e há cenas dos filmes antigos do 007 que hoje em dia são vistas como problemáticas. Cary Fukunaga, diretor de 007: Sem Tempo Para Morrer, criticou uma dessas cenas de filme estrelado por Sean Connery.

Fukunaga falou sobre uma cena de 007 Contra a Chantagem Atômica, de 1965, e disse acreditar que o James Bond de Connery basicamente estuprou uma mulher no filme.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na cena em questão, Bond conhece Patricia Fearing, vivida por Molly Peters, ao tentar ficar com ela, ele a rejeita e o empurra, mas o agente a força a beijá-lo.

“É em 007 Contra Chantagem Atômica ou Goldfinger em que o personagem de Sean Connery basicamente estupra uma mulher? Ela diz, ‘não, não, não’. E ele:’ sim, sim, sim’. Isso não seria feito hoje em dia”, disse o diretor de Sem Tempo Para Morrer ao THR.

Produtora concorda com diretor de 007

Barbara Broccoli, que produz os filmes do 007, concordou com o diretor.

“Acho que as pessoas estão mudando – com um pouco de revolta – aceitando que esse tipo de coisa não é mais aceitável. Graças”, disse Broccoli.

“Bond é um personagem escrito em 1952 e o primeiro filme foi lançado em 1962”, continuou a produtora. “Ele tem uma longa história e a história do passado é muito diferente da maneira como ele é retratado hoje em dia”.

No Brasil, 007: Sem Tempo Para Morrer deve chegar em 30 de setembro.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio