Mais do que você gosta.

Publicidade

Chocante

O que se sabe sobre acusações de pai abusar de Suzane Richthofen

Supostos abusos são abordados em A Menina Que Matou os Pais e O Menino Que Matou Meus Pais

Publicado por Guilherme Coral

29/09/2021 10:27

Daniel Cravinhos, que foi condenado junto de Suzane von Richthofen pelo assassinato de Manfred e Marísia von Richthofen, alegou na época das investigações que Suzane era abusada pelo pai. A Menina Que Matou os Pais, do Amazon Prime Video, chega a abordar esse assunto.

De acordo com Cravinhos, a ex-namorada apanhava e sofria abusos sexuais de Manfred e que a então namorada chegou a apresentar hematomas ocasionados pela violência sofrida em casa.

Continua depois da publicidade

Suzane, no entanto, negou tais formas de agressão por parte da família, algo que é abordado em O Menino Que Matou Meus Pais, que conta o ponto de vista dela.

Não bastasse isso, A Menina Que Matou os Pais, contado sob ponto de vista de Daniel, indica que Manfred e Marísia tinham problemas com bebidas alcoólicas e que tinham casos fora do casamento. Manfred com prostitutas e Marísia com um paciente, ela era psiquiatra. Cravinhos também alegou que eles eram pais controladores e não admitiam o relacionamento da filha com ele.

Esse ponto de vista vai de encontro com o que é visto em O Menino Que Matou Meus Pais. No filme que forma a dupla do Amazon Prime Video, os Richthofen são retratados como rígidos e interessados nos estudos de Suzane.

Estratégia de defesa

Em entrevista à rádio Jovem Pan, que teve trechos publicados pela Folha de S. Paulo, os irmãos Daniel e Cristian também abordaram os supostos abusos sofridos por Suzane.

“Os irmãos voltaram a falar das supostas agressões sexuais. Cristian foi o mais incisivo. Disse que Suzane afirmou que não seria uma pessoa feliz enquanto não sepultasse os pais. E que ela teria dito: ‘Eu sou estuprada, sou molestada desde os 13 anos dentro da minha própria casa’. Daniel contou que o irmão de Suzane, Andreas, dormia no quarto dela porque a garota se sentia ameaçada”, diz o texto da Folha.

O advogado de Suzane, na época, negou o estupro:

“Ela está revoltada com essa mentira torpe. Ainda que a alegação de ter sido vítima de abuso sexual melhorasse sua situação jurídica, ela não admitiria a mentira”.

Supostamente, a narrativa sobre os abusos sexuais teriam sido inventados a fim de colocar a culpa do crime em Suzane von Richthofen, diminuindo a de Cravinhos.

A Menina Que Matou os Pais e O Menino Que Matou Meus Pais estão disponíveis no Amazon Prime Video.

Publicidade