Publicidade

Vida amorosa agitada

Os romances polêmicos de Suzane Von Richthofen na prisão

Mais uma curiosidade que os filmes do Amazon Prime Video não mostram

Publicado por Alexandre Guglielmelli

15/10/2021 19:00

Quase 20 anos após o crime que chocou o Brasil, o interesse do público sobre o caso Richthofen foi completamente revivido. Isso aconteceu graças ao lançamento dos filmes A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou Meus Pais no Prime Video. Os longas só abordam a história de Suzane até o momento dos assassinatos de Manfred e Marísia von Richthofen, e não revelam os três romances polêmicos que a jovem viveu na prisão.

Nos dois filmes do Prime Video, Suzane Von Richthofen é interpretada por Carla Diaz, atriz conhecida por performances em novelas como O Clone e Chiquititas, além de sua participação na edição mais recente do Big Brother Brasil.

Desde sua prisão em 2002 até 2021, Suzane Von Richthofen protagonizou diversos momentos polêmicos, como namoros por trás das grades, uma suposta conversão evangélica e rivalidade com outras presas famosas.

O site O Dia revelou tudo que os espectadores dos filmes do Prime Video precisam saber sobre os romances de Suzane von Richthofen na prisão; confira abaixo.

Suzane von Richthofen – Namoros na cadeia

Em uma das edições mais recentes do programa “Conversa com Bial”, o repórter investigativo Valmir Salaro e o historiador Boris Fausto falaram sobre alguns dos crimes mais famosos da história do Brasil e, é claro, Suzane von Richthofen foi citada.

Na entrevista, Salaro revelou que Suzane conseguiu seduzir um promotor de Justiça e um médico em plena Penitenciária de Tremembé.

“Conheço duas histórias: de um promotor de justiça e um médico. O promotor de justiça se apaixonou pela Suzane, no interior de São Paulo, e chegava a pedir para a diretora da cadeia tirar a Suzane da cela e levar para o gabinete que ele montou no Ministério Público como se fosse boate, com som, luz, lanche para ela”, comentou o jornalista.

Segundo Salaro, Suzane também se envolveu com um dos médicos que trabalhava no presídio, e por isso, ganhou tratamento especial.

“Um médico, que trabalhava no presídio em São Paulo, foi denunciado por carcereiros e funcionários, dizendo que ele protegia muito a Suzane. Ele levava pastel para ela, levava ela na clínica dentro do presídio”, contou Salaro.

O relacionamento mais famosos de Suzane na prisão, no entanto, foi com uma mulher. A protagonista dos filmes do Prime Video chegou a se casar com Sandra Regina Ruiz, mais conhecida como Sandrão.

A detenta foi condenada a 27 anos de prisão pelo sequestro e assassinato de um adolescente. O crime aconteceu em 2003, e Sandrão contou com a ajuda de três homens para raptar e matar o garoto de 14 anos.

Na cadeia, Sandra era conhecida por participar de diversos eventos internos, como o concurso de beleza das detentas e celebrações de Natal, além de ajudar no serviço da fábrica de roupas.

Foi nessa fábrica que Sandrão conheceu Suzane – enquanto ainda vivia um relacionamento com Elize Matsunaga (a Viúva da Yoki, conhecida por matar e esquartejar o marido). As duas não demoraram a assumir o novo romance.

Na mesma época, Richthofen ganhou o direito de progredir ao regime semiaberto. No entanto, a detenta preferiu continuar no regime fechado para ficar ao lado da amada.

Em 2014, Suzane e Sandrão se casaram no presídio. Detalhes sobre a cerimônia e a rotina do casal foram reveladas em uma entrevista exclusiva ao programa de Gugu Liberato.

O relacionamento de Sandrão e Suzane chegou ao fim em 2016. A separação foi realizada em um divórcio litigioso, devido às três máquinas de costura (avaliadas em 12 mil reais), dadas como presente de casamento por Gugu Liberato.

Daniel Cravinhos, o ex-namorado de Suzane, também condenado pelo assassinato dos pais da jovem, também se casou ao deixar a cadeia. Ele progrediu ao regime aberto em 2018, e poucos dias depois oficializou a união com uma biomédica.

A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou Meus Pais estão disponíveis no Amazon Prime Video.

Publicidade