Mais do que você gosta.

Publicidade

Contém spoilers

Imperdoável: O grande erro do filme de Sandra Bullock na Netflix

Longa acompanha história dramática de ex-presidiária tentando reconstruir a vida

Publicado por Alexandre Guglielmelli

15/12/2021 19:30

Após o sucesso instantâneo de Bird Box, Sandra Bullock retorna na Netflix com o drama Imperdoável. O filme está fazendo muito sucesso com o público brasileiro, e já figura em posição de destaque no Top 10 da plataforma. Imperdoável é uma história de reabilitação e responsabilidade, mas de acordo com o site Mashable, falha em sua abordagem das “segundas chances”.

Em Imperdoável, Sandra Bullock interpreta Ruth Slater, uma ex-presidiária que sai da cadeia após cumprir uma pena de 20 anos – e é obrigada a se acostumar com um mundo novo e lidar com as reações de pessoas afetadas por seu crime.

Continua depois da publicidade

Além de Sandra Bullock, Imperdoável conta com um impressionante elenco de estrelas, formado por Viola Davis, Jon Bernthal e Vincent D’Onofrio.

Dirigido pela cineasta alemã Nora Fingscheidt, o drama é apresentado ao público pela perspectiva de múltiplos personagens – todos afetados por um único crime.

O problema de Imperdoável na Netflix

Ao sair da cadeia, 20 anos após ser condenada pelo assassinato de um xerife, o maior desejo de Ruth é reencontrar a irmã mais nova, que vive em um lar adotivo com pais cuidadosos e uma nova irmã.

Na progressão da trama, o principal problema de Imperdoável é dar um foco excessivo para personagens que não acreditam em segundas chances, assumindo assim um caráter punitivista.

Dois personagens importantes no filme da Netflix são John e Liz Ingram (interpretados por Vincent D’Onofrio e Viola Davis). Residentes da casa onde Ruth cometeu o assassinato, eles têm opiniões diferentes sobre a protagonista.

John nutre uma certa simpatia pela ex-presidiária, e acredita que ela realmente se arrependeu de seus atos. Liz, por sua vez, enxerga Ruth somente como uma criminosa, um verdadeiro exemplo de corrupção moral.

Steve e Keith Whelan, os filhos do xerife assassinado por Ruth, também consideram que a personagem de Sandra Bullock não sofreu “o suficiente” pelo crime.

“Ela está em liberdade. Agora ela tem um emprego e até um namorado. Ela vive como se nada tivesse acontecido”, afirma um deles durante o longa.

As palavras são impactantes, principalmente por serem ditas com a impressão de que Ruth não pagou pelo crime – mesmo após passar 20 anos na cadeia.

Nas interações de todos os personagens com Ruth, julgamentos e punição se tornam pontos focais. Dessa forma, Imperdoável apresenta ao público o quão cruel pode ser a vida de ex-presidiários. Afinal de contas, a maioria dos personagens simplesmente não acredita em redenção ou em segundas chances.

Com uma trama contada em cores frias e longos períodos de silêncio, Imperdoável conta com um final relativamente tranquilo e emocionante. Mas de acordo com o site Mashable, o filme poderia ter abordado melhor o drama da protagonista.

“Sem oferecer esperança de reabilitação pós-prisão, a história de Imperdoável é desoladora. Ciclos de trauma e tristeza geracional são representados, mas não subvertidos”, comenta a análise da jornalista Meera Navlahka.

Imperdoável passa uma mensagem importante – e extremamente triste – para os espectadores. Ruth pode até ter saído da cadeia, mas sempre será vista como uma criminosa.

Olhando pelo lado positivo, Imperdoável indica a urgente necessidade para reformas no sistema judiciário e no caráter punitivista e julgador da sociedade, mas sem explicar como essas mudanças podem acontecer.

Imperdoável tinha a chance de abordar o potencial da justiça restaurativa e da empatia, mas não consegue convencer os espectadores de qualquer uma dessas possibilidades”, conclui a análise.

Imperdoável continua disponível no catálogo brasileiro da Netflix.

Publicidade