Publicidade

Contém spoilers

O que o novo Amor, Sublime Amor muda do filme original

Longa de Steven Spielberg modifica canções, personagens e enredo do musical

Publicado por Alexandre Guglielmelli

10/12/2021 19:30

Já em cartaz nos cinemas brasileiros, o revival de Amor, Sublime Amor não demorou a conquistar o coração do público e da crítica especializada. Para adaptar a trama de Leonard Bernstein e Stephen Sondheim para uma audiência mais moderna, Steven Spielberg fez mudanças importantes – tanto na estética quanto na narrativa.

Fãs da Broadway sabem que essa não é a primeira adaptação de Amor, Sublime Amor (West Side Story) aos cinemas. Em 1961, o cineasta Robert Wise, conhecido por dirigir A Noviça Rebelde, lançou a “versão definitiva” da história, considerada até hoje um dos musicais mais queridos de todos os tempos.

Continua depois da publicidade

Desde o anúncio do novo Amor, Sublime Amor, Steven Spielberg deixou claro que não enxerga a adaptação como um remake do longa anterior, mas como uma versão diferente do mesmo material-base.

Mesmo assim, é interessante comparar os dois filmes e conferir as diferenças entre as obras de Wise e Spielberg. Explicamos abaixo as principais mudanças nos números musicais, personagens e enredo do novo Amor, Sublime Amor.

Quais músicas de Amor, Sublime Amor são diferentes?

Embora Amor, Sublime Amor acompanhe a mesma história do longa original, e conte com as mesmas canções, mudanças importantes acontecem no estilo e na ordem das músicas.

“I Feel Pretty”, por exemplo, a música cantada por Maria no início do 2º ato do musical na Broadway e na mesma parte do filme de 1961, acontece bem mais tarde no longa de Spielberg. Além disso, os números “Tonight” e “America” também aparecem na ordem trocada.

Algumas mudanças também acontecem nos intérpretes das canções. A música “Cool”, cantada por Ice e os Jets na versão original, agora é um dueto entre Riff e Tony.

Mas a maior mudança acontece na climática balada “Somewhere” – cantada de maneira icônica por Tony e Maria na versão de 1961.

No novo filme, a canção é performada por Valentina – uma versão do personagem original Doc, com o gênero trocado – interpretada por Rita Moreno, que viveu Anita no filme de Robert Wise.

Os personagens que mudam em Amor, Sublime Amor

A maior mudança nos personagens de Amor, Sublime Amor já foi citada acima. No novo filme, Doc se transforma em Valentina, uma mulher idosa interpretada por Rita Moreno.

Patroa de Tony, a personagem é uma viúva, que já foi casada com um homem branco e sonha com a harmonia racial – enquanto serve como uma espécie de mentora para Tony e os outros garotos.

Outras mudanças importantes podem ser vistas em personagens menores: Anybodys (Iris Menas), caracterizada como uma “garota masculina” no primeiro filme, é trans na nova versão.

Amor, Sublime Amor também dá mais importância à representatividade: todos os personagens latinos são interpretados por atores latinos, o que não aconteceu na versão de 1961.

O que muda no enredo de West Side Story?

Como o novo filme acompanha a mesma história da versão prévia, poucos detalhes são adicionados no roteiro de Tony Kushner.

A história dá mais destaque à gentrificação, com as casas populares da Nova York dos anos 50 servindo como cenário para o confronto entre os Sharks e os Jets.

Certos personagens também têm histórias de origem expandidas, como Tony e Bernardo. Além disso, o romance entre Tony e Maria ganha mais tempo para se desenvolver.

Amor, Sublime Amor está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Publicidade