Mais do que você gosta.

Publicidade

Polêmica

Lightyear: Grupo tenta retirar filme da Pixar dos cinemas

Longa de Toy Story se torna alvo de boicote e ataques nas redes sociais

Publicado por Alexandre Guglielmelli

21/06/2022 19:30

Lightyear, o mais novo filme da Pixar, está travando uma grande batalha contra a censura e a intolerância. Por sua importante representatividade, o longa foi banido de vários países do Oriente Médio. Agora, um novo grupo tenta fazer o mesmo no Ocidente.

Lightyear acompanha o lendário patrulheiro espacial após ser abandonado em um planeta hostil a 4,2 milhões de anos-luz da Terra ao lado de sua comandante e sua equipe”, afirma a sinopse oficial do novo longa.

Continua depois da publicidade

O elenco de Lightyear conta com Chris Evans (Capitão América) como a voz do protagonista. O rol de dubladores também inclui Keke Palmer (Scream Queens), Taika Waititi (Thor: Ragnarok), Bill Hader (Barry), James Brolin (Westworld) e Uzo Aduba (Orange is the New Black).

Veja abaixo tudo sobre a polêmica de Lightyear e o novo grupo que tenta censurar o longa nos cinemas do mundo todo.

Lightyear estreia em junho nos cinemas

Por que religiosos tentam banir Lightyear nos cinemas?

Protagonizado por Chris Evans, Lightyear se estabeleceu como uma das grandes apostas da Pixar em 2022, junto com filmes como Red: Crescer é uma Fera.

No entanto, o longa não estreou no mundo todo. Devido a uma rápida cena de beijo entre duas personagens femininas, o filme foi banido em vários países do Oriente Médio.

O banimento não foi exatamente uma surpresa. Extremamente conservadores, os países em questão são controlados por governos que misturam política e religião.

Por isso, sempre que a Disney lança filmes como referências à comunidade LGBTQIA+, os projetos acabam censurados ou banidos em diversas nações.

Mas essa aversão à diversidade não é singular aos países islâmicos. Na verdade, grupos cristãos também tentam boicotar Lightyear.

Logo após o lançamento do longa, detratores do filme da Pixar criaram o grupo “Cristãos contra Lightyear”, uma comunidade virtual voltada para o boicote da produção (veja abaixo o print).

Em sua descrição, o grupo pede a “suspensão das exibições de Lightyear” pelo fato do longa contar com personagens LGBTQIA+.

Criado por um perfil fake – que serve apenas para esconder a verdadeira identidade do responsável – o grupo já acumula mais de 9 mil integrantes no Facebook.

O fato de grupos cristãos pedirem boicote e censura a projetos da Disney já é rotina nos Estados Unidos.

Após o lançamento de Ms. Marvel, por exemplo, um grupo religioso se juntou para exigir o cancelamento da série. O motivo? O simples fato da protagonista Kamala Khan ser uma adolescente muçulmana.

Na época, o grupo classificou a série como “um verdadeiro tapa na cara da audiência branca, heterossexual e cristã”.

A página também organizou uma ação coordenada que resultou no bombardeio das resenhas de Ms. Marvel e na grande diminuição da nota da série no IMDB.

Recentemente, Chris Evans defendeu a representatividade de Lightyear e respondeu às críticas homofóbicas ao filme.

“A verdade é que essas pessoas são idiotas. Sempre haverá pessoas com medo e inseguranças, tentando atrasar as coisas. Mas essas pessoas morrem como dinossauros. Acho que o negócio é não dar atenção a elas, seguir em frente e abraçar o crescimento que nos torna humanos”, comentou o ator.

Lightyear está em cartaz nos cinemas brasileiros. O longa deve estrear em breve no Disney+, clique aqui para assinar a plataforma.

Sobre o autor

Alexandre Guglielmelli

Alexandre Guglielmelli

Formado pela PUC Minas, sou especialista em filmes de terror, reality shows e cultura pop. Nas horas vagas, gosto de escrever e oferecer indicações de filmes e séries para os amigos.

Publicidade