Mais do que você gosta.

Publicidade

Contém spoilers

Nove Dias: Final do filme de drama de diretor brasileiro é explicado

Entenda a mensagem do complexo longa com Winston Duke e Zazie Beetz

Publicado por Alexandre Guglielmelli

10/12/2021 20:30

Dirigido pelo brasileiro Edson Oda, Nove Dias já está em cartaz nos cinemas brasileiros. Sucesso com a crítica especializada, o longa é um emocionante drama espiritual que aborda conceitos metafísicos extremamente importantes. Por sua premissa complexa, muitos espectadores ficaram confusos com o desfecho.

“Em uma casa distante da realidade que conhecemos, um homem recluso entrevista possíveis almas humanas, candidatas para renascer”, afirma a sinopse do longa.

Continua depois da publicidade

Nova Dias é a criação de um brasileiro, mas como foi produzido nos Estados Unidos, conta com um impressionante elenco internacional, formado por Winston Duke (Pantera Negra), Zazie Beetz (Deadpool), Bill Skarsgård (It: A Coisa), Benedict Wong (Doutor Estranho) e Tony Hale (Veep).

O site High On Films explicou tudo que acontece no final de Nove Dias e o significado do desfecho da trama; veja abaixo.

O final explicado de Nove Dias

À medida que Will se prepara para o veredito final, Kyo defende a escolha de Emma, já que a personagem é cheia de vida e esperança, mesmo resistindo aos jogos mentais do protagonista.

Mas Will decide escolher Kane, já que não quer ver outra alma se tornando uma vítima, como aconteceu com Amanda.

No último dia, um jantar delicioso é servido e todos compartilham um relato nojento. Kane conta a história de duas estudantes desaparecidas, que são estupradas e mortas pelo professor de inglês – que justifica o ato dizendo que as amava.

Emma discute com Kane, e nesse momento, o filme deixa claro que a visão de mundo dos dois personagens é extremamente diferente. Kane só consegue enxergar as coisas ruins, enquanto Emma vê o potencial positivo da humanidade.

Na última tarefa, Will pede que Emma e Kane digam um para o outro por que a outra pessoa não merece estar viva. Emma se recusa a responder, e acaba rejeitada. Kane, o racionalista, ganha a oportunidade de nascer de novo.

Quando Will oferece a Emma a última experiência, a personagem pede algo que o protagonista se recusa a cumprir – a performance de Will no ensino médio, a primeira vez que ele não se sentiu invisível.

Emma, então, declina a última experiência e decide vagar sozinha. Posteriormente, Will encontra uma nota na qual Emma agradece pelos últimos Nove Dias.

A personagem escreve todas as memórias e momentos incríveis que passou no período, e lamenta o fato da vida de Will não ter acontecido da maneira que o protagonista queria.

Will encontra as memórias felizes escritas por toda a casa, e arrependido da decisão, encontra Emma vagando sozinha pelo deserto. Nesse momento, o protagonista realiza o último desejo da personagem – interpretando com paixão seleções do poema “Song of Myself”, de Walt Whitman, que celebra a vida na Terra.

Nove Dias oferece um estudo crítico do autodeterminismo e da percepção existencialista da condição humana”, afirma o site High on Film sobre a mensagem do longa.

Will como seletor das almas, decide quem nascerá novamente, agindo essencialmente como juiz e júri.

No entanto, as almas escolhidas recebem o dom do livre arbítrio, e definem o que acontecerá em suas vidas humanas de acordo com seus próprios desejos e decisões.

Will, como um representante de Deus ou outro ser supremo, escolhe almas que se encaixam nos critérios de sobrevivência na Terra – mas também falha, já que as ações de cada espíritos são determinadas pelos próprios indivíduos.

Nove Dias é um lembrete para valorizarmos a improbabilidade de nossa existência e a necessidade de celebrar as coisas simples da vida. Emma, por exemplo, simboliza a necessidade de celebrar as memórias e momentos felizes. Em seu limitado tempo de existência, ou seja, nove dias, ela opta por se concentrar nas pequenas coisas e fica grata por sua vida transitória”, conclui o site.

Nove Dias está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Publicidade