Pokémon Go invade Memorial do 11 de Setembro e gera polêmica

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A mania do Pokémon Go, novo jogo dos monstrinhos de bolso, pode ter ido um pouco longe demais. É o que acham os administradores do Museu do Holocausto, em Washington, EUA. O local, por ser um lugar público, é marcado no jogo como uma “Pokéstop”, onde vários jogadores de reúnem.

“Jogar Pokémon Go em um monumento dedicado às vítimas do nazismo é muito pouco apropriado. Estamos tentando fazer com o que o museu seja retirado do game”, contou Andrew Hollinger, chefe de imprensa do Museu, à Entertainment Weekly.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Memorial do 11 de Setembro, em Nova York, também passou por uma situação parecida – parece que, armados com um celular conectado ao joguinho, as pessoas perdem um pouco os limites.

Pokémon Go é mais popular que pornografia na internet

Veja 10 notícias bizarras e impressionantes sobre o jogo

Em Pokémon Go, os jogadores assumem o papel de um treinador e precisam viajar para diversos pontos próximos de onde você mora – ou aonde está visitando – para capturar pokémons e encontrar ginásios para combates.

Nele, os jogadores poderão capturar, treinar e lutar com pokémons no mundo real através de informações de localização geográfica e da câmera dos dispositivos móveis.

Os mais engraçados memes do jogo

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio