Narcos | 6 coisas que você não sabia sobre Wagner Moura

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O astro brasileiro Wagner Moura brilha na segunda temporada de Narcos, em que seu personagem, o chefão do tráfico Pablo Escobar, acaba abatido pela DEA que o investiga desde o começo do primeiro ano.

Narcos está renovada para terceira e quarta temporada
Produtor fala da experiência de filmar morte de Pablo Escobar
Wagner Moura vai dar pausa na carreira após segunda temporada
Crítica | Wagner Moura brilha em 2ª temporada de Narcos cheia de ação e cenas chocantes

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Para nos despedirmos desse incrível trabalho do brasileiro, vale lembrar 6 coisas que você talvez não saiba sobre Wagner Moura:

Wagner Moura como Pablo Escobar

1) Ele ganhou 20 quilos para interpretar Pablo Escobar, se aproximando do físico bem mais pesado do personagem real. “Esse não era meu corpo. Fiquei vivendo no corpo dele por 2 anos, e não falo só do físico, mas da energia que vinha com o papel”, comentou.

Pablo Escobar e Wagner Moura

2) Ele também teve que aprender espanhol e até se mudou com a família para a Colômbia. “Fiz aulas junto com adolescentes japoneses e empresários alemães. Foi interessante. O Brasil é isolado na América Latina porque falamos português”, contou.

3) Estrelado por Wagner Moura, a continuação Tropa de Elite 2: O Inimigo Agora é Outro (2010) ainda é o filme mais visto da história do Brasil.

Tropa de Elite

4) Treinando para o papel de Capitão Nascimento, Wagner reagiu a uma ameaça de seu comandante na Polícia do Rio de Janeiro de forma bem parecida com a do personagem – quebrando o nariz do comandante.

5) Wagner Moura canta em uma banda chamada Sua Mãe – inclusive, fazendo cover do The Cure em rede nacional.

6) Além de tudo isso, Wagner é ainda um embaixador da ONU, concentrando seus trabalhos na luta contra a escravidão e o trabalho infantil. “Eu acho que a escravidão moderna é o mais absurdo assalto aos direitos do indivíduo que vemos hoje”, disse.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio