Publicidade

Os motivos pelos quais esses 10 episódios de séries infantis foram banidos

Publicado por Caio Coletti

05/01/2018 17:00

Fazer uma série de TV para crianças é algo complicado, já que censores da televisão costumam ser mais estritos com o que pode ser exibido do que os do cinema, que podem simplesmente colocar uma restrição de idade ao filme.

Alguns programas infantis se deram mal nessa brincadeira e tiveram episódios inteiros banidos de países ou pesadamente editados para sua transmissão. Confira 10 deles:

MIGHTY MOUSE – “The Littlest Tramp” | O animador Ralph Bakshi tem um enorme legado no gênero, incluindo a animação clássica de O Senhor dos Anéis (1978) e outras produções infantis, mas quando sua série Mighty Mouse foi lançada, nos anos 1980, ele era mais conhecido por suas experiências com animação adulta, como O Gato Fritz (1972). Por isso, quando um episódio mostrou Mighty Mouse cheirando uma flor que se parecia “um pouco demais com uma certa substância narcótica branca”, o episódio foi banido dos EUA.

FUTURAMA – “A Tale of Two Santas” | O Papai Noel assassino retratado pela ficção científica Futurama foi longe demais no especial de Natal da terceira temporada, que a emissora Fox decidiu ser “sangrento demais” para o horário usual reservado para a série, às 7 da noite nos EUA. Ao invés disso, a emissora baniu o episódio por um ano inteiro, exibindo-o só em 23 de dezembro do ano seguinte ao que foi produzido, às 9 da noite.

https://youtu.be/d0f3UV1cSdo

MISTER ROGERS’ NEIGHBORHOOD – “Conflict” | Este amado programa infantil que ficou no ar entre 1968 e 2001 (é sério!) nos EUA só teve uma história banida por sua ousadia política – em “Conflict”, o rei da Vizinhança de Mentirinha onde se passa a série acha, através de um mal entendido, que um dos moradores está construindo uma bomba e planejando um ataque terrorista. Produzido em 1983, no meio da Guerra Fria, o episódio saiu da rotação de reprises logo após sua primeira exibição, e só ressurgiu recentemente na internet.

AS MENINAS SUPER-PODEROSAS – “See Me, Feel Me, Gnomey” | As pequenas heroínas da série animada passaram por muitas temporadas sem causar polêmicas, mas o episódio final do quinto ano, que trazia um gnomo vilanesco prometendo paz mundial para as meninas em troca de seus poderes, foi banido nos EUA. Acontece que o gnomo engana as heroínas, e sua versão de “paz mundial” é um estado autoritário em que todos o veneram. O motivo do banimento, segundo o criador Craig McCracken, foi a semelhança dos símbolos do gnomo com “cruzes da fé católica”.

TINY TOON – “Elephant Issues” | Esse desenho dos anos 1990 causou polêmica ao mostrar um episódio em que as versões mirins de personagens amados como Patolino e Pernalonga tomam uma cerveja. O segmento foi elaborado como um chamado à moralidade, no qual o álcool é visto como algo que leva a decisões ruins, mas mesmo assim os pais de crianças que assistiram ao desenho não gostaram de ver personagens mirins intoxicados na tela. O resultado foi que o episódio foi banido dos EUA.

BEAVIS AND BUTT-HEAD – “Comedians” | Esse desenho da MTV nunca foi avesso à polêmicas, mas uma em especial marcou o programa para sempre. Em seu terceiro episódio da primeira temporada, Beavis e Butt-Head tentam a sorte como comediantes stand-up, mas Beavis vai um pouco longe demais quando tenta entreter o público fazendo malabarismos com pedaços de jornal pegando fogo. Um garoto de cinco anos reportadamente assistiu ao episódio e tentou replicar o momento, colocando fogo em sua cama – o incêndio se espalhou pela casa e matou a irmã mais nova do menino, de 2 anos de idade. O episódio só foi reprisado em horários de madrugada da MTV.

YOU CAN’T DO THAT ON TELEVISION – “Adoption” | Esse curioso programa de comédia exibido entre 1979 e 1990 trazia talentosos atores mirins criando esquetes no estilo Saturday Night Lives – só que, normalmente, menos polêmicos e apimentados. O episódio “Adoption”, produzido em 1987, no entanto, causou polêmica ao soltar várias piadas com o conceito de adoção de crianças, incluindo uma em que um pai tenta devolver o filho à agência de adoção. A reação hostil de pais e filhos adotados fez a Nickelodeon “engavetar” o episódio após a primeira exibição.

https://youtu.be/wm2403n3R7Q

STEVEN UNIVERSO – “We Need to Talk” | Sempre progressiva, a série animada de Rebecca Sugar só encontrou problemas com os censores uma vez, e foi na Inglaterra! No episódio “We Need to Talk”, a personagem Pérola divide uma dança fofa com a mãe de Steven, Rose – uma cena que, aparentemente, fez “as crianças britânicas ficarem desconfortáveis”, apesar da série em si já retratar um relacionamento homossexual entre Rubi e Safira. O episódio foi ao ar, mas com várias edições, e nunca foi reprisado em sua versão original na Inglaterra.

NO RITMO – “Party it Up” | A série estrelada por Zendaya e Bella Thorne encontrou polêmica quando, em um episódio, mostrou uma festa frequentada pelas protagonistas e um grupo de modelos. “Vocês são tão fofas, eu poderia simplesmente engolir vocês. Se eu comesse, é claro”, diz uma das modelos na cena, em piada que claramente tentava “tirar sarro” das dietas absurdas seguidas por modelos para se adequar às pressões da indústria. Demi Lovato, ex-estrela da Disney e também ex-paciente de bulimia, não gostou disso: “É engraçado como uma empresa pode perder uma de suas estrelas para a bulimia, e ainda fazer uma piada sobre isso”. A Disney retirou o episódio de circulação desde então.

https://www.youtube.com/watch?v=7D1m4zPDtZM

POKÉMON – “Beauty and the Beach” | Pokémon teve vários episódios banidos durante sua história de mais de 20 anos no ar. No entanto, uma das maiores polêmicas veio com o 18º capítulo de sua trajetória, que não passou nos EUA pelo simples motivo que, nele, víamos o vilão James, da Equipe Rocket, vestindo uma roupa que fazia parecer que ele tinha enormes seios, a fim de se disfarçar e capturar o Pikachu de Ash.

Publicidade