Já assistiu Altered Carbon, a nova ficção científica da Netflix? Os episódios da primeira temporada da série foram postados na Netflix nessa sexta (02), e vieram lotados de referências a outros clássicos da ficção científica.

Altered Carbon | Pule 3.000 anos para o futuro em novo trailer da série da Netflix

A história de um detetive (Joel Kinnaman) que é ressuscitado em um novo corpo sintético no futuro para investigar um assassinato é cheia de tributos e homenagens a outros títulos.


Confira 10 deles:

Blade Runner

BLADE RUNNER | Graças ao lançamento da sequência Blade Runner 2049, o clássico de ficção científica de Ridley Scott, lançado em 1982, está fresco na memória do público, o que significa que as comparações com Altered Carbon são inevitáveis. A visão de futuro paranoica, cheia de telões e cantos escuros, e muito, muito chuvosa, é familiar para qualquer fã do longa ou do livro original, de Philip K. Dick, intitulado genialmente de “Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?”.

Bryan Cranston em Philip K. Dick’s Electric Dreams

ELECTRIC DREAMS | Por falar em K. Dick, vale a pena checar essa antologia produzida em uma parceria da Amazon e do Channel 4 britânico. Cada um dos 10 episódios adapta um conto diferente do escritor, e não faltam visões psicodélicas, decadentes e distópicas de futuro por aqui. A influência em Altered Carbon pode ser sentida especialmente nos episódios “The Hood Maker”, “Human Is” e “Autofac”.

O HOMEM DUPLO | Fechando a trilogia Philip K. Dick de referências, O Homem Duplo é uma excelente adaptação do livro de K. Dick por ninguém menos que o mestre Richard Linklater (Boyhood). Feito com uma animação inovadora, “pintada” por cima de atores em carne e osso, O Homem Duplo é a história paranoica de um policial disfarçado a procura de um traficante de drogas, que lentamente começa a perder sua própria identidade.

JOHNNY MNEMONIC | O livro seminal de William Gibson, provavelmente a maior das referências cyberpunk da história, é Neuromancer, mas ele nunca foi adaptado para o cinema ou a televisão. Um bom substituto é Johnny Mnemonic, que Gibson adaptou ele mesmo da literatura para o cinema. É a história de um agente futurista que carrega uma informação crucial em seu cérebro.

EU, ROBÔ | Fãs mais radicais do mestre da ficção científica Isaac Asimov vão chiar, dizendo que o filme de 2004 não é uma adaptação, e sim uma história completamente nova “inspirada” pelo lendário livro de contos do escritor que redefiniu para sempre nossos conceitos de robótica. Eles não estão errados, mas se você não tem a paciência de checar o livro, pode se contentar com esse subestimado e deslumbrante filme do talentoso Alex Proyas (O Corvo).

GHOST IN THE SHELL | Outra obra que tem vastos tentáculos de influência em qualquer produção de ficção científica moderna, Ghost in the Shell (o anime original de Mamoru Oshii) desenha um futuro árido e cheio de conflitos filosóficos que Altered Carbon tenta traduzir para uma sensibilidade americana mais de duas décadas depois. Ah, e o remake americano em live-action? Pode deixar para lá, não vale a pena.

AKIRA | O anime de Katsuhiro Otomo se passa em uma Tóquio futurista em que o líder de uma gangue de motociclistas é transformado em um violento psicopata por uma experiência governamental. Altered Carbon empresta a sensibilidade sangrenta e intensa de sua narrativa do ousado anime, que se tornou um dos clássicos do gênero.

VAMPIRE HUNTER D | Outro clássico do mangá/anime, Vampire Hunter D tem uma trama bem mais sobrenatural que Altered Carbon, mas sua visão de um futuro devastado dominado por seres violentos sem dúvida teve influência na série da Netflix. Os livros originais foram adaptados para o cinema em duas oportunidades – uma em 1985 e outra em 2010.

Matrix

MATRIX | É praticamente impossível encontrar uma obra pós-1999 que não tenha alguma influência do épico das irmãs Wachowski, e Altered Carbon não será a exceção. Seja seu visual sujo ou sua filosofia complicada, a série da Netflix herda elementos de sobra da obra estrelada por Keanu Reeves (é a terceira aparição dele nessa lista, depois de O Homem Duplo e Johnny Mnemonic).

Black Mirror

BLACK MIRROR | A própria Laeta Kalogridis, que criou Altered Carbon, admite que a antologia de ficção sombria da Netflix tem uma enorme influência sobre o seu trabalho. A nova série não tem formato antológico, mas herda a atitude paranoica em relação a tecnologia, e a disposição de perturbar até a mais “blindada” das mentes.