Eles estão no topo do mundo nessa semana que antecede a premiação do Oscar 2018, mas nem por isso se esquecem daquelas escolhas cinematográficas mais infelizes…

Oscar 2018 | Para o público, A Forma da Água deveria ganhar Melhor Filme

Em cada uma das filmografias dos indicados ao Oscar desse ano, algum tipo de constrangimento fracassado pode ser encontrado – e nós encontramos para você. Confira:


NINE (Daniel Day-Lewis) | Nos últimos 20 anos, Daniel Day-Lewis atuou em exatamente sete filmes. Sua escolha cuidadosa de projetos deveria, teoricamente, prevenir desastres como o musical Nine, dirigido por Rob Marshall, em que Day-Lewis encarna uma versão deturbada do protagonista de Fellini 8 ½ (1963). Indicado a Melhor Ator por Trama Fantasma.

DOSE DUPLA (Denzel Washington) | Até quando faz filmes de ação de qualidade duvidosa (vide O Protetor), Denzel costuma conseguir encontrar alguma medida de sucesso, seja financeiro ou crítico. No entanto, ninguém entendeu o motivo dele ter aceitado essa bomba com Mark Wahlberg e comandada por Baltasar Kormákur (Evereste). Indicado a Melhor Ator por Roman J. Israel, Esq.

O RIO SELVAGEM (Meryl Streep) | Sim, até a lendária recordista de indicações ao Oscar tem seus filmes ruins – a bem da verdade, sua época de filmes ruins ou medianos, durante os anos 1990. O pior deles provavelmente é O Rio Selvagem, fiasco de Curtis Hanson (Los Angeles – Cidade Proibida) que passou em branco pelos cinemas em 1994. Indicada a Melhor Atriz por The Post: A Guerra Secreta.

A HOSPEDEIRA (Saoirse Ronan) | Ela pode ser jovem para já ter 3 indicações ao Oscar, mas Saoirse não passou pela adolescência sem seus projetos água-com-açúcar que naufragaram entre o público e a crítica. Chefe entre eles, A Hospedeira, adaptação do romance de Stephenie Meyer (Crepúsculo) em que Ronan tenta lutar contra a narrativa constrangedora com uma atuação decente – sem muito sucesso. Indicada a Melhor Atriz por Lady Bird: A Hora de Voar.

DEFENDOR (Woody Harrelson) |Um daqueles “trabalhadores exemplares” de Hollywood, Woody Harrelson vive se metendo em produções meia boca que não merecem o seu talento, mas nenhuma parece mais bizarra que Defendor, lançada em 2009. A comédia é sobre um homem comum que adota uma personalidade vigilante durante a noite. Indicado a Melhor Ator Coadjuvante por Três Anúncios Para Um Crime.

ROCK OF AGES (Mary J. Blige) | Ah, o árduo caminho para se transferir de lenda da música para atriz respeitada… Mary J. Blige conseguiu com a indicação ao Oscar por Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississsipi, mas antes teve que se tornar a “gritadeira-em-chefe” do constrangedor musical Rock of Ages, que é eventualmente engraçado em seu charme trash, mas nunca mais do que isso. Indicada a Melhor Atriz Coadjuvante por Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississsipi.

A SÉRIE DIVERGENTE (Octavia Spencer) | Ela já reclamou que, tanto antes quanto depois do sucesso (e do Oscar) de Histórias Cruzadas, a maioria dos papéis oferecidos a ela eram para lá de coadjuvantes ou em alguma posição de servidão. O padrão não se quebra com a franquia Divergente, que aproveitou muito mal a grande atriz que tinha no elenco. Indicada a Melhor Atriz Coadjuvante por A Forma da Água.

INSÔNIA (Christopher Nolan) | Para o homem que tornou um “filme-cabeça” espacial (Interestelar) e um longa de Segunda Guerra Mundial (Dunkirk) em sucessos de crítica e bilheteria, é difícil imaginar um filme de Nolan fracassando – no entanto, Insônia (2002) conseguiu, mesmo contando com pesos pesados como Al Pacino e Robin Williams no elenco. Indicado a Melhor Direção por Dunkirk.

MUTAÇÃO (Guillermo Del Toro) |Ele está mais perto do que nunca de uma merecida estatueta de Melhor Direção por A Forma da Água, mas Guillermo Del Toro já foi rejeitado por Hollywood antes – quando primeiro apareceu por lá, com a ficção científica Mutação (1997), que não foi bem recebida pela crítica e afundou na bilheteria. Indicado a Melhor Direção por A Forma da Água.

A LENDA DE TARZAN (Margot Robbie) | A gente perdoa o ator se, antes do sucesso, ele se meter em algumas enrascadas pelo simples motivo de conseguir trabalho. No entanto, Margot Robbie já era uma estrela quando embarcou no desastroso A Lenda de Tarzan, readaptação de 2016 do personagem, então interpretado por Alexander Skarsagard. Indicada a Melhor Atriz por Eu, Tonya.