É sempre divertido quando programas de TV resolvem tirar sarro…. da própria TV! Embora aconteça especialmente em comédias, alguns dramas televisivos também incluíram séries fictícias como “piadas internas” (ou nem tanto).

As 10 participações especiais mais inesperadas e bizarras das séries de TV

Confira as 10 melhores “séries dentro das séries”:


THE VALLEY (The O.C.) | O drama adolescente mais popular do início dos anos 2000 incluiu em sua trama uma clara sátira… de dramas adolescentes dos anos 2000? The Valley, série que a personagem Summer Roberts (Rachel Bilson) assistia compulsivamente, era uma versão ainda mais exagerada de The O.C., mas passada em San Fernando Valley. Quem vota por esse spin-off?

INSPECTOR SPACETIME (Community) | Quando Abed descobre que sua amada Cougar Town (essa uma série real, estrelada por Courteney Cox) foi trocada de data pela emissora, Britta salva o dia ao apresenta-lo para a ficção científica Inspector Spacetime, claramente inspirada em Doctor Who. Claro que não demora para Abed e Troy fazerem cosplay dos personagens.

EL AMOR PROHIBIDO (Arrested Development) | Durante a primeira temporada da comédia, G.O.B. e Michael se apaixonaram pela mesma mulher – a atriz Marta Estrella, que atuava na telenovela El Amor Prohibido, e recebia até indicações a prêmios pela performance. Nós não resistiríamos a uma versão real desse delicioso novelão.

THE TERRANCE AND PHILLIP SHOW (South Park) | Após muitas reclamações de que South Park era “uma série pobremente animada cheia de piadas de peido”, os criadores Matt Stone e Trey Parker resolveram mostrar aos espectadores como essa série que eles descreviam realmente seria. O resultado foi o show de dois comediantes canadenses que se tornaram personagens recorrentes na animação.

DUE NORTH (Insecure) | A criadora Issa Rae e seu time de roteiristas deram vida a uma das piadas internas do trabalho quando inseriram a melodramática série Due North em Insecure – da protagonista Issa à sua melhor amiga Molly, todos os personagens se ligam (mesmo que seja só para criticar) em Due North, sobre uma escrava nos EUA pré-abolição que vive um romance proibido com o seu “dono”.

DEFAMATION (Cara Gente Branca) | A série da Netflix tira um bom sarro de Scandal, ultradramática trama política de Shonda Rhimes, com sua série-dentro-da-série, Defamation, que os personagens assistem religiosamente todas as quartas-feiras. O criador Justin Simien contou que a sua criação reflete “como a cultura pop afeta os ativistas de hoje”.

MILF ISLAND (30 Rock) | A sitcom estrelada e criada por Tina Fey nos deu inúmeras séries e filmes fictícios para amar (quem não se lembra do clássico Rural Juror?), mas elegemos essa absurda e hilária ideia como a melhor – em MILF Island, como Jack (Alec Baldwin) descreve, 20 “mães gostosas” são jogadas em uma ilha com 50 adolescentes.

INVITATION TO LOVE (Twin Peaks) | Embora hoje seja lembrada como uma trama subversiva, sombria e por vezes incompreensível, Twin Peaks foi parcialmente inspirada pelos novelões americanos – e prestou homenagem a eles com Invitation to Love, sua “série-dentro-da-série” cujas tramas espelhavam o que estava acontecendo com os nossos personagens na cidade de Twin Peaks.

DARKNESS AT NOON (The Good Wife) | A série do casal Michelle e Robert King sempre gostou de “zoar” os adversários da “TV dramática de prestígio”, e esse deboche nunca foi mais real do que na série-dentro-da-série Darkness At Noon, que tirava sarro das dezenas de dramas “sombrios” sobre detetives moralmente dúbios que existem na TV americana.

EDGE OF TOMORROW (Hot in Cleveland) | Victoria (Wendie Malick) venceu um Daytime Emmy por sua performance nesse novelão cheio de reviravoltas, que conhecemos durante as seis temporadas de Hot in Cleveland. Nem que fosse só para ver sua performance cheia de floreios, gostaríamos muito de ver essa trama na vida real.