Oscar 2018 | Os 10 discursos mais bizarros da história da premiação

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com o Oscar 2018 se aproximando nesse domingo (04), a identidade dos vencedores causa tanta expectativa quanto o que eles vão falar no palco quando subirem receber suas estatuetas.

Oscar 2018 | 5 apostas certas para vencer o prêmio (e 5 grandes dúvidas)

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na maioria das vezes, são os agradecimentos comuns que saem da boca dos premiados, mas em alguns momentos essa gratidão se transforma em algo mais estranho. Confira:

SALLY FIELD (1985, Melhor Atriz por Um Lugar no Coração) | “Eu não posso negar o fato que vocês gostam de mim! Nesse momento, vocês gostam de mim!”. A admissão desavergonhada de busca por aprovação de Field entrou para a história do Oscar como um dos discursos mais parodiados, reavaliados e vistos da história. Se você nos perguntar, como tudo que Field faz, o discurso foi adorável.

CUBA GOODING JR. (1997, Melhor Ator Coadjuvante por Jerry Maguire) | Após alguns segundos de agradecimentos, Cuba começou a ouvir a música alta que indicava que ele tinha que sair do palco – mas não foi o que ele fez. Ao invés disso, o ator começou a gritar a continuação do seu discurso, e a exclamar “Eu te amo!” para cada pessoa que agradecia. A alegria contagiante fez o teatro todo se levantar para aplaudir.

ROBERTO BENINGNI (1999, Melhor Filme Estrangeiro por A Vida é Bela) | Outro que contagiou o público com seu discurso foi o italiano, diretor e astro do filme, que recebeu seu Oscar das mãos da icônica Sophia Loren. Benigni começou subindo nas cadeiras da plateia, pulando em seu caminho até o palco, e falando italiano na parte final do discurso.

MARLON BRANDO” (1973, Melhor Ator por O Poderoso Chefão) | Mary Louise Cruz, uma atriz e ativista nativo-americana, usou seu nome artístico Sacheen Littlefeather para comparecer no lugar de Brando no Oscar de 1973. Brando recusou o prêmio por O Poderoso Chefão, e Littlefeather esclareceu no discurso que a recusa foi uma forma de protestar contra o tratamento de nativo-americanos pela indústria cinematográfica.

ADRIEN BRODY (2003, Melhor Ator por O Pianista) | Ao se tornar o vencedor mais jovem do Oscar de Melhor Ator por O Pianista (título que tem até hoje) aos 29 anos, Brody subiu ao palco e tascou um beijão na apresentadora, Halle Berry. O discurso que se seguiu foi bem convencional, mas o momento seria inesquecível – Berry criticaria o acontecido depois, dizendo: “Eu só conseguia pensar: ‘Que p*rra é essa?’”.

JACK PALANCE (1992, Melhor Ator Coadjuvante por Amigos, Sempre Amigos) | Aos 73 anos, o lendário Jack Palance subiu ao palco para receber seu troféu com uma causa a defender. Segundo ele, quando atores ficavam mais velhos, eles eram esnobados em Hollywood – para mostrar que era capaz de qualquer coisa, Palance não só venceu o Oscar como resolveu fazer flexões no palco!

SHIRLEY MACLAINE (1984, Melhor Atriz por Laços de Ternura) | Após um longo, engraçado (“Essa cerimônia é tão longa quanto a minha carreira”), belo e profundo discurso, Shirley terminou dando um nocaute na plateia ao dizer o que muitos vencedores com certeza quiseram dizer antes dela: “Eu mereço isso. Obrigada”.

JANE FONDA (1972, Melhor Atriz por Klute, O Passado a Condena) | “Há muitas coisas para dizer, e eu não vou dizê-las hoje a noite. Eu só gostaria de realmente lhes agradecer muito”. Essa é a totalidade do discurso de Fonda ao vencer o seu primeiro Oscar em 1972. Polêmica, Fonda era conhecida como ativista anti-Vietnã na época, de forma que o discurso pareceu com uma alfinetada política.

ALFRED HITCHCOCK (1968, Oscar honorário) | Os discursos dos Oscar honorários geralmente são mais longos do que os outros, mas Alfred Hitchcock não quis saber de enrolação, nem de deixar o público no suspense (o que era sua especialidade na frente das câmeras). Recebendo o troféu, ele simplesmente disse “obrigado”, e saiu do palco, voltando rapidamente para acrescentar: “De fato”.

JOE PESCI (1991, Melhor Ator Coadjuvante por Os Bons Companheiros) |O sempre marcante Joe Pesci é outro que optou por um dos discursos mais curtos da história da Academia. Vencendo o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, Pesci subiu ao palco, esperou os aplausos e disse: “É meu privilégio. Obrigado”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio