Chernobyl: O que é real e o que é mentira na série da HBO

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Todo mundo sabe o que foi o acidente nuclear de Chernobyl, mas poucas pessoas conhecem os detalhes da tragédia. É isso que a nova série da HBO pretende contar.

Chernobyl está sendo aclamada pela crítica especializada por seu cuidado com detalhes históricos e representação objetiva da tragédia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mesmo com grande fidelidade histórica, alguns aspectos da realidade tiveram que ser mudados por propósitos narrativos.

Confira abaixo o que é verdadeiro e o que é falso nos 3 episódios de Chernobyl já lançados!

Episódio 1 – “1:23:45”

O primeiro episódio de Chernobyl foi intitulado com o momento exato em que o reator 4 da usina nuclear explodiu. O alarme de incêndio, no entanto, só foi acionado minutos depois, o que prejudicou os esforços de contenção.

A série começa com a introdução do cientista Valery Legasov (Jared Harris), o vice-diretor do Instituto Kurchatov de Energia Atômica. Em sua primeira cena, o físico aparece gravando fitas que revelam um grande esquema de abafamento da União Soviética. Após gravar o que realmente aconteceu em Chernobyl, Legasov comete suicídio.

Tudo isso é verdade. Legasov morreu exatamente 2 anos após o desastre de Chernobyl. 8 anos após seu falecimento, o físico ganhou o título de Herói da Federação russa, pelo então presidente Boris Yeltsin.

Logo após a morte de Legasov, a série retorna para o exato momento da tragédia. Todas as pessoas mostradas na sala de controle são reais, e todos os funcionários que tentaram conter a explosão morreram dias depois.

Nos primeiros momentos, Chernobyl se mantém perfeitamente fiel aos acontecimentos históricos, chegando a usar excertos do dialogo real, tirados do livro “Vozes de Chernobyl”, de Svetlana Alexievich.

Praticamente todas as personagens que estavam presentes durante a explosão, os funcionários aos diretores, são inspirados em pessoas reais. Infelizmente, algumas histórias não puderam ser aproveitadas pela produção.

Segundo o podcast The Chernobyl Podcast, um funcionário percebeu que o reator explodiu, voltou para a casa, tirou uma soneca e voltou a trabalhar sabendo que morreria em breve.

Grande parte do primeiro episódio de Chernobyl foca na luta para entender o que realmente estava acontecendo. A maioria dos envolvidos acreditava que o núcleo do reator 4 ainda estava intacto, e alguns deles foram responsáveis por controlar a situação: Viktor Bryukhanov e Nikolai Fomin. Vistos como responsáveis pela demora na análise real do que havia acontecido no desastre, os dois foram condenados a 10 anos de prisão, um ano após o acidente. Fomin chegou a tentar suicídio antes de ser preso, mas falhou.

Vasily Ignatenko, o bombeiro que responde aos primeiros alarmes, foi incluído na série para representar todos os primeiros socorristas que foram afetados pela explosão.

Episódio 2: “Please Remain Calm”

Muitas pessoas acreditam que a cidade de Pripyat foi imediatamente evacuada após a explosão em Chernobyl. A série da HBO acerta em cheio ao mostrar que esse não foi o caso: a cidade só começou a ser evacuada 36 horas após o desastre. Na época, os cidadãos ucranianos acreditavam que a evacuação seria apenas temporária, e que eles poderiam retornar para suas casas em breve.

Emily Watson faz sua estreia como a física nuclear Ulana Khomyuk. A personagem é uma das poucas da série que não é baseada em uma pessoa real. Khomyuk é, no entanto, um amálgama de vários físicos e cientistas que trabalharam para conter os efeitos do desastre de Chernobyl.

Legasov menciona que se a “lava” formada pela explosão derretesse o solo do reator e contaminasse os corpos fluviais, o desastre seria inimaginável para grande parte da Europa Oriental.

Para impedir essa tragédia, 3 voluntários: Alexei Ananeko, Valeri Bezpalov e Boris Baranov entraram no porão de Chernobyl e esvaziaram manualmente os perigosos resíduos. A operação foi vista por muito tempo como suicida, mas relatos apontam que Baranov sobreviveu até 2005.

O segundo episódio também mostra como o governo soviético lidou com os primeiros dias do desastre. Mikhail Gorbachev é interpretado por David Dencik, em um ótimo trabalho de maquiagem. Não se sabe o que realmente aconteceu por trás de portas fechadas, mas não é segredo que o desastre de Chernobyl (e a falha em deixá-lo em segredo), foi uma dos fatores mais importantes para a implantação das políticas que eventualmente levaram à dissolução da União Soviética.

Outro personagem introduzido no segundo episódio é Boris Scherbina, o homem que fiscalizou a resposta à crise de Chernobyl. Boris é interpretado por Stellan Skarsgard, e morreu 4 anos após o desastre.

Episódio 3 – “Open Wide, O Earth!”

O terceiro episódio de Chernobyl começa com a missão suicida dos três engenheiros. Na série, eles utilizam tochas de dínamo para iluminarem o caminho, mas na vida real, eles contavam apenas com o tato, segurando nos canos para chegar aos subsolo.

A explicação de Legasov sobre os efeitos da radiação no corpo humano também é cientificamente correta. O cientista explica para Scherbina que as pessoas que foram expostas à altos níveis de radiação se recuperam por um pequeno período, que precede a morte horrível que os aguarda. Os efeitos são mostrados de maneira crua e violenta, em cenas de impressionar até o fã mais exigente de filmes de terror.

A história fica ainda mais triste vista pelos olhos de Lyudmilla Ignatenko, a esposa de um dos bombeiros que atendeu à explosão.

Alguns aspectos da história de Lyudmilla foram modificados. Na série, ela experimenta os efeitos da radiação grávida. Na vida real, ela já tinha dois filhos.

Outra diferença é que, em vários pontos do episódio, Lyudmilla aparece abraçando e tocando no marido. Na realidade, os médicos não permitiram que ela se aproximasse do marido.

Um triste detalhe do funeral de Vasily também é real. O bombeiro foi enterrado descalço, pois seus pés estavam inchados demais. É por isso que Lyudmilla aparece segurando um par de sapatos na cena final do episódio.

Outra parte interessante do episódio 3 é a introdução dos mineiros que foram trazidos para a construção de um túnel que impediria que a “lava” do reator atingisse o lençol fluvial. Tudo isso realmente aconteceu, mas alguns aspectos do plano foram modificados.

Na realidade, não foi Scherbina que solicitou “todo o nitrogênio líquido da União Soviética” para esfriar o reator, mas outra pessoa envolvida no caso.

Dos aproximadamente 400 mineiros que cavaram o túnel debaixo da Unidade 3, é estimado que um em cada quatro morreu devido aos efeitos da radiação. A série acerta em mostrar os mineiros trabalhando nus, já que registros históricos apontam que isso realmente aconteceu.

Chernobyl é exibida todas as segundas pela HBO.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio