Game of Thrones chegou a fim recentemente, e o desfecho da série dividiu a opinião dos fãs. Agora, muitos estão “órfãos”, sem uma série nova para seguir. Quem gostou de Game of Thrones deveria seriamente assistir Chernobyl, a nova produção da HBO.

As duas séries são completamente diferentes. Game of Thrones aposta na fantasia para trazer reflexões sobre o poder e a natureza humana. Já Chernobyl impressiona por mostrar a realidade nua e crua, confirmando que a vida real é bem mais estranha que a ficção.

Chernobyl terá apenas 5 episódios, e todos eles estão sendo extremamente bem avaliados pelo público e crítica especializada.


Para mais informações sobre séries, acesse o Observatório de Séries.

Confira abaixo 10 motivos pelos quais os fãs de Game of Thrones devem dar uma chance para Chernobyl.

Personagens complexos

Assim como Game of Thrones, Chernobyl foge da dicotomia bem-mal com personagens complexos e bem desenvolvidos. Em Chernobyl, no entanto, a imensa maioria dos personagens é baseada em pessoas reais, que realmente participaram dos esforços de contenção do pior desastre radioativo da história da humanidade. Além disso, as atuações são maravilhosas, destacando-se a de Jared Harris, como o físico Valery Legasov.

Tudo está em jogo

Game of Thrones mostrou como o destino de um reino está muitas vezes na mão de governantes que preferem lutar pelos próprios objetivos do que pelo bem do povo. Chernobyl traz um paralelo interessante com o governo comunista, mais interessado inicialmente em manter o desastre em segredo do que salvar vidas. Em Chernobyl, tudo está em jogo: o destino da União Soviética e sobrevivência da Europa, que chegou perto de se tornar um cemitério radioativo.

Fidelidade histórica

Um dos maiores motivos das reclamações de fãs de Game of Thrones é que a série da HBO se desviou demais de sua obra inspiradora, As Crônicas do Gelo e Fogo. Com Chernobyl, esse problema não existe. O departamento de pesquisa da série merece todos os prêmios por conseguir retratar detalhes minuciosos do que realmente se passou no momento e após a explosão do reator 4 de Chernobyl. Até mesmo reproduções dos diálogos reais foram utilizadas em certas cenas.

Efeitos especiais

Os efeitos especiais de Chernobyl são ao mesmo tempo sutis e impressionantes. Eles conseguem reproduzir de forma perfeita o ambiente de Pripyat e os efeitos da explosão do reator. O departamento de maquiagem e próteses também merece ser citado, já que a maneira com que os bombeiros afetados pela radiação são mostrados é mais assustadora que qualquer filme de terror.

Belas performances

Com personagens bem construídos (e reais), o elenco de Chernobyl caiu com uma luva. Jared Harris consegue transcrever para a tela todo o desespero e dilema moral do físico Valery Legasov. Stellan Skarsgard brilha como o Camarada Scherbina, um membro antigo do Partido Comunista que se vê frustrado pela atuação do governo. Emily Watson interpreta uma das poucas personagens que não é baseada em nenhuma pessoa real: a física e pesquisadora Ulana Khomyuk.

Imagens chocantes

Chernobyl não poupa o público dos efeitos mais devastadores da radiação no corpo humano. No terceiro episódio, Chernobyl apresenta algumas das cenas mais assustadoras e chocantes da TV contemporânea, ao mostrar o que aconteceu com os bombeiros que ajudaram na contenção da explosão. Um deles tem a pele reduzida a uma mortalha pálida e cheia de feridas, com o rosto escurecido e sem nem conseguir falar direito.

Intrigas governamentais

Para quem gostava de Game of Thrones pelas intrigas do reino e as maquinações dos personagens, Chernobyl é um prato cheio. Das atitudes do Partido Comunista à vigilância da KGB, Chernobyl cria uma atmosfera pesada e claustrofóbica, onde qualquer um pode ser traído a qualquer momento.

Dá raiva (e isso é bom)

Não existe nada melhor que do que gritar com a TV por se frustrar com as atitudes de personagens de séries. Em Chernobyl essa frustração acontece em todos os episódios, e isso ajuda o espectador a entender realmente o que estava acontecendo na época. Mesmo com grandes evidências, alguns membros importantes do governo e engenheiros da usina se negaram a encarar a realidade, sacrificando mais vidas humanas no processo.

Bem e Mal

Como Chernobyl se baseia completamente em eventos reais, não é possível classificar os personagens como bons ou maus. Mesmo aqueles que escolheram o bem do governo em detrimento da população, tomaram as atitudes de acordo com suas ideologias e pensamentos. Dessa forma, é possível entender as atitudes (muitas vezes idiotas) de vários personagens.

O grande resultado final

Com Chernobyl, a possibilidade de um final frustrante é irrisória. Todos sabem o que aconteceu após o desastre, e a série não pretende trazer uma narrativa pronta e completa, mas refletir sobre os efeitos duradouros do acidente nuclear. O criador da série já afirmou em seu Twitter que o episódio final vai focar em dois aspectos: a explosão propriamente dita do reator e os resultados futuros dos esforços de contenção, além dos julgamentos dos “responsáveis”.

O episódio final de Chernobyl vai ao ar na próxima segunda (3).