Vingadores: Ultimato é um filme que trabalha com o conceito de viagem no tempo, o que é sempre uma pedra no sapato de qualquer história, já que por mais bem explicado e executado que seja, alguns furos de roteiro sempre vão acabar aparecendo.

Pensando nisso, criamos uma lista com os furos de roteiro mais gritantes de Vingadores: Ultimato. Confira a seguir.

A viagem no tempo

Resultado de imagem para endgame time travel sceneQuando Hulk encontra a Anciã em Vingadores: Ultimato, os planos dos heróis se alteram um pouco, já que eles descobrem que para não mudar nada relevante na linha do tempo em vivem, os heróis teriam que obter as Jóias do Infinito e depois devolvê-las ao lugar de origem no mesmo momento em que elas foram tomadas.


O problema é que essa regra não é respeitada em Vingadores: Ultimato e os heróis alteram o passado o tempo todo. Bons exemplos são a batalha entre o Capitão América do presente contra o do passado e também momento em que o herói muda a percepção da HYDRA sobre ele ao dizer “Viva HYDRA!”. Tudo isso deveria ter alterado o futuro certo?

O sacrifício de Vormir

Resultado de imagem para black widow clint bartonAntes de iniciarem sua missão temporal em Vingadores: Ultimato, os heróis se dividem em duplas, definindo qual deles irá atrás de cada uma das Joias do Infinito. O problema é que essa cena tem um furo de roteiro que está relacionado à Joia da Alma.

Em Vingadores: Guerra Infinita, Thanos obteve a Joia da Alma sacrificando Gamora e Nebula sabe disso. Se ela tinha essa informação, porque ela não disse nada para o Gavião Arqueiro e a Víuva Negra em Vingadores: Ultimato? A ausência dessa informação fez com que os dois heróis fossem pegos de surpresa em Vormir, sem saber que um sacrifício seria necessário para obter a Jóia da Alma, o que não faz o menor sentido.

Viagem de Thanos e seu exército para o futuro

Resultado de imagem para thanosEsse momento de Vingadores: Ultimato tem dois furos de roteiro. O primeiro envolve a Nebula do passado se infiltrando entre os Vingadores e abrindo um portal no tempo para que o Thanos do passado e seu exército pudessem atacar os heróis. Durante o filme, Tony Stark deixa claro que para viajar pelos portais, seria necessário que o objeto (ou pessoa) tivesse o dispositivo de pulso construído por eles, algo que Thanos não tinha.

O segundo furo de roteiro vem no final do filme. Quando Tony Stark mata Thanos e seu exército, ele teoricamente está removendo eles do passado, o que altera completamente os eventos de Guardiões da Galáxia e outros filmes posteriores. Além disso, a Gamora de 2014 vem para o presente e não volta para sua linha do tempo original, o que só deturpa ainda mais a lógica do filme.

A morte de Nebula

Resultado de imagem para nebula avengersEm Vingadores: Ultimato, temos um confronto entre a Nebula do presente e a Nebula de 2014, que é leal a Thanos. O problema é que essa cena causa um paradoxo bem complicado na linha do tempo, quebrando uma regra básica do recurso. No momento em que a Nebula do presente mata a do passado, ela deveria deixar de existir também, certo? Pois é, isso não acontece e a Nebula de 2023 segue viva e ativa, o que é um baita furo de roteiro.

Thanos utilizando a Manopla Stark

Resultado de imagem para thanosPor fim, outro furo de roteiro gigante de Vingadores: Ultimato acontece também ao final do filme. Thanos não deveria ser capaz de usar a Manopla Stark, já que ela foi criada para servir apenas nos Vingadores, como Hulk e Tony Stark. Mesmo assim o titã consegue colocar o artefato no braço.

Outro furo vem no momento em que Thanos estala os dedos sem perceber que as Joias do Infinito não estão presentes na Manopla Stark. Se Thanos está mentalmente conectado às joias, como Vingadores: Ultimato estabelece, como ele não percebeu a ausência das joias na manopla? Parece muito mais um furo de roteiro do que um erro do vilão em si.

Vingadores: Ultimato está em exibição nos cinemas.