Além do maior sucesso da história da Marvel, Vingadores: Ultimato é certamente sua maior produção, com centenas de cenas icônicas que são relembradas pela Internet durante todo o tempo.

Mas no meio disso, há cenas ótimas, importantes e muito divertidas que precisam ter mais apreciação do que recebem.

Aqui, separamos 15 momentos subestimados de Vingadores: Ultimato que merecem mais atenção.


Tudo o que Máquina de Combate diz e faz

Falando de elementos subvalorizados da Marvel, Máquina de Combate está no topo da lista e brilhou de maneira sutil em Vingadores: Ultimato.

Sua conexão implícita com a Capitã Marvel é frequentemente ignorada, sua amizade com Viúva Negra e seu respeito mútuo são algumas das partes mais sinceras do arco de Natasha, com os dois mantendo os Vingadores à tona nos cinco anos antes do retorno de Homem-Formiga.

A família da Viúva Negra

Vingadores: Ultimato mostrou Viúva Negra sempre se dedicando a salvar o mundo, com ela ainda fazendo seu trabalho como Vingadora durante o intervalo de cinco anos, talvez mais ativamente que o próprio Capitão América.

Sua admissão de que os Vingadores eram tudo que ela tinha foi ainda mais agravada pelo fato de que ela nem sabia o nome do próprio pai. Vingadores: Ultimato estabelece que Viúva Negra era o coração da equipe.

A ligação de Máquina de Combate e Nebula

A missão compartilhada de Máquina de Combate e Nebula foi surpreendentemente divertida e importante, apesar de não levar muito tempo.

Um dos momentos mais memoráveis foi a dança de Peter Quill em Morag, hilariante sem o benefício de uma trilha sonora, e Máquina de Combate e Nebula derrubando-o e entrando na tumba foi uma das melhores partes de Vingadores: Ultimato.

Hulk se envergonha de si mesmo

Uma cena totalmente hilária, mas esquecida, é o “Professor Hulk” assistindo ao seu eu de 2012 destruindo um bom pedaço de Manhattan, ficando muito envergonhado e depois tentando – sem sucesso – imita-lo.

Não há muito a dizer sobre essa cena, realmente, além de que foi uma sacada divertida de Vingadores: Ultimato.

O monólogo do Homem de Ferro

O discurso de encerramento de Vingadores: Ultimato, entregue por Tony Stark como seu testamento final antes de sua morte, lembrava seu monólogo em Homem de Ferro 3 – que por sua vez lembrava o discurso de encerramento do outro filme de Robert Downey Jr., Beijos e Tiros. Poucos perceberam essa conexão.

Pepper Potts apoia Tony

Pepper Potts teve um papel significativo e bonito em Vingadores: Ultimato, encerrando seu papel como alguém que amava e apoiava Tony depois de tudo o que eles tinham passado.

Foi ainda mais significativo quando, não só ela o apoiou em suas decisões, mas também se preparou para lutar com ele, quando em Homem de Ferro 3, Tony tinha sido convencido de que ele tinha que destruir todos os seus trajes por causa dela.

Representatividade LGBTQ+ no maior sucesso de bilheteria da Marvel

Uma cena pequena, quase insignificante, se não fosse o fato de ser a primeira ponta de representatividade LGBTQ+ da Marvel, acontece depois do salto de 5 anos de Vingadores: Ultimato, quando Steve está com sobreviventes em um grupo de apoio.

A cena trouxe um dos diretores, Joe Russo, interpretando um personagem falando de seu encontro com outro homem. O fato de essa cena estar no filme mais lucrativo da Marvel é um passo pequeno, mas importante.

Velho Steve não fala de sua vida

Enquanto o público pôde ver o momento puramente alegre de Steve e Peggy finalmente dançando, a recusa de Steve em falar de sua vida foi mais significativa do que qualquer outra coisa.

Isso dá ao público a possibilidade de que talvez as coisas funcionaram com Peggy, ou talvez não funcionaram. Talvez Steve tenha encontrado um amor diferente em sua vida, talvez Steve tenha encontrado um propósito diferente. O que mais importa, no entanto, é que Steve não é mais definido por oportunidades ou deveres perdidos.

A morte do exército de Thanos

Enquanto o estalo de Tony Stark e sua imortal fala final são legitimamente apreciados em Vingadores: Ultimato, o que é menos mencionado é o fato de que as mortes do exército de Thanos, especialmente a de sua Ordem Negra, se assemelham aos super-heróis virando poeira em Vingadores: Guerra Infinita.

Fauce de Ébano cai de uma maneira que lembra Bucky Barnes, seu tropeção se transforma em uma nuvem de poeira enquanto ele caminha em direção à tela. Próxima Meia-Noite segura Corvus Glaive do jeito que a Feiticeira Escarlate segurou Visão quando ela caiu em pó. Outros no exército de Thanos tropeçam como guerreiros wakandianos tropeçaram quando o efeito total do estalo foi sentido.

A introdução de Peter Quill

Esta cena gerou muitas risadas no público, mas também foi muito especial pelo sentimento geral de nostalgia que trouxe.

Embora tenha sido uma introdução estilosa e divertida para o primeiro filme dos Guardiões da Galáxia, e definiu o tom para o resto do filme como uma divertida brincadeira no espaço com uma ótima música dos anos 80, a cena em que Peter Quill pousa em Morag é simplesmente hilária sem o benefício de uma música ao fundo.

A Guerra Civil não é esquecida, mas Tony e Steve se entendem

Foi profundamente gratificante ver que os eventos da Guerra Civil não foram totalmente encobertos quando Steve Rogers e Tony Stark finalmente conseguiram sua tão esperada reunião em Vingadores: Ultimato.

Enquanto Steve não era injustificado e Tony não era inocente, no final foi Tony Stark que tinha razão, com sua previsão de que um ataque ao mundo vindo do espaço se tornasse realidade. Quando Tony reencontra Steve, ele diz “Eu te avisei”, o que foi bem impactante.

Este momento de ódio fez de sua eventual reconciliação (5 anos depois) ainda mais significativa, trazendo um novo senso de determinação para consertar o que estava quebrado.

Nebula e Tony

Uma das cenas mais comoventes e doces de Vingadores: Ultimato foi a curta passagem de Tony e Nebula no espaço, onde Tony a tratou com mais gentileza e carinho do que nunca antes de se juntar aos Guardiões da Galáxia.

É provado em breve com Morgan Stark que Tony assume muito bem o papel de pai, então talvez isso foi o que tenha feito Nebula se preocupar com ele.

Capitã Marvel traz Tony para casa

A primeira aparição de Capitã Marvel em Vingadores: Ultimato foi muito bem feita, com música suave e uma luz ainda mais suave chegando em um momento de desespero, quebrando a escuridão do espaço.

Ela parecia quase um anjo, trazendo sozinha a nave com Tony Stark e Nebula que estava perdida no espaço.

A formação de pessoas no funeral

A formação de pessoas durante o funeral de Tony Stark pode parecer aleatória para a maioria dos espectadores, mas para os fãs que seguiram a jornada de Tony Stark do primeiro ao último momento, os participantes têm muito significado para a história do herói no MCU.

A equipe do Homem de Ferro está bem na frente, com Pepper, esposa de Tony e sua amada parceira no primeiro filme, ao lado de Rhodey, o melhor amigo de Tony, e Happy Hogan, seu motorista e amigo fiel. A única recém-chegada nesse grupo é a filha de Tony, Morgan.

Logo atrás deles está Steve Rogers, cuja conexão com Tony como parceiro de heroísmo, apesar dos altos e baixos, não pode ser subestimada.

Muitos outros personagens são vistos depois deles, incluindo Peter Parker, que Tony ajudou a crescer como um super-herói, e até mesmo Harley, o menino inventor de Homem de Ferro 3.

Por último, mas não menos importante, Nick Fury está bem atrás, observando todos – como o primeiro personagem a trazer o singular Homem de Ferro para um universo cheio  de maravilhas.

O retorno de Frigga

O papel de Frigga na vida de Thor e Loki sempre foi ofuscado por Odin. Odin foi uma das maiores razões pelas quais Loki se tornou um vilão e foi aquele que derrubou Thor para que ele pudesse encontrar humildade.

No entanto, como em Thor: O Mundo Sombrio, o papel de Frigga em suas vidas é inegavelmente importante, e pode-se argumentar que se ela tivesse tido a oportunidade de tomar as decisões que Odin tinha que fazer, o MCU teria irmãos Asgardianos mais felizes e menos separados.