A terceira temporada de Stranger Things está sendo transmitida agora pela Netflix – cerca de 20 meses após a estreia da segunda temporada – em meio à esperança dos fãs de que serve como um grande retorno à boa forma para a série de ficção científica de grande sucesso.

Esse é o caso? Bem, sim e não. As críticas têm sido consistentemente positivas desde o início, mas também há problemas em Stranger Things 3.

Aqui, listamos seis erros e seis acertos na terceira temporada desse que é um dos seriados de maior sucesso na Netflix.


Stranger Things Season 3

Erro: A trama é bem chata

Os caprichos sobrenaturais que compõem a narrativa de Stranger Things sempre foram a parte mais fraca da série e ficaram em segundo plano com os personagens, a construção de mundo e o estilo exuberante.

Isso talvez não seja mais verdadeiro desta vez, no entanto, com uma trama central monstruosa envolvendo o novo shopping center, que nunca consegue prender o público realmente.

Com referências de inúmeros filmes populares de ficção científica por toda parte, há pouca criatividade verdadeira ou inventividade aqui, enquanto as crianças centrais são muitas vezes divididas em suas subtramas pouco desenvolvidas.

Isto é especialmente verdadeiro para Jonathan (Charlie Heaton), que não tem praticamente nada para fazer durante toda a temporada, e Nancy (Natalia Dyer), que gasta muito tempo em uma enredo cansativo em que ela é reinventada como uma espécie de Lois Lane.

Stranger Things 3 Upside Down

Acerto: Os incríveis valores de produção

A melhoria mais imediatamente óbvia nesta temporada é o grande aumento nos valores de produção, especialmente no que diz respeito ao CGI.

Enquanto as duas temporadas anteriores ostentavam seus efeitos visuais de baixa fidelidade, o abundante CGI de monstros aqui parece absolutamente incrível, mesmo quando assistimos em 4K, que é bastante eficaz em revelar as limitações do VFX.

Os efeitos digitais são usados não apenas para os monstros, mas também para elementos de terror corporais brilhantemente grotescos, ajudando a evocar uma sensação cinematográfica de grande orçamento, em vez de um mero brilho superficial.

Stranger Things Season 3.jpg

Erro: Muito romance

Mesmo para os padrões de programas de TV que envolvem adolescentes, existem muitas subtramas românticas nesses oito novos episódios de Stranger Things.

Na primeira metade da temporada em particular, o maior número possível de personagens é associado a casais previsíveis que, com uma única exceção, levam exatamente até onde você espera.

Histórias de amor forçado raramente criam drama convincente, e isso é absolutamente verdade neste caso. Até o amor entre Eleven (Millie Bobby Brown) e Mike (Finn Wolfhard) só parece estar consumindo um tempo precioso que poderia ser gasto explorando literalmente qualquer outra coisa.

Stranger Things Hopper

Acerto: O elenco mais uma vez está muito bom

Mesmo quando o material falha, não há absolutamente nenhuma crítica aqui para qualquer um no elenco: todo mundo tenta fazer tudo funcionar, e eles não podem ser responsabilizados remotamente pelas falhas narrativas.

Especialmente digno de nota é David Harbour, que impulsona com força a moral duvidosa de Hopper e mais uma vez se mostra o ator mais talentoso de Stranger Things.

Todo mundo praticamente entrega o esperado: as crianças são muito divertidas, especialmente Millie Bobby Brown, e Winona Ryder mais uma vez prova que é brilhante como Joyce Byers.

Stranger Things Season 3

Erro: Ritmo descontrolado

O ritmo da terceira temporada de Stranger Things é muito problemático, e enquanto a duração de oito episódios garante que nunca alcance o nível de exaustão de Os Defensores, por exemplo, os primeiros episódios levam um bom tempo para gerar consequências.

A primeira metade como um todo parece lenta, honestamente, enquanto os quatro episódios posteriores são muito apressados.

Há muito a ser dito sobre uma série que sabe quando parar e quando acelerar as coisas, mas não é o caso dessa temporada: ela fica parada quando você quer que ela se mova, e ela atinge a alta velocidade quando você quer parar para respirar um pouco.

Stranger Things Erica

Acerto: Erica rouba o show

A irmã de Lucas (Caleb McLaughlin), Erica (Priah Ferguson), retorna nesta temporada, e ela entrega a performance mais divertida entre todo o elenco.

Erica tem um papel muito maior desta vez, ainda mais significativo do que seu irmão, resultando nela entregando muitas das melhores falas da temporada, ao mesmo tempo em que fica presa ao enredo central.

Seus diálogos sarcásticos são os melhores da temporada, mas sem o talento de Ferguson, nada disso aconteceria com o mesmo impacto.

Stranger Things Season 3

Erro: Nostalgia substitui conteúdo

Uma das reclamações mais consistentes sobre Stranger Things desde a sua criação tem sido seu apoio na nostalgia, baseando-se fortemente nas características da cultura pop da década de 1980 para marcar pontos fáceis com o público.

Infelizmente, a terceira temporada traz um flagrante conjunto de ofensas a esse respeito, invocando sons e imagens dos anos 80 a níveis frequentemente favoráveis.

Em primeiro lugar, um produto de mídia não tinha usado canções pop clássicas para transmitir um sentimento ou humor de forma tão preguiçosa desde Esquadrão Suicida.

Em termos visuais, há uma piada recorrente que presta tributo a O Exterminador do Futuro, uma sequência que preguiçosamente invoca De Volta para o Futuro, e um aceno embaraçoso a A História Sem Fim que com certeza será discutido até que a quarta temporada seja lançada.

Em última análise, esses acenos funcionarão bem o suficiente para muitos, mas é difícil escapar da sensação de que os criadores estão usando a nostalgia não apenas como uma muleta, mas como um substituto para contar histórias de qualidade.

Stranger Things Season 3.jpg

Acerto: Uma brilhante subversão de expectativas

Embora a esmagadora maioria da temporada seja previsível, há uma subversão das expectativas do público que funciona incrivelmente bem.

Sem nem mesmo sugerir o que pode ser, saiba que um dos enredos aparentemente mais previsíveis do programa acaba resultando em uma recompensa genuinamente surpreendente.

Uma subversão por si só não funciona, mas aqui faz sentido absoluto na narrativa, já que os produtores haviam preparado o palco para uma resolução muito genérica.

Stranger Things Hopper David Harbour.jpg

Erro: A falta de desenvolvimento convincente de personagens

Talvez a maior decepção ao longo da temporada seja a falta bizarra de desenvolvimento significativo de personagens em quase todos os níveis.

Quando a temporada começa, Hopper (David Harbour) parece estar regredindo de volta à sua primeira temporada sem justificativa suficiente, quase se tornando uma caricatura no processo.

Os romances superficiais acima mencionados são usados frequentemente no lugar de arcos de personagem reais, enquanto surpreendentemente pouco é feito do potencial de maioridade explorado melhor nas duas temporadas anteriores.

Na maior parte, os personagens da série, tanto as crianças quanto os adultos, estão presos no mesmo lugar desde o começo da temporada até o fim, com um crescimento pessoal muito pequeno.

Stranger Things Season 3.jpg

Acerto: Robin é a melhor nova adição

Embora a maioria dos novos membros do elenco infelizmente não seja bem servida, há uma adição notável que instantaneamente se torna uma das personagens mais agradáveis de Stranger Things.

E é Robin (Maya Hawke), a garota com quem Steve (Joe Keery) trabalha na sorveteria do shopping, Scoops Ahoy.

Entre a sua química relaxada com Steve e um comportamento profundamente sarcástico, ela é uma grande novidade, servindo como uma boa jogada para quase todos que ela encontra, herói ou vilão.

Não faz mal que ela seja interpretada pela talentosa filha de Ethan Hawke e Uma Thurman, elevando Robin além de clichês e garantindo que ela se torne charmosa, hilária e eventualmente vulnerável.

Stranger Things Season 3

Erro: O fim decepcionante

Não há spoilers aqui, é claro, mas a terceira temporada de Stranger Things não se encerra de uma forma particularmente satisfatória. As coisas simplesmente acontecem… e é basicamente isso.

Certamente existem momentos no final da temporada que claramente pretendem ser épicos e afetivos, mas já podemos sentir que esses personagens vão retornar, então é difícil acreditar.

Não ajuda que haja uma cena no meio dos créditos dolorosamente sem imaginação, que parece acenar diretamente para o que vem a seguir, e sugere que a série está tomando o caminho mais óbvio possível.

Stranger Things 3 Eleven

Acerto: Ótimas direção e edição

Além dos incríveis valores de produção e atuações notáveis, a terceira temporada de Stranger Things muitas vezes é mantida no alto pelos bastidores, ou seja, o trabalho não só dos irmãos Duffer, mas também de Uta Briesewitz e Shawn Levy.

Há uma clara consistência em seu trabalho aqui, mas nunca parece que os cineastas foram forçados a se encaixar em um “estilo familiar”, como é evidente na maioria das séries da Marvel na Netflix.

Há muitas cenas incríveis ao longo destes oito episódios, garantindo que, mesmo em seus momentos inferiores, a série tem um toque cinematográfico inconfundível que a separa de programas parecidos.