Quando a Marvel se originou, ficou conhecida como uma alternativa um pouco mais realista aos quadrinhos da DC.

Com uma visão mais “pé no chão”, a Marvel ofereceu narrativas ambientadas em lugares reais com personagens que, acima de tudo, estavam lutando com seus próprios problemas pessoais.

Mas, eventualmente, a editora perdeu a cabeça com histórias para lá de absurdas. Mostramos, aqui, dez desses maiores contos.


O “super-Homem de Ferro”

Todo mundo conhece o Homem de Ferro, o inteligentíssimo bilionário extrovertido e arrogante que, por não ter poderes, construiu uma série de armaduras tecnológicas para si mesmo para combater o mal.

Em 2005, no Universo Ultimate, a Marvel decidiu reinventar essa origem. Ele não era mais um cara comum: este Homem de Ferro era um super-gênio porque todo o seu corpo era feito de tecido cerebral, o que também lhe dava cura sobre-humana, permitindo que ele recuperasse membros perdidos.

Deus encontra o Homem-Aranha

Em Sensacional Homem-Aranha #40, Peter Parker estava muito deprimido. Para piorar, Tia May estava perto de morrer e não havia nada que podia salvá-lo. O Homem-Aranha estava perto de desistir de tudo.

Quem veio para reanimá-lo? O próprio Deus, é claro! O Senhor e Salvador desceu do céu apenas para dar alguns conselhos ao super-herói, dizendo que ele precisava abandonar a culpa e seguir em frente.

O Justiceiro negro

Atualmente, a Marvel está investindo mais em representatividade, mas seu histórico com essa questão não é o mais sutil de todos. No início dos anos 90, o Justiceiro teve seu rosto massacrado pelo Retalho, então decidiu se submeter a uma cirurgia plástica para mudar sua identidade.

O resultado foi que a cirurgia transformou o Justiceiro em um homem negro, mas com olhos azuis e estrutura facial de um branco. Para piorar, a Marvel tentou abordar questões raciais com essas histórias e só piorou tudo.

Uma revista com piadas ofensivas feita para vencer uma aposta

Tudo em Marville, do começo ao fim, era um turbilhão de incompreensibilidade. A série foi escrita em 2002 pelo editor Bill Jemas como parte de uma aposta com os escritores Ron Zimmerman e Peter David sobre quem poderia fazer o gibi mais vendido.

Era uma paródia cheia de piadas ruins e ofensivas. Impressionante que a Marvel tenha aprovado o desenvolvimento disso.

Capitão América se torna um lobisomem

O Capitão América sempre defendeu as idéias fundamentais dos Estados Unidos, verdade e justiça. Mas no início da década de 90, teve uma fase bem estranha. Um cientista louco chamado Nightshade injetou em Steve Rogers um soro que o transformou em um verdadeiro lobisomem.

O que é estranho é que o super-herói conseguiu resistir ao controle mental do vilão, mas sua forma peluda persistiu.

Justiceiro vira um anjo

Os anos 90 foram muito estranhos, especialmente nas histórias em quadrinhos. O problema do Justiceiro é que o conceito por trás dele é muito simples: ele não gosta de criminosos e expressa essa emoção por meio de armas.

Numa tentativa da Marvel de copiar Spawn, Frank Castle foi morto e trazido de volta à vida como uma agente de Deus, um “anjo da vingança”. Isso incluía convenientemente abater criminosos, mas com “armas do céu”.

A Vespa se transforma em… alguma coisa

Numa infame história conhecida como The Crossing, Homem de Ferro foi revelado como um agente secreto trabalhando para Kang, o Conquistador. Numa explosão de energia, ele deixou Vespa perto da morte.

Seu marido, Hank Pym, tentou ajudá-la, mas em certo momento descobriu que a única solução era alterar a estrutura genética de Janet, transformando-a em um monstro horrível.

Ele até colocou um dispositivo de rastreamento na cabeça de Vespa porque, você sabe, Pym é simplesmente o pior marido do mundo.

Os X-Men de Chuck Austen

Quando Chuck Austen assumiu o cargo de escritor dos X-Men, ele estava determinado a dar aos fãs o tipo de histórias que nunca haviam visto antes. Nesse sentido, ele certamente conseguiu.

Entre todas as suas ideias estranhas, estavam Homem de Gelo sendo reduzido a uma cabeça, Noturno participando de uma trama para derrubar o catolicismo e o “fato” de que os mutantes, por acaso, são imunes à AIDS.

Sra. Marvel dá à luz seu próprio namorado

Todo esse caso sórdido começou em Vingadores #197 (1980), com a revelação de que a Sra. Marvel havia engravidado de alguma maneira sem pai. Pouco tempo depois, ela deu à luz um homem já adulto, conhecido como Marcus Kang.

Kang nasceu no Limpo, e engravidou a super-heroína como parte de um plano de nascer no mundo real. A pior parte disso? Sra. Marvel se apaixonou por seu próprio “filho” e decidiu fugir com ele.

As aventuras de Billy Ray Cyrus

A Marvel estava desesperada para vender mais revistas nos anos 90, porque vivia uma crise inimaginável. Em dado momento, os editores decidiram fazer uma revista sobre Billy Ray Cyrus, um famoso músico da época.

Na primeira edição do gibi, um grupo de nativos americanos fingem ser fantasmas e depois brigam com um urso.

Na segunda, Bill Ray viaja de volta no tempo para Camelot, sendo golpeado por um cavaleiro e, em seguida, indo em uma missão para matar um dragão que acaba sendo apenas uma metáfora para uma primavera quente. Como assim?