Como Coringa ficou tão doentio e perturbador

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Coringa é o maior inimigo do Batman e muito provavelmente o vilão mais conhecido das histórias em quadrinhos – e um dos maiores dos cinemas, também.

Com quase 80 anos, o personagem mudou muito ao longo dos anos, mas uma coisa praticamente sempre permaneceu intacta: ninguém sabe ao certo de onde veio ou para onde vai.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com tantas décadas de histórias, separamos alguns tópicos interessantes sobre o Coringa para tentarmos analisar como exatamente o vilão se tornou tão doentio e perturbador.

O Homem que Ri

Aqui não estamos falando de uma versão propriamente dita do Coringa, mas do personagem que o inspirou. Para criar o vilão, Bill Finger e Bob Kane se inspiraram no clássico O Homem que Ri, de 1928, que conta a história de um homem com um sorriso permanente no rosto que tenta se vingar das pessoas que mataram seu pai e o deixaram com a face daquele jeito.

A história do personagem em si não foi usada como base para a criação do Coringa, mas sua aparência impactante e perturbadora claramente serviu de inspiração, com o vilão constantemente aparecendo com um sorriso doentio no rosto.

O primeiro Coringa

A primeira edição da revista mensal do Batman estreou em 1940, trazendo ninguém menos que o Coringa como vilão. Com seu sorriso icônico, cabelos verdes e terno roxo, este Palhaço do Crime era surpreendentemente ousado para sua época, matando diversas pessoas ao longo de sua primeira aparição.

A intenção era que o Coringa morresse na última página, mas ficou tão popular que os editores quiseram trazê-lo de volta.

Truques e besteiras

O Coringa foi um dos personagens que enfrentaram problemas com censura nos quadrinhos. As crianças viraram o público alvo dos gibis e não havia mais espaço para um vilão tão doentio e perturbador.

Por conta disso, o Coringa não imediatamente desapareceu, mas teve sua personalidade “aliviada”: ele não era mais um grande psicopata, mas um idiota que gostava de aplicar golpes e enganar outras pessoas. Um “troll”, em outras palavras.

O Capuz Vermelho

Muitas coisas tornam o Coringa interessante, mas a maior delas talvez seja sua origem nebulosa. Ninguém sabe ao certo quem era antes de virar o Palhaço do Crime. Em 1951, a DC resolveu brincar com essa ideia.

Em O Homem Atrás do Capuz Vermelho, o personagem do título claramente era o Coringa, mas a trama nunca nos disse nada realmente importante sobre sua origem. Seu nome e suas intenções eram desconhecidas, mas vemos que estava disposto a pular em um tonel de produtos químicos em vez de ser pego pela polícia.

Foi assim que nasceu o Coringa que conhecíamos, mas realmente conhecíamos o homem que se tornou o Coringa? O conceito era genial: uma origem sem contar uma origem.

Desaparecido e esquecido?

Nos anos que se seguiram, o Coringa apareceu cada vez menos nos quadrinhos do Batman. Não era por impopularidade, mas porque o então escritor das mensais do Homem-Morcego, Julius Schwartz, realmente odiava o vilão. Foi aqui que o Coringa da TV se mostrou muito importante.

Interpretado por Cesar Romero na série de TV do Batman dos anos 60, este Coringa ajudou a manter o vilão no coração dos fãs até que os editores da DC decidissem dar mais uma chance ao personagem.

Graças à popularidade que adquiriu na televisão, o Coringa até teve aparições em revistas da Liga da Justiça da época, ainda que continuasse “banido” por Schwartz das mensais do Batman.

O grande retorno

Em 1973, o Coringa teve um retorno magistral às histórias do Batman com As Cinco Vinganças do Coringa, um dos quadrinhos mais importantes e subestimados de todos os tempos. Os quadrinistas Denny O’Neil e Neal Adams plantaram a semente do “Coringa moderno”.

Inteligentemente, o que estabeleceram era que o Coringa havia desaparecido porque estava preso em um “hospital estadual para criminalmente insanos”. Saindo de lá, o personagem não era mais o idiota dos truques: aqui havia um Palhaço do Crime muito perigoso, louco e manipulador.

Os Peixes Risonhos

Vale destacar que o “Coringa moderno” foi sendo moldado aos poucos. Nesse sentido, em 1978, Steve Englehart e Marshall Rogers, que vinham de trabalhos na Marvel, foram muito importantes.

Em Os Peixes Risonhos, o Coringa inicia uma série de assassinatos, mas não aleatoriamente: suas vítimas eram autoridades de Gotham que estavam atrapalhando seus negócios com peixes envenenados com toxina do riso.

É uma motivação muito bizarra, mas é exatamente por conta disso que é tão boa: enquanto outros vilões do Batman tinham suas obsessões, o Coringa simplesmente estava acima da razão.

A evolução do vilão

Dos anos 70 aos 90, os quadrinhos em geral passaram por muitas mudanças porque agora podiam comportar elementos mais maduros. A galeria dos vilões do Batman é um exemplo disso.

Antes bandidos com truques surpreendentes, mas um pouco bobos, os antagonistas do Cavaleiro das Trevas foram retrabalhados para refletir uma abordagem psicológica mais profunda.

Duas-Caras, por exemplo, tornou-se uma representação de que podia haver extremos do bem e do mal em uma mesma pessoa. Até o Pinguim, baixinho obeso e ridicularizado, se mostrou um retrato do lado sombrio da riqueza. E o Coringa?

A dança eterna das trevas

Enquanto o Batman também passava por mudanças, o Coringa comprovou que era seu antagonista ideal. Ele evoluiu para virar seu maior nêmesis. Enquanto Batman era sobre determinação e ordem, o Coringa era sobre imprevisibilidade e caos.

Não importava quantas vezes o Homem-Morcego o prendia, o Palhaço do Crime voltava e causava ainda mais estrago que antes. Eles estavam destinados a fazer aquilo para sempre. E os quadrinhos atuais mostram que continua sendo assim.

Insanidade exponencial

Quando os talentosíssimos Alan Moore e Brian Bolland fizeram a icônica A Piada Mortal, eles deram início a um expoente de loucura no Coringa. Retornando à trama do Capuz Vermelho, os quadrinistas mostraram lampejos do homem trágico que o Coringa era, mas no fim concluíram que ele era tão perturbado que não lembrava direito nem mesmo do seu passado.

Deixando Bárbara Gordon, a Batgirl, paraplégica e tirando fotos dela nua para mostrar que o homem mais decente de Gotham – o Comissário Gordon – também podia enlouquecer (o que não aconteceu), o Coringa provava que era capaz de coisas verdadeiramente doentias. Algum tempo depois, também matou o pobre Jason Todd, o Robin, a sangue frio.

Assim o Coringa moderno estava construído. Coisas impactantes que vieram depois – como o Coringa arrancando seu próprio rosto nos quadrinhos e aparecendo como um assassino psicótico, frio e inteligentíssimo em Batman: O Cavaleiro das Trevas – foram fruto dos esforços de décadas na construção e reconstrução desse vilão, que parece não ter limites de interpretação.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio