2019 marca o fim de mais uma década. E para os cinéfilos, certamente foram 10 anos de muitos, muitos grandes filmes.

Separamos aqui 20 grandes filmes que foram lançados entre 2010 e 2019, na tentativa de montar um ranking.

Confira abaixo.


20. Antes da Meia-Noite

A grande obra-prima de Richard Linklater está na trilogia do Antes, que narra os diálogos deliciosos e aparentemente infinitos entre Ethan Hawke e Julie Delpy. Com o terceiro (e possivelmente último) filme da história, vemos Jesse e Celine em uma fase mais sóbria, abordando temas mais maduros e complexos, mas com a mesma maestria no roteiro e na direção.

19. O Palhaço

Selton Mello sempre foi um grande ator, mas O Palhaço revela seu talento gigantesco por trás das câmeras. É um filme repleto de personalidade única, personagens carismáticos e um senso de humor muito peculiar, naquele que, de acordo com nossa análise, é o melhor filme brasileiro da última década.

18. O Abutre

O poder de uma ideia original, e também do estudo do meio. Jake Gyllenhaal traz uma performance perturbadora e absolutamente carismática na estreia de Dan Gilroy na direção, seguindo a jornada sombria de um sociopata que passa as noites em Los Angeles filmando tragédias a fim de vender para o telejornalismo. Um suspense perfeito em praticamente tudo.

17. La La Land: Cantando Estações

Damien Chazelle já havia surpreendido com Whiplash, mas foi com o musical protagonizado por Emma Stone e Ryan Gosling que ele realmente conquistou os corações de Hollywood. Seu filme é uma nostálgica carta de amor ao passado, e que encanta por seu roteiro ágil, a direção caprichada e os números musicais apaixonantes.

16. Hereditário

Na última década, o gênero do terror passou por uma reformulação encantadora. Seja no sistema de estúdio ou no cinema independente, causar medo nunca foi tão satisfatório. Ari Aster fica no topo graças à sua estreia arrebatadora com Hereditário, uma obra apavorante, psicologicamente perturbadora e cujo grande trunfo está em seu roteiro bem calculado e na performance intensa de Toni Collette. Um dia eu tomo coragem de rever.

15. Trama Fantasma

Paul Thomas Anderson lançou três filmes nessa última década, e realmente qualquer um deles poderia entrar nessa lista. Ficamos com Trama Fantasma por ser o mais redondo, com o roteiro mais peculiar e também pela precisão estética de sua visão, tanto como diretor e fotógrafo. Capitaneado pelos ótimos Daniel Day Lewis e Vicky Krieps, Trama Fantasma é a história de amor mais descomunal da década.

14. Mad Max: Estrada da Fúria

Ninguém esperava que o retorno de George Miller ao seu mundo de fogo e sangue seria tão bombástico. Em um filme que abraça a simplicidade da história para dar espaço à algumas das cenas de ação mais impressionantes de todos os tempos, Miller traz um espetáculo visual e sonoro incomparável, com um filme de ação que deve fazer escola por anos e anos.

13. Dunkirk

Christopher Nolan sempre mirou grande em suas empreitadas, seja no cinema de ação, mistério ou ficção científica. Mas ao mergulhar no drama de Segunda Guerra Mundial sobre a evacuação de Dunkirk, vimos seu trabalho mais intimista e retraído, utilizando sua linguagem complexa e intrínseca para um tipo diferente de experiência. É emocionante, assustador e tecnicamente impressionante.

12. O Homem que Mudou o Jogo

Estatística do beisebol pode não ser o tema mais atraente, mas Aaron Sorkin e Steven Zaillian criam uma bela narrativa sobre o poder das escolhas no preciso e introspectivo Moneyball. É um filme quieto e lento, mas que ganha força pelo roteiro inteligente e o excelente elenco liderado por Brad Pitt e Jonah Hill, carregando a mensagem universal sobre o poder das escolhas.

11. A Origem

Christopher Nolan junta o melhor de seu cinema intelectual com um grande blockbuster de verão. Ao narrar a história de ladrões que usam sonhos para acessar a mente humana, o cineasta britânico traz um de seus melhores trabalhos, impressionando pela execução técnica de sequências surreais impressionantes e seus conceitos, debatidos até hoje – o final era um sonho ou não?

10. Era Uma Vez em Hollywood

Quentin Tarantino mostra seu lado mais maduro e reflexivo na carta de amor a Hollywood, mas sem perder sua perspicácia e humor ácido. Com um elenco estelar liderado por Leonardo DiCaprio e Brad Pitt, o nono filme do cineasta é um de seus melhores trabalhos até então, oferecendo uma narrativa mais preocupada em explorar o comportamento de seus personagens do que uma história propriamente dita. Uma viagem maravilhosa.

9. Divertida Mente

A Pixar tem nos entregado grandes trabalhos desde sua criação, com a estreia de Toy Story. O complexo Divertida Mente talvez seja o melhor deles, usando uma abordagem leve e delicada para tratar de temas como tristeza e solidão, encantando o espectador com sua originalidade e bom humor. Um filme perfeito.

8. Shame

As parcerias de Steve McQueen com Michael Fassbender sempre rendem resultados poderosos, e não foi diferente com Shame. De muitas formas, é o Taxi Driver moderno ao acompanhar a jornada de um homem solitário em uma grande metrópole, mas com o diferencial de ser uma trama melancólica sobre vício em sexo e distanciamento da humanidade. Um filme difícil, e com a melhor atuação da carreira de Fassbender.

7. Garota Exemplar

David Fincher é um dos diretores mais meticulosos da atualidade, e ao adaptar a comédia de humor negro/suspense de Gillian Flynn, trouxe um de seus melhores filmes. Garota Exemplar agarra o espectador pela garganta com seu mistério instigante e o roteiro intrincado, movimentado pela enigmática Rosamund Pike e um surpreendente Ben Affleck. 

6. Parasita

Nunca subestimem o cinema sul-coreano: é um dos melhores do mundo. A mais recente prova está com a obra-prima Parasita, longa que mistura humor negro, drama e melancolia em um roteiro original, imprevisível e completamente envolvente. O filme de Bong Joon-Ho talvez seja o grande lançamento deste ano, e merece todos os prêmios possíveis.

5. Inside Llewyn Davis: Balada de um Homem Comum

Os irmãos Coen sempre estiveram interessado nas histórias dos perdedores. É com essa justificativa que acompanhamos a vida sofrida, mas repleta de momentos inebriantes, do músico em decadência vivido por um melancólico Oscar Isaac. Pode parecer tristeza total, mas Inside Llewyn Davis tem energia, humor nonsense e figuras carismáticas que só poderiam aparecer na filmografia dos Coen.

4. Cisne Negro

A obra-prima de Darren Aronofsky, que passou a década anterior se firmando como um dos nomes mais interessantes do cinema americano. Ancorado por uma performance absolutamente brilhante de Natalie Portman, Cisne Negro é uma experiência perturbadora que oferece uma nova nuance sobre a batida premissa da obsessão em torno de ser perfeita, rendendo momentos de puro terror e alguns de magnitude transcendental.

3. A Chegada

Na última década, vimos a ascensão de Denis Villeneuve como um dos grandes nomes do cinema americano. Entre suspenses policiais, estudos de personagem e a continuação de Blade Runner, foi mesmo com a ficção científica contemplativa A Chegada que Villeneuve transcendeu. É um filme conceitual e inteligente, que analisa invasão alienígena através de um prisma humano, martelando a importância do diálogo em meio a situações alarmantes. 

2. O Lobo de Wall Street

Martin Scorsese é daqueles cineastas que nunca erra, e nesta década ele trouxe grandes filmes como Silêncio, Ilha do Medo, Hugo Cabret e o recente O Irlandês, todos dignos dessa lista. Mas é mesmo com O Lobo de Wall Street, comédia de humor negro ácida sobre o mundo das finanças, que Scorsese recupera seu estilo anárquico, ágil e completamente surtado. Uma grande história, e que de quebra traz a melhor atuação da vida de Leonardo DiCaprio.

1. A Rede Social

Quando David Fincher lançou o filme que narra a história da fundação do Facebook em 2010, havia comparações prematuras com Cidadão Kane. Quase 10 anos depois e essas afirmações começam a ser menos absurdas, já que o que Fincher, o roteirista Aaron Sorkin e o talentosíssimo elenco criaram com A Rede Social não é coisa simples. É um filme perfeito em todos os aspectos, desde a prosa dos diálogos, a montagem intrincada e a trilha sonora revolucionária. Vai além da fundação de um site para explorar temas de amizade, corporativismo e, na marca dos grandes filmes, se mostra ainda mais relevante nos dias de hoje. Um futuro clássico, sem sombra de dúvida.