Publicidade

La Casa de Papel quase foi cancelada; veja mais revelações chocantes

Publicado por Victor Carvalho

16/04/2020 21:00

É impossível imaginar a Netflix sem La Casa de Papel. Mas você sabia que antes de a série ser comprada pelo serviço de streaming, La Casa de Papel estava à beira do cancelamento?

Assim como acontece com o grupo de ladrões, a história de La Casa de Papel é sobre inesperadamente arrancar a vitória das garras da derrota. E esse é o tema do mais recente documentário da Netflix, La Casa de Papel: O Fenômeno.

Ao longo de uma hora, o filme explica o inesperado aumento de popularidade do programa e o aumento da fama. Mas o mais interessante é que mergulha no impacto cultural desse seriado, quase perdido na história da televisão.

Em todo o mundo, a iconografia de La Casa de Papel tem sido usada em protestos e rebeliões, da França ao Iraque.

Se você acabou de assistir à quarta temporada da série e já está com saudade, o filme pode ser uma boa pedida. Aqui estão algumas das revelações mais impressionantes do novo documentário sobre La Casa de Papel.

A série estava fadada ao fracasso antes de ir para a Netflix

Quando a primeira temporada da La Casa de Papel estreou na Espanha, mostrou-se promissora. Seu primeiro episódio atraiu 4,5 milhões de telespectadores no canal espanhol Antena 3.

Mas, à medida que a série passava, sua audiência despencou. Os produtores e o elenco já haviam aceitado a série como um fracasso quando a Netflix apareceu e a adquiriu.

A Netflix adicionou La Casa de Papel à sua biblioteca com pouco anúncio. Mesmo assim, os assinantes encontraram a série e adoraram, transformando o programa em um grande sucesso.

A primeira temporada nunca saiu de Madri

Apesar do fato de La Casa de Papel sempre ter sido uma produção internacional, a série nunca saiu da Espanha em sua primeira temporada. Todos os locais estrangeiros foram recriados por alguns trabalhadores dedicados e muito CGI.

Agora que La Casa de Papel é uma das séries mais populares da Netflix, seu orçamento aumentou drasticamente. A segunda temporada foi tão internacional quanto os codinomes da gangue de ladrões.

La Casa de Papel é a produção da Netflix mais vista em seis países

Segundo o documentário, La Casa de Papel é o programa mais visto na Netflix na França, Itália, Argentina, Chile, Brasil e Portugal. A série também tem um número significativo de fãs no norte da África, no Oriente Médio e na Turquia.

Então, sim, dizer que La Casa de Papel é popular é um pouco de eufemismo.

Stephen King e Neymar estão entre os famosos fãs da série

À medida que a série ganha cada vez mais força, mais celebridades vestem seus próprios macacões vermelhos e máscaras de Salvador Dali. Mas os dois maiores nomes obcecados pelo programa são o escritor de terror Stephen King e o jogador de futebol Neymar.

Neymar até fez uma participação especial como monge na terceira temporada de La Casa de Papel.

Apesar das tramas loucas, a série não é escrita com antecedência

Este pode ser o detalhe mais chocante de La Casa de Papel: O Fenômeno, considerando a complexidade dos planos de fuga da série. Os roteiros da série não são escritos com antecedência.

Em vez disso, eles são escritos durante as gravações. Isso é para que os escritores possam entender melhor o que um roteiro exige e adaptar a direção da série.

Portanto, se um ator ou diretor captar algo verdadeiramente notável no set, o programa em si pode mudar rapidamente para se virar para essa nova direção.

Por exemplo, a terceira temporada apresenta um flashback em que o Professor (Álvaro Morte) ensina seus alunos a realizar cirurgias em caso de emergência. Uma vez que ele traz um porco morto para praticar, Marselha (Luka Peros), o destemido assassino, imediatamente se recusa.

Acontece que ele pode não valorizar a vida humana, mas ele é um ativista dos direitos dos animais.

Esse detalhe foi originalmente incluído em tempo real para dar a essa cena tensa alguma leveza. Mas à medida que a temporada avançava, os escritores se baseavam nesse inesperado desenvolvimento do personagem.

O vínculo de Marselha com os animais, especificamente seu cachorro velho, tornou-se um elemento humanizador de seu caráter que lhe permitiu se relacionar com o Professor de luto.

Algumas cenas foram realmente complicadas

Há duas cenas que o documentário destaca como sendo mais difíceis do que todas as demais: Denver (Jaime Lorente) roubando o ouro do Banco da Espanha enquanto estava debaixo d’água e a equipe jogando dinheiro no ar de uma praça pública lotada. Para capturar o cofre submerso, a equipe teve que reconstruir o cenário dentro de um tanque de filmagem especial localizado no Reino Unido.

Mas havia um problema com os tijolos de ouro feitos de espuma. Primeiro eles começaram a flutuar e precisavam ficar mais pesados.

Então eles começaram a entrar em colapso sob a pressão da água. Para acertar a cena, foram necessárias muitas reflexões e correções rápidas na pós-produção.

Mas a distração com o lançamento do dinheiro foi o verdadeiro pesadelo de La Casa de Papel. Não somente era quase impossível lançar o euro da maneira que o diretor queria, mas o tempo também continuava mudando.

Foram necessárias várias tentativas e reuniram centenas de figurantes, mas eles finalmente conseguiram a cena extremamente importante.

O Professor é um nerd

La Casa de Papel: O Fenômeno destaca uma chave muito importante para o sucesso da série. Não importa o que o programa aspire ser imprevisível.

Essa dedicação se estende ao destemido líder de La Casa de Papel. Como o criador da série explica alegremente, o Professor deve ser um perdedor.

O público deveria pensar nele como um acadêmico trapalhão que se sente mais à vontade para dar aula do que com mulheres. Mas é esse líder inesperado que torna La Casa de Papel tão interessante, e é a dedicação do Professor à precisão que torna seus assaltos tão convincentes.

A série tornou a invasão do Banco da Espanha o mais realista possível

Desde a invasão de um cofre cheio de água até a tomada de reféns, a infiltração da equipe no Banco da Espanha não foi apenas para as câmeras. A equipe dos bastidores fez o máximo de pesquisa possível para fazer com que o assalto parecesse realista.

Isso incluiu a contratação de um engenheiro marítimo para ajudar no projeto da antecâmara, além de vários metalúrgicos para descobrir a maneira mais fácil de derreter o ouro e transportá-lo para longe do banco.

Roubar é sempre errado, mas se você planeja invadir o Banco da Espanha, La Casa de Papel pode ser um guia perigosamente útil.

“Bella Ciao” era uma canção de protesto muito antes de La Casa de Papel

Um dos momentos mais assustadores da série tem pouco a ver com enganar a polícia ou sobreviver a tiros. Tem a ver com uma música.

Na primeira temporada, quando o time está na Casa da Moeda da Espanha, eles começam a cantar a música italiana “Bella Ciao”. Isso incorpora a primeira esperança de que eles realmente possam escapar com seu dinheiro.

Mais tarde, “Bella Ciao” é repetida novamente enquanto o Professor canta de maneira sombria com seu irmão Berlim (Pedro Alonso). É então que a música se torna um símbolo de vitória no meio da rebelião.

Muito antes de inspirar ladrões de ficção na Netflix, inspirava manifestantes reais. Durante a Segunda Guerra Mundial, “Bella Ciao” foi usada para reunir a resistência antifascista na Itália.

A iconografia da série inspirou protestos e tentativas de roubo

“Bella Ciao”, uma música usada por manifestantes reais décadas atrás e adotada por manifestantes fictícios em uma série, tornou-se um verdadeiro grito de guerra em todo o mundo. Quando uma ONG resgatou um barco de imigrantes, a primeira coisa que essas pessoas fizeram foi cantar “Bella Ciao”.

A música, junto com os icônicos macacões vermelhos da série e as máscaras de Salvador Dali, apareceu em protestos no Líbano, Iraque, França e Chile. A iconografia da série também inspirou roubos na vida real, mas o melhor é focar nos protestos.

Todas as quatro temporadas de La Casa de Papel já estão disponíveis na Netflix.

Publicidade