Não é surpreendente que Criminal Minds – um programa baseado na análise comportamental de assassinos em série e saúde mental – receba algumas críticas. Chegar a 15 temporadas e 299 episódios de assassinos em série depravados não é uma tarefa para os fracos de coração, mas às vezes a série foi longe demais.

É seguro dizer que, se a série ainda estivesse presente hoje, os roteiristas certamente cortariam ou alterariam algumas cenas para combinar com os movimentos sociais que fizeram avanços significativos desde a estreia do programa em 2005. Existem retratos tóxicos de transtornos mentais, representação ofensiva da comunidade LGBTQ+, racismo e uma forte dose de sexismo.

No entanto, enquanto nenhuma dessas cenas faria sucesso hoje em dia, examinar e aprender com os erros do passado é a única maneira de Hollywood continuar a melhorar. Com isso em mente, aqui está uma retrospectiva de algumas das cenas de Criminal Minds que envelheceram mal.


O estereótipo de mulheres ambiciosas

Criminal Minds tem um histórico difícil quando se trata de retratar mulheres em posições de autoridade como sedentas de poder e moralmente corruptas. Se fosse apenas uma vez, o programa poderia ser perdoado.

No entanto, ambas as representações iniciais de mulheres de alto escalão do FBI estão repletas de estereótipos e ofensas. Isso só trouxe coisas negativas para a trama.

Três personagens principais negros morrem

Para uma série centrada em tanta morte, Criminal Minds evitou matar a maioria dos personagens principais. Mesmo quando o seriado teve que descartar alguns personagens, a maioria não morreu.

No entanto, os personagens negros eram muito mais propensos a receber um destino trágico do que seus colegas brancos. Em pouco tempo, a série matou três personagens negros que eram importantes, o que causou estranhamento aos fãs.

O relacionamento de Morgan com a filha de um policial

Derek Morgan é o coração e a alma de Criminal Minds – especialmente quando se trata de proteger crianças. Como sobrevivente de um ataque sexual na infância, Morgan se atiraria em um incêndio de verdade se isso significasse salvar uma criança inocente.

No entanto, de uma perspectiva externa, a feroz proteção de Morgan pode parecer um pouco superficial. O obsessivo relacionamento de Morgan com Ellie, a filha de um policial que morreu, por exemplo, levantou as sobrancelhas de alguns espectadores, embora não tivesse maldade nisso.

Rossi admite fazer xixi em um estudante negro

O episódio da nona temporada de Criminal Minds, “Strange Fruit”, é uma tentativa de despertar, mas acaba sendo altamente problemático. O episódio gira em torno do interrogatório do suspeito assassino em série Charles Johnson – um homem negro que mata brancos por causa do racismo sistemático que enfrentou por toda a vida.

Se o episódio tivesse sido enquadrado sob outra luz, poderia ter sido incrivelmente poderoso. Em vez disso, “Strange Fruit” se concentra mais no agente Rossi do que em Johnson.

Durante o interrogatório, Rossi tenta provar que não é racista ao mencionar sua ex-mulher negra. Depois que Johnson o critica, Rossi finalmente admite um segredo perturbador: ele fez xixi em um colega de classe negro na escola depois de um ataque de pressão dos colegas.

Os fãs de Criminal Minds acharam toda a cena muito desconcertante e desnecessária.

Cat força Reid a ir a um encontro

Cat Adams e Spencer Reid têm uma atração tóxica. A obsessão de Cat por Reid é estimulada pela equipe de Criminal Minds, permitindo que seu comportamento predatório continue.

A equipe frequentemente cede às suas demandas para salvar as vidas que ela coloca em risco pela atenção de Reid.

Na décima quinta temporada, Cat envolve Spencer em seus planos mais uma vez, sequestrando a família de Max por atenção. Forçando-o a sair para um encontro, ele admite que ela habita uma parte do cérebro dele que ninguém mais pode explorar.

As coisas vêm à tona quando ela o força a beijá-la sob a ameaça de matar a família de Max. Claro, Cat garante que Max esteja lá para assistir, mas isso pode ser visto como assédio.

“Conflicted” perpetua estereótipos trans prejudiciais

No episódio da quarta temporada, “Conflicted”, Criminal Minds lida com uma personagem trans da pior maneira possível, enquanto retrata estereótipos profundamente prejudiciais à comunidade trans.

Enquanto o próprio Adam nunca se identifica externamente como trans, sua personalidade alternativa Amanda se identifica como mulher enquanto mata e agride sexualmente homens em um hotel. A maioria das pessoas identificava Amanda automaticamente como uma mulher trans, intencionalmente ou não, especialmente em 2009, quando o episódio foi ao ar.

No final do episódio, Amanda assume completamente o controle, tornando-a uma mulher trans. Abordar a personagem como a assassina tóxica é uma afirmação prejudicial (e desnecessária) a ser feita quando ainda existem tantos mal-entendidos sobre a comunidade trans.

Criminal Minds, no Brasil, é exibida pelo canal AXN.