Já viu Vozes e Vultos? Confira ESTES detalhes que você deve ter perdido

O público não notou coisas impressionantes no filme da Netflix

Publicadohá pouco tempo
Por Marcel
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A essa altura você já deve ter assistido o novo fenômeno da Netflix, o filme de suspense psicológico Vozes e Vultos, que é estrelado pela atriz indicada ao Oscar Amanda Seyfried.

A produção que é baseada no livro All Things Cease to Appear da autora Elizabeth Brundage, conta a história de um casal que se muda de uma cidade grande para o campo, e lá começa a vivenciar acontecimentos sinistros.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mais do que ter algumas mensagens em suas entrelinhas, Vozes e Vultos tem muitos detalhes em diversas cenas que provavelmente você não percebeu. Nós separamos cada um deles para você.

A mensagem de abertura

Já na abertura do filme, muito antes de nos aterrorizarmos com os acontecimentos com Catherine e George, vemos a frase do filósofo sueco Emanuel Swedenborg, que diz: “Isso eu posso declarar, as coisas que estão no céu são mais reais do que as que estão no mundo”.

Além de nos deixar impactados, o autor da frase é referenciado durante todo o filme. Floyd, que é o novo chefe de George é um grande fã do filósofo, inclusive o livro do sueco aparece diversas vezes na produção.

Swedenborg acreditava que todo ser vivo tem uma contraparte espiritual que é tão real e impactante quanto sua presença física. O que faz muito sentido com os fatos que se sucedem no filme.

A pintura

Floyd, o chefe de George também é muito fã do artista George Inness, e sua famosa pintura, O Vale da Sombra da Morte aparece no filme. Quando George não vê saída e percebe que será preso pela morte de Catherine, ele foge em um veleiro.

Porém quando ele está tentando escapar a cruz de São Pedro, que é uma cruz anticristã invertida, aparece no céu e o barco se incendeia e George é levado para os portões do inferno, imagem que se assemelha muito à pintura de Inness.

A Obra no Museu

A pintura de Inness, não é a única que nos dá indícios sobre os momentos finais de George. Quando ele está com sua classe no museu, um aluno pergunta sobre a pintura de Thomas Cole, Viagem da vida: masculinidade.

Ele então explica ao garoto que ela retrata a crença do artista de que o marinheiro perdeu “a confiança da juventude”, ele ainda diz: “Veja as mãos do marinheiro. Eles não estão mais no leme”. A obra significa que o marinheiro apenas conta com a fé para salvá-lo em meio a uma tempestade.

Assim como George no final do filme, mesmo o leme do barco não respondendo aos seus comandos ele insiste até o fim, e a imagem congela, justamente para fazer referência às obras de Inness e Thomas Cole.

O Anel

Logo após Justine despertar do coma, ela tem uma visão de Catherine e também do fantasma de outra mulher que sofreu violência naquela casa. O fato dos espíritos estarem juntos chama a atenção para o anel que Catherine encontrou em sua cozinha.

Ele pertenceu à mãe de dois meninos órfãos, e foi o que estava escrito no anel que fez com que Catherine fosse pesquisar o que havia ocorrido com aquela família e fez com que ela percebesse que poderia ocorrer novamente.

O Fantasma amigo

Evidentemente Catherine tem muito medo das assombrações em sua casa, até porque elas assustam sua filha, mas uma cena pode indicar que o fantasma estava do seu lado.

Catherine tinha distúrbios alimentares, e frequentemente George usava isso para manipulá-la, inclusive ele chega a envenenar um shake de proteínas que o médico a receitou.

Então quando ela está no banheiro e o fantasma liga e derruba sua escova elétrica em cima da balança de vidro a quebrando, parece muito mais um aviso ou uma tentativa de ajuda do que um gesto para assustar.

O Pintor

Temos mais uma referência à arte na história do filme. Quando George conhece Willis na biblioteca e se sente atraído por ela, ele perceba que ela está lendo sobre o pintor italiano Caravaggio, que além de ter ficado famoso por suas obras, ele ficou conhecido por ter cometido um assassinato.

Então George conta sobre o assassinato cometido por Caravaggio para Willis. O fato dele iniciar uma tentativa de conquista falando sobre um crime mostra o que ele seria capaz de fazer.

Um aviso

A relação de Vozes e Vultos com a arte é realmente muito forte. No início do filme vemos uma apresentação de slides de diversos artistas que George estuda. E diversas obras parecem premonições dos acontecimentos.

“Aurora Borealis” da Igreja de Frederic Edwin também se parece com a última viagem de George, enquanto a “Tempestade em Aproximação” de Inness apresenta uma paisagem ao ar livre que está se tornando ameaçadora devido a mudança climática. Duas outras pinturas de Cole, “The Oxbow” e “Kaaterskill Falls”, também têm um tom sombrio.

Vozes e Vultos está disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio