10 grandes erros em The 100 que os fãs ignoram até hoje

O público deixou passar

Publicado em 4/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

ALERTA DE SPOILERS

The 100 é uma das séries de ficção científica de maior sucesso dos últimos anos. Além de uma premissa muito criativa e inteligente a produção oferece ótimos momentos de suspense e ação. Mas dificilmente algo é perfeito em tudo e a obra erra diversas vezes em sua trama.

A série conta a história de 100 sobreviventes de um apocalipse nuclear, que estavam em uma estação espacial e que retornam ao planeta Terra para avaliar as condições de vida.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Especialmente para você que é fã dessa grande produção de ficção científica, nós separamos nessa lista os 10 grandes erros em The 100 que o público ignora até hoje.

Confira a lista:

Mount Weather

A principal foco da trama na segunda temporada de The 100, era sobre a população do Monte Weather, que não aceitava os 100 primeiros que vieram para a Terra.

No decorrer da temporada Clarke e Bellamy decidem puxar a alavanca, deixar entrar ar e irradiar a montanha e isso mata a maioria das pessoas do Monte Weather. Porém estranhamente os guardas que já tinham feito o tratamento também morreram, e a razão disso não foi explicada.

O laboratório de Becca

Becca é uma das personagens mais importantes da história de The 100 e o seu laboratório foi fundamental para grandes descobertas na série. Mas não faz absolutamente nenhum sentido grande parte do mundo ter sido dizimada pela explosão nuclear e o laboratório permanecer intacto.

Bellamy estava certo

Na última temporada de The 100, Bellamy teve uma mudança brusca de comportamento, voltando-se contra seus amigos por sua crença recém-descoberta na ideia de transcendência.

Então Clarke acabou lhe matando, porém no final os personagens fizeram a transcendência, então tecnicamente Bellamy estava certo e seus amigos deveriam ter lhe ouvido.

Sangue Escuro

As lutas entre as crianças de sangue escuro que era uma tradição, não fazia nenhum sentido. As pessoas de sangue escuro eram muito especiais e algumas simplesmente morriam nessas batalhas de forma inútil. Certamente eles poderiam se organizar socialmente de outra maneira.

Terrestres falando inglês

Se pensarmos logicamente, os Terrestres deveriam saber falar inglês, em função da diferença de tempo entre o apocalipse e o início da série. Porém no início apenas Lincoln e os guerreiros falavam o idioma. Porém quando foi conveniente para o roteiro, todos os terrestres independentemente da posição ou da idade começaram a falar inglês.

Ciência básica

Evidentemente que não é pelo fato da série ser do gênero de ficção científica que ela tem que ser totalmente pautada na ciência, mas em The 100 nós vemos grandes erros até mesmo de ciência básica.

Desde o início da produção com os personagens não sentindo muita diferença na Terra, simplesmente para caminhar levaria algum tempo para se acostumar devido à gravidade, mas eles não têm nenhum problema. Há também o fato de que certas pessoas são imunes à radiação sem absolutamente nenhuma explicação.

O sangue de Lexa

O fato de Lexa ser parte dos sangue negro foi o que tornou sua personagem tão especial e o que a fez crescer na série. Porém na segunda temporada de The 100 acontece um fato muito estranho, a testa dela sangra e o sangue é vermelho. Pode ser que a história dos sangue negro ainda não tivesse sido totalmente desenvolvida naquele ponto, mas é um fato inexplicado.

Animais radioativos desapareceram

Na primeira temporada nós vemos um veado de duas cabeças, borboletas neon e outros animais afetados pela radioatividade. Mas após a segunda temporada esses animais nunca mais apareceram em The 100 e não há nenhuma explicação minimamente plausível para isso.

Apenas 97 anos

Como citei acima os terrestres não falavam inglês no início da série, a ideia que a produção queria passar é que entre o apocalipse e a chegada dos cem na Terra, eles já teriam sua própria linguagem e suas tradições.

Porém a diferença de tempo entre os eventos é apenas de 97 anos, o que seria no máximo duas gerações, muito pouco tempo para criar uma nova língua e novas tradições que todos entendam.

A transcendência e a Cidade da Luz

Raven e Octavia ajudaram a provar que os humanos mereciam transcender. Porém se pararmos para pensar eles lutaram contra isso durante grande parte da série.

Por exemplo na terceira temporada Clarke destrói a Cidade da Luz que tinha basicamente o mesmo conceito da transcendência, então fica a questão de qual a razão disso servir para os personagens em um momento e no outro não.

As sete temporadas de The 100 estão disponíveis na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio