Mais do que você gosta.

Publicidade

Curiosidades

Titanic: O que o filme não contou sobre os sobreviventes da vida real

Histórias desconhecidas de pessoas que escaparam da morte no naufrágio

Publicado por Alexandre Guglielmelli

14/05/2022 21:00

Titanic é, sem sombra de dúvidas, um dos filmes mais famosos de todos os tempos. Lançado em 1997, o longa de Steven Spielberg entrou para a história como o primeiro filme a garantir 1 bilhão de dólares nas bilheterias. Afinal de contas, ninguém resiste à história de amor vivida por Jack e Rose. Entretanto, a trama não conta alguns detalhes interessantes sobre os sobreviventes do acidente marítimo na vida real.

O filme Titanic chegou aos cinemas nos anos 90, mas o navio original partiu da Inglaterra em 10 de abril de 1912. O naufrágio mais famoso de todos os tempos aconteceu 5 dias depois, em 15 de abril. Mais de 1500 pessoas morreram.

Nos cinemas, o elenco de Titanic foi liderado por Leonardo DiCaprio e Kate Winslet. O filme contou também com Kathy Bates, Billy Zane, Frances Fisher e Victor Garber.

Listamos abaixo 7 detalhes interessantes sobre os sobreviventes de Titanic que o filme de Steven Spielberg não conta; confira.

Uma passageira famosa

Em Titanic, a sobrevivente mais famosa é, definitivamente, Molly Brown. No filme de Steven Spielberg, a personagem da vida real é interpretada por Kathy Bates. Entretanto, uma certa passageira do navio chega perto da fama de Molly. Trata-se de Ella Holmes White, uma interessante figura histórica descrita como “ousada” e “falastrona”.

Uma rica moradora de Nova York, White viajava com sua “acompanhante” Marie Grace Young. Entretanto, muitos historiadores acreditam que a dupla, na verdade, era um casal. White trazia consigo uma interessante bengala, ornada com uma pequena lâmpada elétrica – uma grande novidade na época do Titanic.

Os cachorros sobreviventes

Atualmente, acredita-se que 1504 pessoas morreram no naufrágio do Titanic. Muita gente se esquece, mas além de seres humanos, o navio também transportava alguns animais. Ao todo, 12 cachorros viajaram no transatlântico – e pelo menos três deles sobreviveram ao acidente. Na época, os animais de estimação também pagavam passagem, no mesmo preço do tíquete infantil.

Os três cachorros que sobreviveram ao naufrágio do Titanic eram dois lulus da pomerânia e um pequinês. Um dos lulus tinha o nome Lady, e pertencia a uma mulher de 24 anos chamada Margaret Hays. O outro, era de Elizabeth Barret Rothschild. O pequinês, por sua vez, era chamado Sun Yat-Sen, e acompanhava Henry Sleeper Harper.

Os músicos do Titanic

Em uma das cenas mais emocionantes de Titanic, a banda do navio decide continuar tocando em meio ao naufrágio. Isso aconteceu na vida real. Segundo análises de historiadores, os músicos tocaram por cerca de 2 horas após a colisão do navio com o Titanic. Mas afinal: qual foram as últimas canções tocadas pela orquestra do transatlântico?

O líder da banda do Titanic se chamava Wallace Hartley. Segundo o historiador George Behe, o músico havia dito a um colega que, se estivesse em um naufrágio, tocaria as canções “Nearer My God to Thee” e “Oh God Our Help in Ages Past”. Mas de acordo com um passageiro do navio, a última música tocada pela banda foi um hino cristão chamado “Autumn” (Outono).

Os passageiros ficaram presos no Titanic?

Em um dos momentos mais revoltantes de Titanic, os passageiros de terceira classe ficam presos no convés do navio, enquanto os ricaços da primeira classe são levados aos botes salva-vidas. A cena entrou para a história do cinema, mas tudo indica que ela não aconteceu na vida real. Na verdade, segundo historiadores, cada subdivisão do navio contava com seus próprios botes.

Existia uma divisão entre os passageiros de primeira e terceira classe, mas ela não servia para “prender” os viajantes mais pobres. Na verdade, ela foi criada em decorrência das leis americanas de imigração, que na época, proibiam a interação entre imigrantes e os outros passageiros – com medo da disseminação de doenças.

Quem era o passageiro mais rico do Titanic?

As disparidades entre classes sociais representam um dos principais temas de Titanic. No filme de Steven Spielberg, os passageiros de terceira classe ficam confinados nas partes mais baixas do navio, enquanto os viajantes de primeira classe curtem cabines luxuosas e festas de elite. Os passageiros mais pobres do Titanic eram imigrantes, que viajavam aos Estados Unidos em busca de uma vida melhor.

Mas afinal, quem era o passageiro mais rico do Titanic? Trata-se de John Jacob Astor IV. Ele também aparece no filme, interpretado por Eric Braeden. Na época, Astor era considerado o homem mais rico do mundo. Em análises de historiadores, a fortuna do magnata é avaliada em 150 milhões de dólares. Hoje em dia, o valor equivale a 3,5 bilhões de dólares.

A mulher que sobreviveu a três naufrágios

Uma das passageiras do Titanic era a jovem Violet Jessop, que tinha 25 anos na época do desastre. Ela era uma enfermeira e comissária de bordo. Sortuda, ela conseguiu sobreviver ao naufrágio que matou mais de mil pessoas. Entretanto, esse não foi o único acidente marítimo vivido por Violet. Anos antes, ela já havia passado por outro trauma aquático.

Violet Jessop estava a bordo do navio Olympic quando ele colidiu com o HMS Hawke em 1911. O navio não chegou a naufragar, mas foi bastante danificado pelo acidente. 5 anos depois, Violet embarcou no HMHS Britannic – apelidado de Titanic. Para o azar da enfermeira, o navio também se envolveu em um acidente marítimo e acabou naufragando. Violet escapou da morte mais uma vez. Na verdade, ela só faleceu aos 84 anos.

Sobrevivência imprevisível

Um dos aspectos mais polêmicos de Titanic é o fato de Rose ter sobrevivido mesmo após ficar à deriva no oceano. No acidente da vida real, uma mulher realmente conseguiu escapar da morte ao pular do navio em direção às águas congelantes do Atlântico. Uma passageira de terceira classe, Rosa Abbott embarcou no navio acompanhada dos filhos – que infelizmente, faleceram no naufrágio.

Mas Rosa sobreviveu. Após passar horas boiando no oceano, ela foi resgatada por um bote salva-vidas. Traumatizada e em hipotermia, Abbott chegou a perder (momentaneamente) o movimento das pernas. Ela ficou internada por semanas após o acidente, mas eventualmente, conseguiu retornar à cidade natal de Providence, onde recebeu os cuidados de uma instituição religiosa.

No Brasil, Titanic está disponível no catálogo da Star+. Clique aqui para assinar a plataforma e conferir o longa de Steven Spielberg.

Publicidade