(Re)Assignment | Filme com Michelle Rodriguez é chamado de transfôbico em Toronto

Publicidade

(Re)Assignment, drama de ação estrelado por Michelle Rodriguez (franquia Velozes e Furiosos), teve sua première mundial no Festival de Toronto e causou controvérsia por ter colocado a atriz na pele de um homem forçado a mudar de sexo.

Além de receber críticas, o longa também não foi bem recebido pelo público, que ficou indignado com a sugestão de que mudança de sexo é considerada um castigo. Após sua exibição no festival, (Re)Assignment chegou a ser chamado de “transfôbico” e “repugnante” por alguns usuários do Twitter.

“Acabei de sair da première de #reassignment tremendo de raiva. Não é engraçado nem bonitinho. É transfôbico e nojento”, escreveu uma das internautas.

Continua depois da publicidade

Sobrou até para o próprio Festival de Toronto: “Vocês deveriam ter vergonha por mostrar #ReAssignment e os criadores do filme deveriam ter vergonha também. Como se atrevem a explorar vidas de transgêneros? Repugnante. #VidasTransImportam”, disse mais um seguidor.

Outros espectadores revoltados também chamaram o filme de vingança de “uma ideia terrível” e também uma “versão trash e incrivelmente incompetente” do elogiado A Pele que Habito, de Pedro Almodóvar, que trata do mesmo tema.

(Re)Assignment gira em torno de um assassino (Michelle Rodriguez) que é traído por gangsteres e cai nas mãos de uma desonesta cirurgiã (feita por Sigourney Weaver), que o transforma em uma mulher. O assassino (agora assassina) decide ir atrás de vingança e conta com a ajuda de uma enfermeira chamada Johnnie, que também tem segredos obscuros, na sua jornada.

O roteiro e a direção ficaram a cargo de Walter Hill (Alvo Duplo), que se reúne com Weaver após a franquia Alien – Hill serviu como produtor dos filmes.

Publicidade
© 2021 Observatório do Cinema | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade