ALERTA DE SPOILERS

Em Tales from Dark Multiverse: Death of Superman, a DC deu sequência ao icônico arco da morte do herói da década de 80, mas de uma maneira diferente.

Em vez de uma mera consciência da IA ​​kryptoniana que assume uma forma humanoide, O Erradicador, nesta história, se liga a uma vingativa Lois Lane que está devastada pela morte do seu amado.


O plano do Erradicador de reviver Kal-El aparentemente foi um fracasso, e ele então se funde com o corpo de Lois para conter a energia restante.

Isso dá a Lois todos os poderes do Superman, mas a dor de sua perda a faz agir sem nenhum tipo de restrição contra os vilões.

A partir daí, a história diverge para dar ao segundo ato mais esperançoso da saga uma cara sombria. Lois como Erradicador é fiel ao seu nome, lidando com os problemas sem piedade.

Assim, ela parte em sua busca, livrando o mundo de políticos corruptos, capitalistas, senhores da guerra e quase todo mundo que ela acha que o Superman deveria ter eliminado.

Em sua jornada, Lois vai atrás de Lex Luthor em um de seus esconderijos secretos. Ele se vangloria de como a morte de Superman é sua vitória final e admite que ainda está lucrando com a guerra e manipulando o mundo para que seus crimes ainda sejam pagos aos milhões.

Lex encontrou uma maneira de integrar a morte de Superman em uma parte de seu plano de negócios e sem Kal-El por perto, é simplesmente rédea livre para ele. No entanto, Lois não tem tempo para se divertir mais com o orgulho o vilão. Ela agarra-o pelo pescoço, voando até a estratosfera e o deixando queimar em cinzas.

Logo depois, Lois vai pra Gotham e, antes que o Coringa pudesse cometer outros crimes, ela o incinera com sua visão de calor, deixando até o Batman chocado.

Tales from the Dark Multiverse: Death of Superman #1 já está à venda nas bancas de quadrinhos norte-americanas.